Pular para o conteúdo principal

Hellstorm - o verdadeiro genocídio

HELLSTORM - filme de Kyle Hunt, radialista americano, criador do RENEGADE BROADCASTING, filme este lançado em maio de 2015 e baseado no livro de Thomas Goodrich. Tom também é americano, natural do Kansas. O seu livro foi editado em 2010. A obra videográfica, da qual Goodrich é coprodutor, documenta com extraordinário e chocante realismo os métodos de extermínio praticados pelos aliados contra a população alemã durante a Segunda Guerra Mundial. Os que vivenciaram aqueles acontecimentos, inclusive este que vos escreve, podem atestar que o filme reproduz aquela realidade com a maior fidelidade possível.


A primeira pergunta que aqui se impõe é: QUEM TEM TODA ESSA AUTORIDADE PARA DECIDIR SOBRE QUEM PODE VER O QUÊ? Ainda pode se imaginar que o governo da Alemanha falsificada, ou seja, a dona Merkel, tenha interferido junto ao Youtube e solicitado o bloqueio de um trabalho que não combina com as suas diretivas governamentais, mas será que os representantes de Nauru, do Chade, Tajiquistão, ou que tais, se deram esse trabalho? Os dois comunicados recebidos pela produtora RENEGADE BROADCASTING começam assim: “We have received a legal complaint regarding your video... (Nós recebemos uma reclamação legal referente o seu vídeo..)” Querem dizer que já existe jurisdição única sobre todas os estados citados? Que sofisma. É que este documento conta a história que os vencedores ainda não querem que você conheça. Alguns de vocês devem se lembrar dos tempos em que a TV do Sílvio Santos exibia semanalmente, acho que aos sábados, reprise após reprise da série “Holocausto” e não houve nenhuma reclamação legal. Tampouco as inúmeras produções hollywoodianas sobre o mesmo tema mereceram qualquer restrição. Mas também quem vai defender um país vencido, escamoteado, vilipendiado, hoje simples colônia, com um povo possivelmente condenado ao total desaparecimento.

Alguém já disse que os alemães mais germânicos, que melhor preservaram sua identidade, vivem no exterior, em outros países ao redor do mundo. Lembra a DIÁSPORA, não lembra? Por que não tiram disto algum ensinamento? O judeu em toda parte tem sua “federação israelita”, sem falar na portentosa B'nai B'rith (Filhos da Aliança). E se a conscientização da ameaça de extinção se espalhar por todos os povos germânicos, seria muito utópico pensar numa união mais abrangente, incluindo desde suecos até andaluzianos e lombardos? De qualquer forma, para que se possa dar ordens ao Youtube, há que se representar alguma coisa.

Proibido em quase 200 países, o documentário "Hellstorm" narra o que os vencedores não querem que o grande público saiba: a terrível verdade sobre as milhares de torturas, estupros, escravidão, pilhagens, mentiras e assassinatos em massa, além do não fornecimento de comida, abrigo e remédios de forma proposital infligidos, como política de Estado dos vencedores, a todo o povo alemão que se encontrava completamente rendido e desarmado pelos Aliados na Segunda Guerra Mundial.

Fonte: Blog do ToedterDesatracado


*DOCUMENTÁRIO*
(legenda: português áudio: inglês) 


(AVISO! O material contém algumas cenas de violência explicitas sem cortes que podem ser chocantes para algumas pessoas)

NOTA:


Norberto Toedter nasceu em Curitiba, Paraná no ano de 1929 e exerceu a profissão de publicitário.  Tendo assistido de perto as convulsões da II Guerra Mundial, não aceitou as versões sobre os acontecimentos que a imprensa globalizada impôs à opinião pública. Escreveu cinco livros, dando sua visão aos fatos em função do que viveu.

Continuou em atividade na Internet através do Blog do Toedter, contradizendo a mídia politicamente correta e contestando sua orientação uniformizada.

Comentários

  1. camarada, o que aconteceu ao blog do Tannhauser? sabes?

    parece que foi removido. é uma pena.

