Pular para o conteúdo principal

Ramiro Ledesma Ramos: O Fascismo Italiano: A Segunda Mensagem das Juventudes Subversivas


Por Ramiro Ledesma Ramos (em 1935)

1 - Fascismo e Marxismo, frente a frente

O triunfo do fascismo em 1922, e principalmente sua vitória definitiva contra todas as oposições em 1925, que é realmente o fato que o aloja e consolida, equivale à primeira réplica que diz NÃO à revolução bolchevique mundial. O fenômeno tem um interesse culminante para perceber o leito exato por onde correm as novas formas europeias. Pois já hoje, aos treze anos do regime fascista, é ingênuo, e já falso, pensar que Mussolini congregou ao redor dos fasces litórios às forças passadistas e regressivas da Itália para combater e deter a ofensiva bolchevique com a instauração de um Poder reacionário. Essa interpretação do fascismo é absolutamente errônea, e se por efeito da batalha política, da agitação e da estratégia revolucionária, a fazem sua os partidos e as organizações marxistas, é seguro que nem o mais fanático de seus dirigentes o estima e julga desse modo.

Mussolini organizou e dirigiu o fascismo com apoio em uma mística revolucionária. E o que de verdade faz dele um criador e um inventor, quer dizer, um caudilho moderno, é precisamente ter intuído ou descoberto, antes de qualquer outro, a presença nessa época de uma nova força motriz com possibilidades revolucionárias, ou o que é o mesmo, a presença de um novo palanque, de signo e estímulo diferentes aos tradicionalmente aceitos como tais, mas capaz também de conduzir à conquista revolucionária do Estado.

O fascismo é, de fato, a primeira manifestação clara de que as consignas bolcheviques, não só não esgotavam ou polarizavam em sua defesa todas as energias transmutadoras da época, senão, ao contrário, deixavam de fora uma zona poderosíssima, e também subversiva e revolucionária, e tão extensa, que seria chamada a usurpar o próprio bolchevismo, em cruenta luta de rivalidade, a missão de desarticular o sistema caduco das formas demo-liberais. E criar uma nova ordem.

Foi na Itália, pois, onde ficou patenteada essa realidade, onde se evidenciou o erro em que se debatiam os propósitos universais do bolchevismo. E é curioso que alguns escritores socialistas, não bolcheviques mas sim revolucionários, como o espanhol Ramos Oliveira, imputem a razão da vitória de Mussolini sobre o marxismo na Itália "a que o leninismo se havia inoculado na maioria do socialismo italiano". Quiçá não se dão conta esses escritores do quão profunda é sua observação, mas não no sentido da mera influência tática, mas sim no que concerne a dimensão histórica do signo mundial bolchevique.

2 - O Fascismo, Fenômeno Revolucionário

Que o fenômeno fascista pertence à ordem dos acontecimentos revolucionários, nutridos com um estrito espírito da época, é para nós um fato incontestável. O que pediremos nestes tempos a um fato político destacado para poder situá-lo na órbita revolucionária, na linha subversiva de serviço à missão criadora e libertadora que corresponde a nossa época? Simplesmente o que segue:

I) Que contribua para decompor as instituições políticas e econômicas que constituem o embasamento do regime liberal-burguês, e isso, claro, sem facilitar a menor vitória às forças propriamente feudais;

II) Que ao arrancar da burguesia o papel de monopolizadora de todo o timão dirigente, edifique um novo Estado nacional, no qual os trabalhadores, a classe operária, colabore na missão histórica da Pátria, no destino assinado a "todo o povo";

III) Que tenda a subverter o atual estancamento das classes, postulando um regime social que dê base para o equilíbrio econômico, não no sistema dos lucros privados, mas no interesse coletivo, comum e geral de todo o povo.

IV) Que seu triunfo se deva realmente ao esforço das gerações recém-surgidas, mantendo uma ordem de coação armada como garantia da revolução.

É evidente que o fascismo italiano admite esse quadrilátero, e que os fascistas creem de verdade que esse é o sentido histórico da marcha sobre Roma. Agora, que a subversão haja sido quiçá excessivamente modesta, que o grau de serviço concreto à ascensão social e política dos trabalhadores resulte ainda pequeno, que o influxo dos velhos poderes anti-históricos, representativos da grande burguesia e do espírito reacionário, seja ainda excessivo, etc., tudo isso, apesar de aceito, não priva à revolução fascista do caráter que atribuímos a ela, e admite explicações bem variadas.  Uma delas, a de que todo regime necessita de uma base de sustentação o mais ampla possível, e se o fascismo, por chegar à vitória após uma luta com a classe operária de tendência marxista, se viu privada da devida adesão e colaboração de grandes núcleos proletários, teve que se apoiar mais do que o conveniente em uma constelação social distinta.

