Pular para o conteúdo principal

Horst Wessel sobre o sentido da resistência nacionalista

Horst Wessel foi um líder das SA, divisão constituída por Hitler para defesa do movimento nacional-socialista durante seus eventos públicos, e também antigo membro da resistência nacionalista durante a República de Weimar. No seio da Berlim vermelha do final da década de 20, ele erigiu uma forte militância em defesa das ideias do movimento.

Um diálogo histórico

A 14 de janeiro de 1930, membros da organização paramilitar comunista Rotfrontkämpferbund foram até o apartamento de Horst Wessel, onde o comunista Albrecht Höhler (também conhecido como Ali) atirou contra seu rosto quando ele abriu a porta.

Horst Wessel faleceu a 23 de fevereiro no hospital municipal Friedrichshain devido a uma infecção generalizada oriunda do ferimento.

Antes de sua morte, Wessel fez uma entrevista com o germanista e perito em arte medieval, Dr. filósofo Hans Gerkenrath, sobre o sentido da resistência nacionalista, a qual continua ainda atual – após mais de 80 anos – e por isso mesmo deve ser lembrada como registro histórico.

Hans Gerkenrath: “Você tem uma habilidade extraordinária para arruinar seu futuro. Eu apenas acreditei que você teria mais fantasia neste aspecto. Mas deixemos a piada de lado, qual é o sentido em frequentar um bar qualquer e sair no braço com os marxistas e levar assim uma vida medíocre? Poxa, pense um pouco, é este seu objetivo de vida? Afinal de contas você é um estudante de uma corporação e além disso um brilhante jurista e pode, se quiser, fazer uma fantástica carreira. E o que você faz? Você vai até Wedding e deixa que o sangue escorra em sua face e de seus oponentes. Puxa vida, Wessel, se você quer ver sangue, promova um duelo; o que é mais condizente para pessoas de seu nível acadêmico. Quando te vejo assim, uma raiva gélida toma conta de mim. Você pode muito bem escrever sobre isso, você é uma pessoa talentosa. Como uma pessoa da área de humanas…”

Horst Wessel: “Espere um pouco, um segundo. Agora você me forneceu finalmente uma palavra-chave. Eu sei muito bem que você não entenderá nada daquilo que vou lhe explicar a seguir, seria o mesmo que falar em chinês. Mas eu quero conversar com você pelo menos uma vez em chinês. A coisa está desta forma:

Situação: eu venho de uma família de pastor, boa educação, concluí o ensino médio, faço parte da Kösener SC – Normannia e Alemannia, duas excelentes associações. Eu estudei Direito com muito afinco e dedicação. De vez em quando eu escrevo poesia e novelas. Eu adoro literatura e também música, resumindo, como você disse, eu sou uma pessoa de humanas. Eu também tenho muito bons modos, não é verdade? Eu nunca comi peixe com a faca e eu também posso beijar a mão de uma dama, sem que ela fique úmida pelo meu nariz. Me desculpe Hans, eu já estava começando a falar da forma firma como falo na SA. Em consideração a você, eu vou tentar falar de forma erudita. Ou seja, eu sou uma pessoa de humanas, isso nós concordamos. Eu devorei as obras de Goethe e adoro a Romantik, Schlegel, Tieck, Novallis – Eu idolatro Hörderlin e eu conheço meu Nietzsche e meu Kant – portanto, eu sou uma pessoa de humanas. E eu posso lhe contar e explicar o que venha a ser o dolus eventualis e como era o Direito da Roma Antiga na época de César.

Eu não vou cansar de repetir que eu sou uma pessoa de humanas. E agora ouça bem. Eu deixei de lado todo este conhecimento humanístico. Eu moro em um apartamento horripilante, que exala sopa de repolho e café de cevada, pois sempre como agora sopa de repolho e bebo café de cevada. Eu eu saio no braço, tão frequente seja necessário – e deve ser frequente – nas ruas contra trabalhadores alemães incitados e contra criminosos e cafetões. Eu tenho uma camisa marrom e marcho com meus camaradas e estes meus camaradas são “simples trabalhadores”, como você denominaria estes alemães, que talvez sejam nossos melhores exemplares. Eu permaneço em meu local de hábito. Eu sirvo às SA 24 horas por dia e eu não recebo um centavo por isso.”