    ResponderExcluir
  2. Não sabemos te informar. O conteúdo era muito bom. Vale apena ser salvo

    ResponderExcluir
  3. https://i2.wp.com/i.imgur.com/OO9UQ2Q.jpg

    “Aún no habéis comenzado a comprender el alcance real de nuestra culpa. Somos intrusos. Somos perturbadores. Somos subversores. Hemos tomado vuestro mundo natural, vuestros ideales, vuestro destino, y causado estragos con ellos.”
    — Marcus Eli Ravage , autor judío, cita de la edición de enero de 1928 de la revista Century.

    Nosotros los Judíos, nosotros, los destructores, lo seguiremos siendo para siempre. Nada de lo que hagáis podrá satisfacer nuestras necesidades y demandas. Siempre destruiremos porque necesitamos un mundo para nosotros, un mundo de Dios, cuya construcción no se corresponde con vuestra naturaleza.”
    — Maurice Samuels, autor judío, cita de “You Gentiles”

    Durante siglos, la Judería Organizada ha estado en primera línea en los esfuerzos por subvertir, corromper, y, finalmente, destruir la Civilización Occidental tradicional y todo lo que ello representa. Henry Makow, en una revisión de E. Michael Jones “El Espíritu revolucionario Judío y su impacto en la historia mundial“ http://www.culturewars.com/Reviews/JRSAd2.pdf + http://www.culturewars.com/books.htm , describe el papel desempeñado por la Judería Organizada para lograr este objetivo como “subversiva en el sentido más profundo, invirtiendo la Voluntad de Dios, el evangelio de amor cristiano, el Diseño inherente y el Propósito de la Creación, secuestrando a la humanidad y deteniendo su desarrollo de acuerdo a dictados cabalísticos y talmúdicos.”

    A través de su control de los medios de comunicación y Hollywood, su influencia en la cultura popular y las artes, diversos movimientos intelectuales y de “justicia social”, incluyendo el marxismo cultural, el feminismo y la homosexualidad radical, la promoción de la pornografía y la degeneración sexual, la inmigración masiva y el “multiculturalismo” en países de Europa occidental y Eurodescendientes (Estados Unidos, Canadá, Australia y Nueva Zelanda), la Judería Organizada sin duda ha apuntado la Civilización tradicional Occidental para su destrucción. Estas técnicas de desestabilización representan un Complot Judío para corromper, contaminar y destruir cultural, espiritual, política y económicamente la cultura europea en primer lugar, y, en general, todas las culturas indígenas decentes, honorables. La Judería Organizada internacional debe ser vista como una élite hostil decidida a destruir la Civilización Occidental. En el prólogo de “Cultura de la Crítica“, el Dr. Kevin MacDonald lo explica muy bien: http://ssbiblioteca.webs.com/Judeus%20na%20Destruicao%20da%20Uniao%20Branca.pdf + http://www.kevinmacdonald.net/Immigration.pdf

    “The Culture of Critique” describe cómo los intelectuales judíos iniciaron y avanzaron una serie de importantes movimientos intelectuales y políticos durante el siglo XX. Sostengo que estos movimientos son intentos de alterar las sociedades occidentales de una manera que neutralizaría o acabaría con el antisemitismo y mejoraría las perspectivas de continuidad del grupo judío, ya sea en un acto hostil o de una manera semi-críptica. Varios de estos movimientos judíos (por ejemplo, el cambio en la política de inmigración favoreciendo los pueblos no europeos) han tratado de debilitar el poder de los que ellos perciben como competidores – los pueblos europeos, que a principios del siglo XX habían asumido una posición dominante no sólo en sus tierras tradicionales en Europa, también en los Estados Unidos, Canadá y Australia. A nivel teórico, estos movimientos deben ser vistos como el resultado de conflictos de intereses entre los Judios y no judíos en la construcción de la cultura y en diversas cuestiones de política pública. En última instancia, estos movimientos deben ser observados como la expresión de una estrategia evolutiva de grupo por Judios en su competencia por el dominio social, político y cultural con los no-Judios. […]

    ResponderExcluir
  4. Desde la década de 1960 una élite hostil adversaria ha emergido para dominar el debate intelectual y político. Se trata de una élite que casi instintivamente detesta las instituciones tradicionales de la cultura europea-americana: su religión, sus costumbres, sus modales y sus conductas sexuales.