(esquerda para direita) José Antonio Primo de Rivera, Ramiro Ledesma Ramos e Julio Ruiz de Alda

Mussolini retificou, com o fascismo, a linha que os bolcheviques se gabavam de apresentar como a única com direito a monopolizar a subversão moderna. Para isso, o primeiro foi considerá-la como exorbitante e monstruosa em seu duplo signo primordial e característico: a ditadura proletária e a destruição do "nacional", quer dizer, a aniquilação política absoluta de tudo que não fosse "proletário", e a aniquilação histórica, igualmente absoluta, da "Pátria".

O fascismo estava conforme, sem dúvida, em reconhecer a razão histórica do proletariado, a justiça de sua ascensão a ser de modo direto uma das forças sustentadoras do novo Estado. Não aceitava seu caráter único, sua ditadura de classe contra toda a nação, e menos ainda que isso aceitava o signo internacional, anti-italiano, da revolução bolchevique.

Mussolini demonstrou com seus "fascios" que não podia ser exata a imputação que os "vermelhos" faziam a "toda a burguesia", quer dizer, a todo "o não-proletário", de ser resíduo podre e moribundo. Para defesa da Itália, para triturar uma revolução que ele acreditava, naquelas duas ordens, monstruosa e injusta, mobilizou massas de combatentes, extraídos de todos os lugares, em boa parte procedentes dos setores assinalados pelos marxistas como podres e moribundos. Sua atuação, heroica em muitos casos, a serviço, não da ordem vigente e da sensatez conservadora, mas de uma possível revolução "italiana", se impôs como mais vigorosa, mais profunda e popular que a atuação paralela desenvolvida pelo bolchevismo.

O fascismo revelou a existência de juventudes, de uma massa ativa, extraída em geral das classes médias, que se montava por cima da luta de classes, contra o egoísmo e o passadismo da burguesia e contra o afrouxamento anti-nacional e exclusivista dos "proletários". E fez dessas forças um palanque subversivo, desencadeado contra o que realmente havia de podre e moribundo na burguesia, que era seu Estado mofado, sua democracia parlamentar, sua estupidez exploradora dos despossuídos com a artimanha da liberdade, seu sistema econômico capitalista e seu viver mesmo alheio e estranho ao serviço patriótico e nacional da Itália. Agora bem, esse palanque não podia ser uma revolução anti-proletária, anti-operária. Isso o viu e tinha que ver Mussolini, antigo marxista, homem absolutamente nada reacionário, para quem a primeira verdade social e política da época, verdade de signo terrível para quem a ignore, consistia na ascensão dos trabalhadores, em sua elevação a coluna fundamental do novo Estado.

3 - Os Interesses Econômicos das Grandes Massas

Julgue-se o difícil e delicado de uma revolução como a fascista de Mussolini, que tendo sido feita em grande parte contra a consciência proletária, mantida fiel ao marxismo, tinha, não obstante, que realizar a missão histórica de elevar a classe proletária ao mesmo nível de influência que os atuais grupos dominantes da burguesia.

Ramiro Ramos Ledesma (centro)

Por sua própria origem, por esse caráter seu de ter tido que se bater contra uma das forças motrizes evidentes da subversão moderna a que assistimos, o fascismo se ressente e até se retarda no cumprimento daquela missão histórica. Ele derrubou, de fato, as instituições políticas da burguesia, e dotou os proletários de uma nova moral e de otimismo político, proveniente de terem desaparecido as antigas oligarquias; mas, terá ele derrubado ou pelo menos enfraquecido as grandes fortalezas do capital financeiro, da alta burguesia industrial e dos terratenentes, em benefício da economia geral de todo o povo? E ainda, ele vai realmente tornando possível a eliminação do sistema capitalista e baseando cada dia mais o regime nos interesses econômicos das grandes massas? Não parece suficiente que os operários se formem na milícia fascista e participem na mesma medida que outras classes no sustento político do Estado, se ao mesmo tempo o Estado fascista não adota a crença de que é, precisamente, elevando o nível econômico dos trabalhadores como se fortalece de fato a verdadeira potência do Estado italiano.