Hans Gerkenrath: “E então…”

Horst Wessel: “Eu estou longe de terminar. Então, eu coloquei de lado tudo aquilo que possuía como conhecimento. E agora preste atenção. Por enquanto nada significa para mim: segurança da existência, perspectiva de carreira, o valor da cultura, a espiritualidade, a formação, até mesmo o arcabouço jurídico nada significa no momento para mim e eu quero lhe dizer que até mesmo minha vida nada significa no momento – enquanto este povo permanecer em tal horrível situação interna e externa. Enquanto este povo não tiver alguma cultura e espiritualidade e existência segura, eu também não quero ter. Espero que você me entenda, o que eu quero dizer, Gerkenrath?”

Hans Gerkenrath: “Naturalmente eu entendo isso! Eu apenas acho, Wessel, que você irá reconhecer que não se pode levar cultura a este povo ou a qualquer outro, à medida que se promova pancadaria de vida ou morte e …”

Horst Wessel: “Sim! Sim! Justamente assim! Poxa, agora chegamos ao centro do negócio. Você acredita realmente que eu saiba exatamente quantas pessoas se sentem incomodados com nossas maneiras brutais e com nosso rude linguajar e todo nossa rude apresentação? Hans, tem que ser assim, tem que ser simples! Primeiramente a casa deve ser construída, antes que a decoremos. Primeiro as estradas devem ser construídas, antes que os carros rodem sobre elas. Primeiro a existência desta pátria deve ser garantida, antes que nós possamos pensar em Goethe, Hörderlin, Johann Sebastian Bach e todas as coisas que alegrem a alma. Gerkenrath! Não existe uma cultura alemã sem um Estado alemão e não existe um Estado alemão sem um povo alemão.

Você bem sabe que eu não sou adepto de frases de efeito. E mesmo assim eu disse a você uma frase fundamental de minha cosmovisão. E agora lhe direi uma aplicação desta cosmovisão. Pode parecer um pouco grosseiro, mas nos tornamos rudes na luta. A aplicação prática desta cosmovisão é o seguinte: quem for uma pessoa com cultura, uma pessoa alemã, e quem conhece os bens culturais desta nação alemã e os ama durante toda sua vida, quem quer proteger e conservar, quem quer contribuir com uma pequena ou grande ação para que esta joia cultural possa continuar a florescer e crescer, que a considera seu bem mais precioso – justamente ele, Hans, tem que deixá-la temporariamente de lado neste momento. Pois primeiro a casa tem que ser limpa para esta cultura, você entende? Talvez a casa tenha que ser construída desde o começo. E quando a casa estiver pronta, limpa e digna, desinfetada e brilhante, então teremos chegado ao ponto. Quem estiver convicto disto, que esta atual casa alemã não é digna para abrigar o verdadeiro espírito cultural alemão, este tem que abandonar primeiramente o atual teatro de faz de contas, deixar os salões, sair das repúblicas de estudante, sair dos centros de convenções – e sabe para onde ele deve ir? Ele tem que ir para as ruas, ele deve estar lá no meio do povo e ele deve falar e discursar e, se for preciso, sair no braço para que a velha e empoeirada casa alemã seja demolida e uma nova possa ser construída.

Você percebe, é assim que as coisas estão. E por mais paradoxal que pareça, Hans: neste bairro operário, onde eu me encontro, nesta aflição burguesa, da necessidade, do crime, da miséria e da incitação, nestes bairros onde você certamente nunca esteve, mas que se tornou meu lar e por mais que você torça o nariz – aqui a cultura alemã é defendida por nós, pela SA, aquela cultura, meu caro, que você quer possuir, mas pela qual você nada faz para preservá-la.

Eu lhe digo: cada briga com um comunista em um canto qualquer, cada pequena passeata da SA em uma vizinhança hostil, cada briga em locais de reuniões é um passo avante na rua da cultura alemã, e cada cabeça de um membro da SA, que é atingida pelos comunas, foi mantida ereta em prol do povo, pelo Reich, pela casa da cultura alemã.