    MacDonald afirma que la civilización occidental esencialmente ha sido Judaizada, cuando los revolucionarios líderes Judíos intelectuales y culturales, incluyendo Theodore Adorno, Freud Siegfried, y otros, y sus ideas han sido “ávidamente aceptadas por la gran mayoría de los intelectuales no judíos”, lo que demuestra cómo “el mundo intelectual occidental se ha Judaizado — las actitudes e intereses Judíos, lo que aprueban o desaprueban los Judíos, constituyen en la actualidad la cultura de Occidente, interiorizada por Judios y no Judios por igual”. El Dr. MacDonald añade:

    La Judaización de Occidente en ningún lugar es más evidente que en la veneración del Holocausto como icono moral central para toda la civilización. Estos hechos constituyen una transformación profunda de la tradición del individualismo crítico y científico que se había constituido en la tradición occidental desde la Ilustración. Más importante aún, a causa de la arraigada y profunda hostilidad judía hacia la cultura occidental tradicional, la Judaización de Occidente implica que los pueblos que crearon la cultura y las tradiciones de Occidente han sido llevados a sentirse profundamente avergonzados de su propia historia — sin duda el preludio a su desaparición como cultura y como pueblo. Este ataque cultural, espiritual e intelectual por parte de intereses judíos organizados, en contra de la cultura tradicional de Europa occidental, debe ser identificado con el fin de evitar la destrucción total de los Pueblos Europeos. Hace un par de semanas, John Kaminski y yo discutimos sobre algunas de las técnicas de desestabilización que la Judería Organizada ha utilizado en su batalla contra la Cultura Europea y los Pueblos Europeos, que incluyen:

    Promoción de la homosexualidad, “estilos de vida” alternativos, y el movimiento LGBT
    El movimiento de “liberación” de la Mujer, la promoción del aborto y el ataque a la unidad familiar
    La Promoción de la pornografía, el libertinaje y la degeneración.
    La inmigración masiva, tanto legal como ilegal, hacia las naciones Europeas y Eurodescendientes
    La promoción de la “igualdad”, “diversidad” y “multiculturalismo” mientras atacan las identidades nacionales y raciales, en particular las identidades Europeas (nota: este concepto no se aplica a los Judios, a quienes se anima a identificarse como Judios y a preocuparse de los intereses judíos)
    El uso de los medios de comunicación, Hollywood y otras formas de propaganda para incitar a la guerra contra los enemigos del Judaísmo internacional (NSDAP Alemania —> “Comunismo” —> los musulmanes), la fabricación de divisiones raciales (Trayvon Martin!), y el fomento de la degeneración sexual y cultural

    La promoción de un “entretenimiento” imbécil, distracciones, juegos y objetos inútiles de consumo, cuya demanda y necesidad la fabrican los medios de comunicación Judíos.

    Es bien sabido, aunque no se mencione tácitamente, que los Judíos controlan los Medios de Comunicación Occidentales y Hollywood. The Times of Israel publicó una entrada en el blog a principios del verano del 2012 titulado “Los Judios SÍ controlan los medios de comunicación”, y el escritor judío Joel Stein alardeó abiertamente en Los Angeles Times del control de los Judios sobre Hollywood y otros aspectos de la cultura estadounidense, el gobierno y las finanzas. Neal Gabler, otro escritor judío, escribió “Un Imperio Propio: Cómo los Judios inventaron Hollywood” documentando el papel de los judíos en Hollywood.


    ResponderExcluir
  5. El “Jewish Daily Forward” publicó un artículo (escrito por Douglas Wolk) titulado, “Faster than a Speeding Tallis: explorando las raíces judías de Superman y los Cómics Americanos”, detallando la influencia judía en la industria del cómic. Wolk describe la industria del cómic americano como una expresión de la cultura judía y escribe que “en realidad hubo muchos Judios involucrados en la creación de los más importantes comics americanos, de superhéroes y otros, a partir de finales de los años 30 y hasta mediados de los 70.” Y continúa:

    Sin creadores judíos no habría habido ningún Superman, ni Batman, ni Archie, ni Mad, ni “Maus”, ni “un contrato con Dios” y ninguno de los principales personajes de Marvel Comics introducidos en los años 60. Stan Lee, Jerry Siegel, Joe Shuster, Eisner, Harvey Kurtzman, Jack Kirby, Bob Kane, Bill Finger: todos los nombres importantes en la historia del cómic americano, y de Judíos, todos y cada uno de ellos. Y, con pocas excepciones, nunca le dieron una importancia particular en lugares públicos.