Facilmente se adivinham os perigos de que resulte futuramente falida neste aspecto a revolução. Claro que isso não tiraria do fascismo o caráter que já tem, mas evidenciaria seu fracasso histórico, seu caráter de coisa inacabada, de tentativa, de começo. Sua marcha sobre Roma recordaria então mais à marcha sobre Roma de Sila do que a de Julio César, e sua etapa de mando mais a um período conservador e regressista que a um revolucionário e fértil.

4 - O Fortalecimento do Estado por meio da Incorporação dos Trabalhadores

Neste momento, a eficácia fascista, quanto a ter conquistado a colaboração proletária, parece superior à da democracia burguesa. Não se pode por em dúvida que os operários italianos estão hoje mais identificados com o Estado fascista do que os operários franceses, por exemplo, com o Estado democrático-parlamentar da França. Este fato pode proceder de uma situação sentimental, o que significaria seu caráter transitório e movediço, mais que de uma realidade social-econômica, o que lhe proporcionaria um valor mais firme, mas é um fato existente e formidavelmente representativo.

Ramiro Ledesma Ramos
O Estado fascista vê diante de si a possibilidade de ampliar sua força história, fazendo com que a incorporação proletária represente para ele a própria eficácia que a incorporação da burguesia, com a revolução francesa, supôs para o Estado napoleônico. É evidente que a surpresa da Europa, ante a pujança imperial de Napoleão, procedia de que a Europa desconhecia, ao que parece, que a primeira consequência do fato revolucionário de 1789 foi vigorizar consideravelmente o Estado com a ascensão política da burguesia. Isso, hoje vemos com clareza solar. Antes de 1789, o Estado não tinha outro poder que o emanado dessas três forças: o rei, a nobreza e a Igreja. A revolução francesa pôs o Estado sobre os quadris e costas da burguesia, grande e pequena, e as consequências foram aprendidas pela Europa através das jornadas imperiais de Napoleão. Não se esqueça que o espírito bonapartista era o próprio espírito jacobino tornado hierarquia e disciplina, quer dizer, milícia.

Pois bem, parece que não escapa à perspicácia e à agudeza histórica e política de Mussolini que sozinho, na medida em que consiga realizar com os trabalhadores um fenômeno similar, conquistará para o Estado fascista verdadeira transcendência, e para a Itália verdadeiro império.

As dificuldades do fascismo italiano para a plena realização de semelhante perspectiva histórica são enormes. No que escrevemos estão insinuadas as de linhagem mais perigosa. Quiçá o fascismo, agoniado com o problema de se assegurar ferrenhamente desde o princípio, está ligado excessivamente a velhos valores, cuja vigência perturbaria quase por inteiro a ambição histórica a que temos nos referido.

5 - O Fascismo e as Instituições Demo-burguesas

Mussolini derrubou com grande sentido revolucionário as instituições políticas da burguesia. Desfez o parlamento, destruiu as oligarquias partidárias e acabou com o mito da liberdade política, coisas todas elas que não vacilamos um só minuto em assinalar como um serviço à subversão moderna. Não há, em efeito, nada mais insólito e deprimente que ver hoje as massas concedendo o menor crédito a esses redutos políticos da democracia parlamentar, cuja vigência, ademais de desmoralizar e corromper os partidos operários, assegurará sempre a vitória à burguesia, dona do dinheiro, e, portanto, monopolizadora da grande propaganda, da imprensa e de todos os estímulos do triunfo eleitoral.

Efetivamente, a revolução fascista tem em seu haver o desmoronamento real e teórico das formas políticas demo-burguesas. E ainda que isso seja avaliado, desde o setor marxista mundial, como um fortalecimento das posições da burguesia, já que fortalece sua segurança com instituições mais firmes que as parlamentares, as consequências históricas que em nossa opinião devem se deduzir daquele fato são precisamento de orientação contrária. Pois deslocada a burguesia das formas políticas e das instituições que lhe são próprias, aquelas que são uma típica criação sua e a cuja vigência deve de fato seu desenvolvimento econômico e sua força social, é notório que resulta debilitada enquanto poder histórico e político.