Você vê, eu posso lhe explicar exatamente sobre o que se trata, justamente porque eu sou uma pessoa erudita. E eu absolvo meus serviços da SA dia a dia e noite após noite, eu não quero ser nada mais, enquanto for necessário, do que um soldado de Adolf Hitler. Enquanto puder, eu quero brigar com os comunistas. Frente a frente, eu digo a você, eu quero enfrentá-los por toda parte!

Eu sei que existem professores universitários e escritores e pintores e músicos, sobre os quais se diz, eles são os portadores da cultura deste país. Por ora isso não é verdade. Por ora são dignos desta honra apenas os inúmeros anônimos que colam cartazes e distribuem panfletos, que protegem nossos eventos, que se tornam desempregados, que passam fome e frio, e que pedem esmolas e arriscam sua saúde e sua vida a todo o momento.

Caro Hans, em épocas onde o destino deve ser decidido, deve-se lançar mãos às vezes de métodos primitivos. Assim como as pessoas têm que comer para poder trabalhar, nós devemos lutar de forma primitiva e antiquada para que a nação esteja segura.

A SA marcha por Goethe, Schiller, por Kant e Bach, pelo domo de Colônia e pelos cavaleiros de Bamberg, por Novalis e Hans Thoma, pela cultura alemã, queira você acreditar ou não.

Vocês querem que a Alemanha volte a ser novamente totalmente alemã, quer dizer, que a Alemanha se torne nacional-socialista. Talvez isso aconteça ou não. Mas tem que acontecer. E vai acontecer com esta SA, a qual você caçoa por entrar nas brigas de rua. Você conhece Hyperion, não é verdade! Eles não o conhecem. E por conhecê-lo, eu quero garantir que Hölderlin perambule por muito mais tempo por terras alemãs, mas ele deve encontrar primeiro um solo alemão. E nisso eu contribuo no momento e eu vou caminhar com centenas de jovens selvagens e robustos pela Friedrichshain e socar o nariz de cada comunista, ponto. Acabou. Finito.”

Hans Gerkenrath: Estimado Wessel, pode ser que seja assim. Mas eu não posso imaginar, que ainda por atalhos, estes rapazes selvagens de Wedding tenham algo a ver com a cultura alemã, que vocês honrem Goethe com suas pancadarias sanguinolentas, e que vocês sejam porta-vozes da cultura através de uma gritaria descomunal e maneiras grosseiras. E que você jogue tudo isso fora, que…”

Horst Wessel: “Ah, Gerkenrath! Existe uma frase citada frequentemente, que você mesmo faz uso: jogue fora, assim você não perde. Portanto, nós estamos jogando fora, nós, da SA, para que não percamos, mas sim ganhemos de volta e você está aí e acha tudo grosseiro, sem maneiras – sim, pelo amor de Deus, a luta não é um acontecimento nobre e através da caneta tinteiro e máquinas de escrever não se pode mais defender agora a cultura alemã e muito menos reconquistá-la. Nós devemos agora, meu caro camarada, trabalhar por Goethe com canecas de cerveja e cadeiras. E quando tivermos ganho, bem, então nós abriremos os braços e abraçaremos nossos portadores da cultura e celebraremos juntos.

Veja, Gerkenrath! Quando o Terceiro Reich for realidade, e você sempre disse isso que isso vai acontecer, que você vai andar com a suástica e gritar “Heil Hitler!” – mas você ainda não terá entendido o que lhe expliquei. Talvez eu não esteja mais em condição de lhe explicar mais uma vez a coisa toda. Pois você não deve esquecer que nós não apenas brigamos por esta cultura alemã, mas nós também estamos dispostos a morrer por ela caso seja necessário. E isso nós já temos incorporado antes de vocês!”



Fonte: “Die S.A. erobert Berlin: Ein Tatsachenbericht” de Wilfrid Bade, 1933

Retirado de: Inacreditavel

Sobre a personagem, uma breve biografia:


Horst Ludwig Wessel foi filho de Margarete Wessel e Wilhelm Ludwig Georg Wessel (1879-1922), pastor luterano em Bielefeld de 1906 a 1908, e a partir de 1913 na histórica Igreja de S. Nicolai em Berlim.