    Justo el otro día, The Jewish Daily Forward publicó un artículo titulado, “Paternidad Judía de los Monstruos de Película”, escrito por Michael Kaminer, esbozando el papel de los judíos en la creación la diferentes películas de Monstruos en Hollywood durante años. Un breve extracto:

    No parecen estar relacionados. Pero películas de Monstruos icónicas como La Momia, El Hombre Lobo, Drácula y La Criatura de Frankenstein comparten parentesco. Carl Laemmle, un inmigrante húngaro-judío, fundó en 1912 lo que se convirtiría en Universal Studios; bajo la tutela de su hijo, Carl Jr., el estudio pasó a presentar los monstruos más memorables de moviedom. Otro refugiado judío, Curt Siodmak, escribió guiones para “Universal” de criaturas característicos como “El hombre lobo”, “He caminado con un zombie”, y “La bestia con cinco dedos”. […]

    https://i2.wp.com/i.imgur.com/esjLWID.jpg


    La cultura Americana es esencialmente una cultura Judía, especialmente la cultura popular Americana que se ha desarrollado durante los últimos 70 años, más o menos desde la invención de la televisión. ¿Realmente le sorprende todavía a alguién que todo lo que se ve en televisión y películas sea basura pornográfica, degradante, inmunda, propaganda Orwelliana demonizando a los enemigos históricos y presentes de la Juderia a la vez que alaba acríticamente a Israel y todo lo malo de la cultura americana? http://www.salon.com/2012/08/13/nbcs_war_for_fun_and_profit/

    La promoción sistemática de la pornografía, la desviación y degeneración sexual, y el libertinaje, fueron y siguen siendo una técnica importante de desestabilización cultural utilizada por la Judería Internacional para pervertir y corromper el sentido de la moralidad en la sociedad, destruyendo normas sociales sanas y valores culturales, sustituyéndolas por la homosexualidad, la promiscuidad y el libertinaje. El Dr. Lasha Darkmoon describe los orígenes de este movimiento y el papel de liderazgo jugado por un grupo de pervertidos y desagradabes “intelectuales” Judíos en un brillante artículo titulado “Maestros del Porno: la promoción sistemática de la desviación sexual”, publicado en The Occidental Observer. http://www.theoccidentalobserver.net/2012/06/portraits-of-masters-of-porn-the-systematic-promotion-of-recreational-sex-sexual-callousness-and-sexual-deviancy/

    Adolf Hitler, escribiendo “Mi Lucha“, describió la naturaleza destructiva y subversiva de la Judería Organizada en la Civilización Occidental:

    Los Judios no tienen la capacidad que es necesaria para la fundación de una civilización, porque en ellos no hay, ni ha habido nunca, ese espíritu de idealismo que es elemento indispensable en el desarrollo superior de la humanidad. Por lo tanto, el intelecto Judío nunca será constructivo, sino siempre destructivo. (Capítulo XI, pág. 209)

    Fuente https://alertajudiada.wordpress.com/2014/06/22/juderia-organizada-destructores-de-la-civilizacion-occidental/

    https://i2.wp.com/trutzgauer-bote.info/wp-content/uploads/2015/08/Z_N.jpg

    ResponderExcluir
  6. Basta apresentar uma tese fundamentada no holoconto para se tornar mestre em história. http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/handle/1843/VCSA-6WXRRK/luz__enrique._o_eterno_judeu._disserta__o._hist_ria_fafich.pdf?sequence=1 Em nenhuma dessas teses menciona-se que Eisenhower, Churchill e de Gaulle não tiveram conhecimento das câmaras de gás nazis

    http://citadino.blogspot.com.br/2007/10/eisenhower-churchill-e-de-gaulle-no.html

    Três das mais conhecidas obras sobre a Segunda Guerra Mundial são a «Cruzada na Europa» do General Eisenhower (Crusade in Europe - New York: Doubleday [Country Life Press], 1948), «A Segunda Guerra Mundial» de Winston Churchill (The Second World War - London: Cassell, 6 vols., 1948-1954), e o «Memórias da Guerra» do General de Gaulle (Mémoires de guerre - Paris: Plon, 3 vols., 1954-1959). Nestas três obras não há uma única referência às câmaras de gás nazis.