Arrancar da burguesia sua democracia parlamentar, seu culto ao livre jogo econômico e político das energias individualistas, e isso de um modo definitivo, sistemático e doutrinário também, quer dizer, não ao estilo de ditaduras reacionárias transitórias, dessas que deixam resquícios para o futuro e as quais desde logo o bom burguês aplaude, como aqui na Espanha aconteceu com o general Primo de Rivera, arrancar-lhe tudo isso do jeito que o fascismo fez, com certo sabor catilinária e adoração pública aos mitos de império, ação direta e coação absoluta, é, não o duvide ninguém, iniciar a decomposição radical da burguesia enquanto classe dominante. Em resumo, que o espírito burguês, e disso trataremos em outro capítulo posterior, não respira livremente na atmosfera do fascismo, não está nele nem se move em seu seio como o peixe na água ou o leão na selva. Não está em seu elemento próprio. Isso nos conduz a extrair uma consequência: o fascismo não é uma criação da burguesia, não é um produto de sua mentalidade, nem de sua cultura, nem de suas formas de vida.

Quiçá acontece com o fascismo o que já apontávamos em relação ao regime soviético. Que são fenômenos típicos da subversão que começa a se desenvolver em nossa época, e fenômenos com características de índole nada definitivo ou concluído, mas como as primeiras erupções, anunciadoras de algo ainda sem previsão. Por isso, abundam neles contradições que não se apresentam nunca em sistemas definitivos, acabados e perfeitos. Assim resulta que o marxismo, doutrina internacional e estranha em absoluto à ideia de Pátria, salva a Rússia "nacionalmente", fenômeno pelo menos tão estranho quanto o de nascer uma amendoeira onde se houvesse posto uma semente de laranjeira. E que o fascismo italiano, vitorioso contra os supostos "proletários", e em muitos aspectos, não sendo o menor o de seu financiamento, elevado pela grande burguesia, tenha que ser quem busque o fortalecimento de seu Estado na adesão e colaboração dos trabalhadores.

Trecho de "Discurso às Juventudes da Espanha" (1935)

Artigo disponível na sessão: Personalidades

Sobre o autor: Ramiro Ledesma Ramos

Veja Também





Comentários

  1. Visitem o blog MSG ZEN, onde encontrarão mensagens diárias para refletir e fotografias para apreciar.

    https://msgzen.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Postar um comentário

O Sentinela - Mídia dissidente brasileira

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Oque nossos leitores mais leem

2 milhões de alemãs - O Maior estupro em massa da História

Na foto, mulheres que suicidaram-se em uma praça, para não vivenciarem os estupros.
Aos 80 anos, Gabriele Köpp tem problemas com sono, por vezes, simplesmente não consegue comer. Aos 15 anos, ela foi repetidamente violada por soldados soviéticos, sendo virgem e não tendo nenhum conhecimento prévio sobre o sexo.
A revista "Spiegel" escreve que não existem os dados exatos sobre a quantidade de mulheres alemãs violadas pelo exército soviético, o número que aparece em várias publicações aponta para dois milhões de mulheres (2.000.000). Segundo a investigação do Dr. Philipp Kuwert, especialista de traumas e chefe do Departamento de Psiquiatria e Psicoterapia do Hospital universitário de Greifswald, a idade média das vítimas de violações soviéticas era de 17 anos e cada mulher foi violada em média 12 vezes. Quase metade das vítimas possui síndromes pós – traumáticos, incluindo os pesadelos, tendências de suicídio, anestesia emocional. Cerca de 81% destas mulheres adquiriram o efeito…

Por que os países árabes ricos não recebem os refugiados muçulmanos?

Porque eles não querem que eles residam permanentes...
Os trabalhadores estrangeiros são muito produtivos para o trabalho, melhorando a economia do país e vão para casa quando seus contratos estão chegando ao fim.
Os residentes estrangeiros, no entanto, tendem a trazer sua própria bagagem cultural e política com eles. Esses países já estão lutando para lidar com a modernização e reformas políticas/sociais, de modo que eles não precisam da "porcaria de ninguém" empilhada sobre si.
os "Idiotas do leste" estão muito felizes em ajudar...mesmo os trabalhadores estrangeiros podendo ser um fardo, como foi mostrado durante a Guerra do Golfo em 1991.
Trabalhadores palestinos e iemenitas foram expulsos de vários desses estados, porque seus governos saíram em apoio ao Iraque, ao contrário da política de seus governos, que era de acolhimento.
Com os trabalhadores estrangeiros, você pode simplesmente cancelar seus vistos e enviá-los para casa. Se você tem pessoas aceitas como imigra…