Horst Wessel estudou Direito durante quatro semestres e foi membro do Corps Normannia Berlin e Corps Alemannia Wien. Em seguida abandonou os estudos e após 1928 trabalhou como motorista de táxi e como operário na construção do metrô. Em 1926 ingressou na NSDAP e na SA.

Horst à frente de seu  batalhão - 1929
Horst Wessel, transformado postumamente em mártir do movimento N.S. após seu assassinato em 1930, escreveu a letra da canção "Die Fahne hoch" ("Levante Alto a Bandeira!"), geralmente conhecida como Horst-Wessel-Lied ("a Canção de Horst Wessel"), a qual se tornou, erigida após a sua morte, o hino oficial da S.A (Sturmabteilung), cujo significado equivale a "Divisão de Combate" e que funcionou como organização paramilitar ligada ao NSDAP - Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei (Partido Nacional Socialista do Trabalhador Alemão), cujo inicialmente o seu objetivo era o de garantir a proteção e segurança das reuniões públicas do NSDAP. Tempos depois virou hino do Partido Nacional Socialista (NSDAP) e um dos dois hinos nacionais da Alemanha entre 1933 e 1945.

Wessel compôs a canção entre 1927 e 1928, escrevendo a letra do Horst Wessel-Lied, publicando-a em 1928 na revista nacional-socialista Der Angriff. O poema foi musicado com uma melodia presumivelmente do século XIX. Após a derrocada da Alemanha na Segunda Guerra Mundial, o Conselho de Controle das Forças Aliadas proibiu a execução da canção, proibição em vigor até o presente. Na Áustria, por disposições legais de 1947, vigora semelhante proibição.

Horst Wessel foi assassinado em 14 de janeiro de 1930 por Albrecht Höhler, ativista do KPD-Kommunistische Partei Deutschlands (Partido Comunista Alemão). Albrecht Höhler, acompanhado de vários ativistas comunistas, procurou Horst Wessel em sua residência, e ao este abrir a porta, baleou-o no rosto. Horst Wessel foi internado no hospital de Friedrichshain, onde acabou falecendo em 23 de fevereiro de 1930.

As exatas razões do assassinato permanecem não esclarecidas. O KPD refutou qualquer responsabilidade no crime e alegou que fora consequência de desavenças entre Erna Jänicke, companheira de Horst Wessel e Elisabeth Salm, locadora do imóvel em que o casal morava. A hipótese é possível, a se imaginar que, tendo o falecido marido de Elisabeth Salm sido ativista do KPD, sua esposa pode ter recorrido aos antigos partidários do marido a seu favor. Também crível é a teoria de que seria um ato de vingança da KPD, devido a execução de Camillo Ross, partidário comunista de 17 anos, perpetrada pela SA horas antes. Horst Wessel, como líder local da SA e membro do NSDAP, teria sido alvo imediato de vingança.

Albrecht Höhler e os co-autores do crime foram detidos e condenados a penas de prisão. Albrecht Höhler, com antecedentes criminais, recebeu a pena de seis anos e um mês de reclusão, e os co-autores receberam penas condicionais. Posteriormente durante o governo nacional-socialista, Albrecht Höhler foi executado.

Com a vitória eleitoral nacional-socialista, a história de Horst Wessel assumiu expressão nacional, e vários locais receberam seu nome:

- O distrito de Friedrichshain, até 1945, passou à denominação de Horst Wessel-Stadt.
- O hospital no qual Horst Wessel foi internado após o crime, recebeu o nome de Horst Wessel-Hospital.
- A antiga praça Bülowplatz, atualmente Rosa Luxemburg-Platz passou a Horst Wessel-Platz.
- Em Dresden a escola profissionalizante de Altstadt foi inaugurada como Escola Horst Wessel.
- Um navio-escola à vela da marinha recebeu seu nome. Após a guerra o mesmo foi apossado pelos Estados Unidos da América e atualmente está em poder da sua Guarda Costeira com o nome de Eagle (Águia).