    A «Cruzada na Europa» de Eisenhower é um livro de 559 páginas; os seis volumes de «A Segunda Guerra Mundial» de Churchill têm um total de 4.448 páginas; e o «Memórias da Guerra» do General de Gaulle tem 2.054 páginas. Em nenhuma destas três obras publicadas entre 1948 e 1959, que perfazem um total de 7,061 páginas (não incluindo as partes introdutórias), se encontra uma única referência às câmaras de gás nazis, ao genocídio de judeus, ou às seis milhões de vítimas judaicas da Guerra.

    As câmaras de gás, utilizadas para assassinar milhões de Judeus não mereceriam nem que fosse apenas uma referência passageira, nas obras de Eisenhower, Churchill ou de Gaulle?

    http://monamontgomery.com/products/271304.htm OFFICIAL INTERNATIONAL RED CROSS RECORDS RELEASED

    Todos os sobreviventes judeus de Auschwitz, e especialmente as "crianças de Auschwitz", ou seja, os que nasceram no campo ou passaram lá parte de sua infância, são provas vivas de que Auschwitz nunca foi um campo de extermínio.

    Não só não existiu nenhuma ordem, nem um plano, nem sequer vestígios de instruções ou orçamentos para uma tão vasta operação de extermínio sistemático de judeus, como não existe nenhum informe de necropsia que estabeleça a morte de um único prisioneiro por gás. Não existe uma perícia da tal "arma do crime", assim como não existe uma só "testemunha das câmaras de gás", apesar do esforço dos autores de best-sellers que trabalham para que acreditemos nisso. Na obra La Nuit (A Noite) testemunho autobiográfico publicado em 1958, Elie Wiesel não menciona uma única vez as câmaras de gás de Auschwitz; afirma, isto sim, e em minucioso relato, que os judeus eram exterminados em grandes fornos!

    Em 1993, Fred Leuchter, o engenheiro norte-americano especialista na fabricação de câmaras de gás e outros sistemas para a execução de criminosos nos EUA foi preso. Criador do Relatório Leuchter, uma investigação independente e pericial no campo de concentração de Auschwitz, na qual provava a impossibilidade de execuções por câmaras de gás e a inexistência de tais câmaras neste campo de concentração. Os jornais, os poucos que comentaram a prisão de Fred, disseram que ele havia sido preso ao desembarcar na Alemanha. Fred Leuchter havia sido preso sim, mas não no aeroporto ao desembarcar conforme falsamente informado, e sim, dentro do estúdio da TV de Köln (Colônia), no dia 28/10/1993, numa ação que envolveu nada menos que 20 policiais armados. (para deter um engenheiro desarmado)

    A prisão deste ilustre especialista aconteceu momentos antes de sua esperada participação num dos mais populares programas de TV alemã, conduzido pela famosa apresentadora Margarethe Schreinemacker, que possui uma audiência média de 7.650.000 espectadores.

    ResponderExcluir
  7. Leuchter havia sido convidado e sua participação vinha sendo anunciada, fato que fazia prever uma audiência bem maior, pelas revelações de um expert do assunto, e que iam ser apresentadas pela primeira vez, em mais de 48 anos, ao povo alemão.

    O chefe da operação policial “justificou” a ação, dizendo que o aparecimento de Leuchter na TV prejudicaria a imagem da Alemanha no exterior... Esta desculpa, apesar de totalmente esfarrapada, estava correta: O mundo sionista no exterior não ficaria contente. Em compensação haveria milhões de alemães que se sentiriam aliviados da terrível culpa coletiva falsamente jogada sobre seus ombros pelos deformadores da história.
    Fonte http://osentinela-blog.blogspot.com.br/2014/09/a-grande-farsa-do-holocausto-judaico.html

    Conocer la VERDADERA HISTORIA de la 2GM es CONDITIO SINE QUA NON para poder defendernos efectivamente. Sin saber quién fue realmente HITLER y lo que intento hacer, no entenderán jamas lo que esta sucediendo en nuestros dias http://es.metapedia.org/wiki/Econom%C3%ADa_nacionalsocialista#Abolici.C3.B3n_del_inter.C3.A9s_del_dinero