A família de Hitler e seus descendentes hoje

Adolf Hitler e Eva Braun, sua futura esposa, com quem se casaria, segundo relato, pouco antes da capitulação frente aos aliados

Um assunto bastante curioso e interessante, porém, pouco e até mesmo delicado de se tratar é a questão da família de Hitler e seus descendentes no contexto do pós guerra. Evitado tanto pelo lado daqueles que lutaram contra a Alemanha Nacional-Socialista, quem sabe pelo fato de terem em cheque uma acusação de perseguição infundada e por isso mantenham interesses em ocultar certos segredos, quanto por aqueles que são e foram seus simpatizantes, talvez por falta de informação ou censura. 
Muitas foram e ainda são as especulações a cerca da origem do Chanceler alemão e sua descendência. Umas dizem que Hitler teria sangue judeu correndo e suas veias, vindas de seu avô (ou bisavô), ou que seria um membro família Rotschild (banqueiros judeus) ou mesmo que Hitler teria tido filhos e escondido tal fato da mídia, mas que porém, com a queda da Alemanha, os Aliados teriam …

Negros e árabes escravizaram portugueses por 741 anos. Onde estão minhas reparações?

A grande "dívida" que os brancos tem com os negros por 400 anos de escravidão é provavelmente a maior mentira já contada na história. O preconceito contra os brancos é tão grande que até o Google mudou o resultado da minha pesquisa de “império mouro escravidão” para “império romano escravidão”. Mouro vem do latim Maures que significa Negro, devido a cor da pele deles dos integrantes do Império Mouro.
O Império Mouro foi o grande império muçulmano que conquistou o norte da África, Oriente Médio e Península Ibérica ( onde hoje se localizam Portugal e Espanha), é o mesmo império que alguns muçulmanos querem refazer através do estado islâmico. Com o regime de Califado, onde um homem seria escolhido por Deus para liderar o povo muçulmano na conversão do mundo para o islamismo.
Com o declínio do Império Romano, o Califado conseguiu uma brecha e em menos de uma década conquistou a península Ibérica inteira. Apesar da resistência de algumas regiões que voltaram rapidamente ao domínio …

Os judeus a Revolução Comunista russa e o assassinato do Czar

Acima, Tatiana e Olga; Sentados: Maria, Alexandra, Nicolau e Anastácia. E no chão, Alexei
Por Mark Weber
Na noite de 16-17 de julho de 1918, uma esquadra da polícia secreta Bolchevique assassinou o último imperador da Rússia, o Czar Nicolau II, junto com sua esposa, a Czarina Alexandra, seu filho mais velho de 14 anos, o Czaverch Alexis, e suas quatro filhas. Eles foram abatidos numa salva de balas num pequeno espaço de um cômodo da casa em Ekaterinoburgo, uma cidade na região dos Montes Urais, onde eles estavam mantidos como prisioneiros. A complementação da execução das filhas foi feita com baionetas. Para prevenir o culto ao Czar morto, os corpos foram descartados para o campo aberto e apressadamente enterrados em um túmulo secreto.
Avaliando o sinistro legado do comunismo soviético
As autoridades Bolcheviques inicialmente relataram que o imperador Romanov tinha sido baleado após a descoberta de um plano para liberar ele. Por algum tempo as mortes da Imperatriz e das crianças foram…

Gudrun Burwitz, a filha de Himmler, ativismo e família

Gudrun Burwitz, hoje com 86 anos. Na foto, aos desperdice dos netos no subúrbio do Munique, onde mora até hoje
Ao acenar adeus a seus netos, Gudrun Burwitz apresenta a figura de uma mulher pronta para viver o resto de seus dias em paz e sossego. Porém, a filha de Heinrich Himmler ainda trabalha em um ritmo forte em seu ativismo a favor dos perseguidos pelo sistema por serem ou trabalharem para o nacional-socialismo.
A Sra. Burwitz sempre alimentou a memória de seu pai, o homem que dirigia a Gestapo, e a SS como um homem bom e digno.
E apesar de sua idade avançada, formada advogada, ela continua a ajudar antigos integrantes do nacional-socialismo a escapar da perseguição judicial a qual foram impostos pelos inimigos da Alemanha. 
Como a figura de liderança do grupo Stille Hilfe – Ajuda Silenciosa – ela provê todo tipo de ajuda, inclusive financeira, aos ex-integrantes nazi e colaboradores. Grupo formado em 1951 por um grupo de oficiais de alta patente das SS, na Alemanha, o grupo existe pa…