Túmulo de Horst Wessel

No ano de 2000, por ocasião do septuagésimo aniversário de sua morte, os restos mortais de Horst Wessel sepultados junto a seu pai, sofreram profanação por parte de pessoas de esquerda, autodenominados de Autonomen Totengräber (Em tradução literal: "Coveiros Autônomos"). Conforme declaração dos vândalos, a caveira de Horst Wessel teria sido retirada e lançada no rio Spree, o que porém não foi definitivamente comprovado pelas investigações policiais. A rigor permanece em dúvida o real destino sofrido pela ossada, dada a possibilidade do túmulo ter inclusive sofrido total ou parcial remoção após 1945.

Veja a música no link do Youtube: (Aqui!)

Fonte: Metapedia

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Oque nossos leitores mais leem

2 milhões de alemãs - O Maior estupro em massa da História

Na foto, mulheres que suicidaram-se em uma praça, para não vivenciarem os estupros.
Aos 80 anos, Gabriele Köpp tem problemas com sono, por vezes, simplesmente não consegue comer. Aos 15 anos, ela foi repetidamente violada por soldados soviéticos, sendo virgem e não tendo nenhum conhecimento prévio sobre o sexo.
A revista "Spiegel" escreve que não existem os dados exatos sobre a quantidade de mulheres alemãs violadas pelo exército soviético, o número que aparece em várias publicações aponta para dois milhões de mulheres (2.000.000). Segundo a investigação do Dr. Philipp Kuwert, especialista de traumas e chefe do Departamento de Psiquiatria e Psicoterapia do Hospital universitário de Greifswald, a idade média das vítimas de violações soviéticas era de 17 anos e cada mulher foi violada em média 12 vezes. Quase metade das vítimas possui síndromes pós – traumáticos, incluindo os pesadelos, tendências de suicídio, anestesia emocional. Cerca de 81% destas mulheres adquiriram o efeito…

Por que os países árabes ricos não recebem os refugiados muçulmanos?

Porque eles não querem que eles residam permanentes...
Os trabalhadores estrangeiros são muito produtivos para o trabalho, melhorando a economia do país e vão para casa quando seus contratos estão chegando ao fim.
Os residentes estrangeiros, no entanto, tendem a trazer sua própria bagagem cultural e política com eles. Esses países já estão lutando para lidar com a modernização e reformas políticas/sociais, de modo que eles não precisam da "porcaria de ninguém" empilhada sobre si.
os "Idiotas do leste" estão muito felizes em ajudar...mesmo os trabalhadores estrangeiros podendo ser um fardo, como foi mostrado durante a Guerra do Golfo em 1991.
Trabalhadores palestinos e iemenitas foram expulsos de vários desses estados, porque seus governos saíram em apoio ao Iraque, ao contrário da política de seus governos, que era de acolhimento.
Com os trabalhadores estrangeiros, você pode simplesmente cancelar seus vistos e enviá-los para casa. Se você tem pessoas aceitas como imigra…

A família de Hitler e seus descendentes hoje

Adolf Hitler e Eva Braun, sua futura esposa, com quem se casaria, segundo relato, pouco antes da capitulação frente aos aliados

Um assunto bastante curioso e interessante, porém, pouco e até mesmo delicado de se tratar é a questão da família de Hitler e seus descendentes no contexto do pós guerra. Evitado tanto pelo lado daqueles que lutaram contra a Alemanha Nacional-Socialista, quem sabe pelo fato de terem em cheque uma acusação de perseguição infundada e por isso mantenham interesses em ocultar certos segredos, quanto por aqueles que são e foram seus simpatizantes, talvez por falta de informação ou censura. 
Muitas foram e ainda são as especulações a cerca da origem do Chanceler alemão e sua descendência. Umas dizem que Hitler teria sangue judeu correndo e suas veias, vindas de seu avô (ou bisavô), ou que seria um membro família Rotschild (banqueiros judeus) ou mesmo que Hitler teria tido filhos e escondido tal fato da mídia, mas que porém, com a queda da Alemanha, os Aliados teriam …

A Conquista Moura da Península Ibérica: Mouros escravizaram portugueses por 741 anos - onde estão minhas reparações?