    Cuestionando el Holocausto® – ¿Por qué lo creímos? https://www.youtube.com/watch?v=-PK818SYvqk = http://questioningtheholocaust.com/

    https://plus.google.com/117780186646962901957/posts/HhtW4EzADeg + 7 mentários anteriores

    ResponderExcluir
  8. http://www.payer.de/religionskritik/karikatur283.gif

    SATANÁS DISCUTE COM SUA AVÓ, QUAL DOS DOIS TERIA GERADO MAIOR FLAGELO À HUMANIDADE. O PRIMEIRO DIZ TER INVENTADO OS JESUÍTAS E A BUROCRACIA.

    SUA AVÓ,ENTÃO: – "O COMUNISMO".

    O MALIGNO DÁ-SE POR VENCIDO.

    Fonte Fuchs, Eduard : “Die Karikatur der europäischen Völker”. — München : lange. — Teil 1: Vom Altertum bis zum Jahre 1848. — 4., vermehrte Aufl. — 1921. — 480 S. : Ill. — S. 413]

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fonte: http://www.payer.de/religionskritik/karikaturen9.htm

      Excluir
  9. https://quenosocultan.wordpress.com/2013/06/30/lo-que-el-mundo-rechazo-las-ofertas-de-paz-de-hitler-1933-1939/ A VERSÃO OFICIAL E SUA QUINTA COLUNA - A MÍDIA versus A LÓGICA EMBASADA EM PROVAS DOCUMENTAIS

    ResponderExcluir

Postar um comentário

O Sentinela - Mídia dissidente brasileira

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Oque nossos leitores mais leem

2 milhões de alemãs - O Maior estupro em massa da História

Na foto, mulheres que suicidaram-se em uma praça, para não vivenciarem os estupros.
Aos 80 anos, Gabriele Köpp tem problemas com sono, por vezes, simplesmente não consegue comer. Aos 15 anos, ela foi repetidamente violada por soldados soviéticos, sendo virgem e não tendo nenhum conhecimento prévio sobre o sexo.
A revista "Spiegel" escreve que não existem os dados exatos sobre a quantidade de mulheres alemãs violadas pelo exército soviético, o número que aparece em várias publicações aponta para dois milhões de mulheres (2.000.000). Segundo a investigação do Dr. Philipp Kuwert, especialista de traumas e chefe do Departamento de Psiquiatria e Psicoterapia do Hospital universitário de Greifswald, a idade média das vítimas de violações soviéticas era de 17 anos e cada mulher foi violada em média 12 vezes. Quase metade das vítimas possui síndromes pós – traumáticos, incluindo os pesadelos, tendências de suicídio, anestesia emocional. Cerca de 81% destas mulheres adquiriram o efeito…

Por que os países árabes ricos não recebem os refugiados muçulmanos?

Porque eles não querem que eles residam permanentes...
Os trabalhadores estrangeiros são muito produtivos para o trabalho, melhorando a economia do país e vão para casa quando seus contratos estão chegando ao fim.
Os residentes estrangeiros, no entanto, tendem a trazer sua própria bagagem cultural e política com eles. Esses países já estão lutando para lidar com a modernização e reformas políticas/sociais, de modo que eles não precisam da "porcaria de ninguém" empilhada sobre si.
os "Idiotas do leste" estão muito felizes em ajudar...mesmo os trabalhadores estrangeiros podendo ser um fardo, como foi mostrado durante a Guerra do Golfo em 1991.
Trabalhadores palestinos e iemenitas foram expulsos de vários desses estados, porque seus governos saíram em apoio ao Iraque, ao contrário da política de seus governos, que era de acolhimento.
Com os trabalhadores estrangeiros, você pode simplesmente cancelar seus vistos e enviá-los para casa. Se você tem pessoas aceitas como imigra…

A família de Hitler e seus descendentes hoje

Adolf Hitler e Eva Braun, sua futura esposa, com quem se casaria, segundo relato, pouco antes da capitulação frente aos aliados