O calvário das viúvas da ocupação

Após a liberação dos territórios ocupados pelos alemães dos países europeus, milhares de mulheres que tinham relacionamentos com soldados alemães foram expostas a execuções humilhantes e brutais nas mãos de seus próprios concidadãos. Era a "Épuration Légale" ("purga legal"), a onda de julgamentos oficiais que se seguiu à liberação da França e da queda do Regime de Vichy. Estes julgamentos foram realizados em grande parte entre 1944 e 1949, com ações legais que perduraram por décadas depois.
Ao contrário dos Julgamentos de Nuremberg, a "Épuration Légale" foi conduzida como um assunto interno francês. Aproximadamente 300.000 casos foram investigados, alcançando os mais altos níveis do governo colaboracionista de Vichy. Mais da metade foram encerrados sem acusação. De 1944 a 1951, os tribunais oficiais na França condenaram 6.763 pessoas à morte por traição e outros crimes. Apenas 791 execuções foram efetivamente realizadas. No entanto, 49.723 pessoas foram …

A Grande Farsa do Holocausto Judaico (PARTE I) - "Fotos Falsificadas"

Todos os anos desde o fim da Segunda Guerra Mundial nos deparamos com centenas de livros, documentários, seriados de TV e tantos outros materiais relacionados ao genocídio ou ao assassinato de 6 milhões de judeus em câmaras de gás nos campos de concentração, cometidos pelos Nacional-Socialistas durante a Segunda Guerra Mundial, mais precisamente do ano de 1942 à 1945. Não seria lógico entender a invenção do Holocausto como uma maneira de esconder os crimes cometidos pelos próprios aliados em Hiroshima, Nagasaki, Dresden e tantos outros? Como podemos explicar a atual posição de alguns historiadores e até mesmo do ex-presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, em negar tal acontecimento? Como muitos sabem, e também muitos não sabem, na Europa a negação do Holocausto vêm sendo criminalizada com leis específicas, impedindo pesquisadores e pessoas sérias de saberem o que de fato aconteceu nos campos de concentração alemães durante o período de 1942 até 1945. 
No entanto, este grave crime cont…

A verdade sobre Olga Benário e Prestes

Olga Gutmann Ben-Ario (1908 - 1942)
Por: Luiz Gonçalves Alonso Ferreira (1)

Na alvorada de março de 1934, vindo de Buenos Aires portando passaporte americano, desembarcara no Rio de Janeiro um sujeito de nome Harry Berger. Preso pela polícia carioca no natal de 1935, logo revelou-se a identidade secreta do viajante. Chamava- se, o misterioso elemento, Arthur Ernst Ewert, judeu alemão, fichado em seu país de origem, no qual era ex- deputado, como espião. Constava também processo por "alta traição".
Berger era o agente do Komintern, especialista em golpes subversivos, enviado para o Brasil com a missão de dirigir intelectualmente o plano traçado em Moscou, que objetivava a instauração de uma ditadura de tipo stalinista no País, por meio de levante armado. Sob ordens de Berger, lá estava Luiz Carlos Prestes, homem escolhido para encabeçar um "governo popular nacional revolucionário", segundo relatório do próprio Berger para o Komintern.
Prestes angariou simpatia no meio c…

“Nossas mães, nossos pais” - Um filme sobre a verdade da guerra

O filme “Nossas mães, nossos pais” (do alemão: "Unsere Mütter, unsere Väter"), exibido pelo canal de televisão alemão ZDF, conta a história de cinco jovens para os quais a Segunda Guerra Mundial se torna um desafio moral e ético, deixando clara a impressão de que a Alemanha está cansada de arrependimentos. O filme basicamente apresenta os soldados soviéticos como estupradores, os poloneses como antissemitas desumanizados e os ucranianos como sádicos. O contexto do drama vivido na invasão da Europa na sua verdadeira face.
A diplomacia russa considerou inaceitável o filme e enviou uma carta ao embaixador da Alemanha dizendo que a “maioria absoluta dos russos que teve a oportunidade de assistir ao filme” o achou inaceitável. Também foi criticado a exposição que fez o filme as atrocidades cometidas pelas tropas da URSS aos excessos isolados perpetrados por militares soviéticos na Alemanha, os quais foram severamente punidos pelo comando militar soviético, mas tão só depois de um …