Um assunto bastante curioso e interessante, porém, pouco e até mesmo delicado de se tratar é a questão da família de Hitler e seus descendentes no contexto do pós guerra. Evitado tanto pelo lado daqueles que lutaram contra a Alemanha Nacional-Socialista, quem sabe pelo fato de terem em cheque uma acusação de perseguição infundada e por isso mantenham interesses em ocultar certos segredos, quanto por aqueles que são e foram seus simpatizantes, talvez por falta de informação ou censura. 
Muitas foram e ainda são as especulações a cerca da origem do Chanceler alemão e sua descendência. Umas dizem que Hitler teria sangue judeu correndo e suas veias, vindas de seu avô (ou bisavô), ou que seria um membro família Rotschild (banqueiros judeus) ou mesmo que Hitler teria tido filhos e escondido tal fato da mídia, mas que porém, com a queda da Alemanha, os Aliados teriam …

Negros e árabes escravizaram portugueses por 741 anos. Onde estão minhas reparações?

A grande "dívida" que os brancos tem com os negros por 400 anos de escravidão é provavelmente a maior mentira já contada na história. O preconceito contra os brancos é tão grande que até o Google mudou o resultado da minha pesquisa de “império mouro escravidão” para “império romano escravidão”. Mouro vem do latim Maures que significa Negro, devido a cor da pele deles dos integrantes do Império Mouro.
O Império Mouro foi o grande império muçulmano que conquistou o norte da África, Oriente Médio e Península Ibérica ( onde hoje se localizam Portugal e Espanha), é o mesmo império que alguns muçulmanos querem refazer através do estado islâmico. Com o regime de Califado, onde um homem seria escolhido por Deus para liderar o povo muçulmano na conversão do mundo para o islamismo.
Com o declínio do Império Romano, o Califado conseguiu uma brecha e em menos de uma década conquistou a península Ibérica inteira. Apesar da resistência de algumas regiões que voltaram rapidamente ao domínio …

Os judeus a Revolução Comunista russa e o assassinato do Czar

Acima, Tatiana e Olga; Sentados: Maria, Alexandra, Nicolau e Anastácia. E no chão, Alexei
Por Mark Weber
Na noite de 16-17 de julho de 1918, uma esquadra da polícia secreta Bolchevique assassinou o último imperador da Rússia, o Czar Nicolau II, junto com sua esposa, a Czarina Alexandra, seu filho mais velho de 14 anos, o Czaverch Alexis, e suas quatro filhas. Eles foram abatidos numa salva de balas num pequeno espaço de um cômodo da casa em Ekaterinoburgo, uma cidade na região dos Montes Urais, onde eles estavam mantidos como prisioneiros. A complementação da execução das filhas foi feita com baionetas. Para prevenir o culto ao Czar morto, os corpos foram descartados para o campo aberto e apressadamente enterrados em um túmulo secreto.
Avaliando o sinistro legado do comunismo soviético
As autoridades Bolcheviques inicialmente relataram que o imperador Romanov tinha sido baleado após a descoberta de um plano para liberar ele. Por algum tempo as mortes da Imperatriz e das crianças foram…

Gudrun Burwitz, a filha de Himmler, ativismo e família

Gudrun Burwitz, hoje com 86 anos. Na foto, aos desperdice dos netos no subúrbio do Munique, onde mora até hoje
Ao acenar adeus a seus netos, Gudrun Burwitz apresenta a figura de uma mulher pronta para viver o resto de seus dias em paz e sossego. Porém, a filha de Heinrich Himmler ainda trabalha em um ritmo forte em seu ativismo a favor dos perseguidos pelo sistema por serem ou trabalharem para o nacional-socialismo.
A Sra. Burwitz sempre alimentou a memória de seu pai, o homem que dirigia a Gestapo, e a SS como um homem bom e digno.
E apesar de sua idade avançada, formada advogada, ela continua a ajudar antigos integrantes do nacional-socialismo a escapar da perseguição judicial a qual foram impostos pelos inimigos da Alemanha. 
Como a figura de liderança do grupo Stille Hilfe – Ajuda Silenciosa – ela provê todo tipo de ajuda, inclusive financeira, aos ex-integrantes nazi e colaboradores. Grupo formado em 1951 por um grupo de oficiais de alta patente das SS, na Alemanha, o grupo existe pa…

O calvário das viúvas da ocupação

Após a liberação dos territórios ocupados pelos alemães dos países europeus, milhares de mulheres que tinham relacionamentos com soldados alemães foram expostas a execuções humilhantes e brutais nas mãos de seus próprios concidadãos. Era a "Épuration Légale" ("purga legal"), a onda de julgamentos oficiais que se seguiu à liberação da França e da queda do Regime de Vichy. Estes julgamentos foram realizados em grande parte entre 1944 e 1949, com ações legais que perduraram por décadas depois.
Ao contrário dos Julgamentos de Nuremberg, a "Épuration Légale" foi conduzida como um assunto interno francês. Aproximadamente 300.000 casos foram investigados, alcançando os mais altos níveis do governo colaboracionista de Vichy. Mais da metade foram encerrados sem acusação. De 1944 a 1951, os tribunais oficiais na França condenaram 6.763 pessoas à morte por traição e outros crimes. Apenas 791 execuções foram efetivamente realizadas. No entanto, 49.723 pessoas foram …

A Grande Farsa do Holocausto Judaico (PARTE I) - "Fotos Falsificadas"

Todos os anos desde o fim da Segunda Guerra Mundial nos deparamos com centenas de livros, documentários, seriados de TV e tantos outros materiais relacionados ao genocídio ou ao assassinato de 6 milhões de judeus em câmaras de gás nos campos de concentração, cometidos pelos Nacional-Socialistas durante a Segunda Guerra Mundial, mais precisamente do ano de 1942 à 1945. Não seria lógico entender a invenção do Holocausto como uma maneira de esconder os crimes cometidos pelos próprios aliados em Hiroshima, Nagasaki, Dresden e tantos outros? Como podemos explicar a atual posição de alguns historiadores e até mesmo do ex-presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, em negar tal acontecimento? Como muitos sabem, e também muitos não sabem, na Europa a negação do Holocausto vêm sendo criminalizada com leis específicas, impedindo pesquisadores e pessoas sérias de saberem o que de fato aconteceu nos campos de concentração alemães durante o período de 1942 até 1945. 
No entanto, este grave crime cont…

A verdade sobre Olga Benário e Prestes

Olga Gutmann Ben-Ario (1908 - 1942)
Por: Luiz Gonçalves Alonso Ferreira (1)

Na alvorada de março de 1934, vindo de Buenos Aires portando passaporte americano, desembarcara no Rio de Janeiro um sujeito de nome Harry Berger. Preso pela polícia carioca no natal de 1935, logo revelou-se a identidade secreta do viajante. Chamava- se, o misterioso elemento, Arthur Ernst Ewert, judeu alemão, fichado em seu país de origem, no qual era ex- deputado, como espião. Constava também processo por "alta traição".
Berger era o agente do Komintern, especialista em golpes subversivos, enviado para o Brasil com a missão de dirigir intelectualmente o plano traçado em Moscou, que objetivava a instauração de uma ditadura de tipo stalinista no País, por meio de levante armado. Sob ordens de Berger, lá estava Luiz Carlos Prestes, homem escolhido para encabeçar um "governo popular nacional revolucionário", segundo relatório do próprio Berger para o Komintern.
Prestes angariou simpatia no meio c…

“Nossas mães, nossos pais” - Um filme sobre a verdade da guerra

O filme “Nossas mães, nossos pais” (do alemão: "Unsere Mütter, unsere Väter"), exibido pelo canal de televisão alemão ZDF, conta a história de cinco jovens para os quais a Segunda Guerra Mundial se torna um desafio moral e ético, deixando clara a impressão de que a Alemanha está cansada de arrependimentos. O filme basicamente apresenta os soldados soviéticos como estupradores, os poloneses como antissemitas desumanizados e os ucranianos como sádicos. O contexto do drama vivido na invasão da Europa na sua verdadeira face.
A diplomacia russa considerou inaceitável o filme e enviou uma carta ao embaixador da Alemanha dizendo que a “maioria absoluta dos russos que teve a oportunidade de assistir ao filme” o achou inaceitável. Também foi criticado a exposição que fez o filme as atrocidades cometidas pelas tropas da URSS aos excessos isolados perpetrados por militares soviéticos na Alemanha, os quais foram severamente punidos pelo comando militar soviético, mas tão só depois de um …