A grande "dívida" que os brancos tem com os negros por 400 anos de escravidão é provavelmente a maior mentira já contada na história. O preconceito contra os brancos é tão grande que até o Google mudou o resultado da minha pesquisa de “império mouro escravidão” para “império romano escravidão”. Mouro vem do latim Maures que significa Negro, devido a cor da pele deles dos integrantes do Império Mouro.
O Império Mouro foi o grande império muçulmano que conquistou o norte da África, Oriente Médio e Península Ibérica ( onde hoje se localizam Portugal e Espanha), é o mesmo império que alguns muçulmanos querem refazer através do estado islâmico. Com o regime de Califado, onde um homem seria escolhido por Deus para liderar o povo muçulmano na conversão do mundo para o islamismo.
Com o declínio do Império Romano, o Califado conseguiu uma brecha e em menos de uma década conquistou a península Ibérica inteira. Apesar da resistência de algumas regiões que voltaram rapidamente ao domínio …

Os judeus a Revolução Comunista russa e o assassinato do Czar

Acima, Tatiana e Olga; Sentados: Maria, Alexandra, Nicolau e Anastácia. E no chão, Alexei
Por Mark Weber
Na noite de 16-17 de julho de 1918, uma esquadra da polícia secreta Bolchevique assassinou o último imperador da Rússia, o Czar Nicolau II, junto com sua esposa, a Czarina Alexandra, seu filho mais velho de 14 anos, o Czaverch Alexis, e suas quatro filhas. Eles foram abatidos numa salva de balas num pequeno espaço de um cômodo da casa em Ekaterinoburgo, uma cidade na região dos Montes Urais, onde eles estavam mantidos como prisioneiros. A complementação da execução das filhas foi feita com baionetas. Para prevenir o culto ao Czar morto, os corpos foram descartados para o campo aberto e apressadamente enterrados em um túmulo secreto.
Avaliando o sinistro legado do comunismo soviético
As autoridades Bolcheviques inicialmente relataram que o imperador Romanov tinha sido baleado após a descoberta de um plano para liberar ele. Por algum tempo as mortes da Imperatriz e das crianças foram…

Gudrun Burwitz, a filha de Himmler, ativismo e família

Gudrun Burwitz, hoje com 86 anos. Na foto, aos desperdice dos netos no subúrbio do Munique, onde mora até hoje
Ao acenar adeus a seus netos, Gudrun Burwitz apresenta a figura de uma mulher pronta para viver o resto de seus dias em paz e sossego. Porém, a filha de Heinrich Himmler ainda trabalha em um ritmo forte em seu ativismo a favor dos perseguidos pelo sistema por serem ou trabalharem para o nacional-socialismo.
A Sra. Burwitz sempre alimentou a memória de seu pai, o homem que dirigia a Gestapo, e a SS como um homem bom e digno.
E apesar de sua idade avançada, formada advogada, ela continua a ajudar antigos integrantes do nacional-socialismo a escapar da perseguição judicial a qual foram impostos pelos inimigos da Alemanha. 
Como a figura de liderança do grupo Stille Hilfe – Ajuda Silenciosa – ela provê todo tipo de ajuda, inclusive financeira, aos ex-integrantes nazi e colaboradores. Grupo formado em 1951 por um grupo de oficiais de alta patente das SS, na Alemanha, o grupo existe pa…

O calvário das viúvas da ocupação

Após a liberação dos territórios ocupados pelos alemães dos países europeus, milhares de mulheres que tinham relacionamentos com soldados alemães foram expostas a execuções humilhantes e brutais nas mãos de seus próprios concidadãos. Era a "Épuration Légale" ("purga legal"), a onda de julgamentos oficiais que se seguiu à liberação da França e da queda do Regime de Vichy. Estes julgamentos foram realizados em grande parte entre 1944 e 1949, com ações legais que perduraram por décadas depois.
Ao contrário dos Julgamentos de Nuremberg, a "Épuration Légale" foi conduzida como um assunto interno francês. Aproximadamente 300.000 casos foram investigados, alcançando os mais altos níveis do governo colaboracionista de Vichy. Mais da metade foram encerrados sem acusação. De 1944 a 1951, os tribunais oficiais na França condenaram 6.763 pessoas à morte por traição e outros crimes. Apenas 791 execuções foram efetivamente realizadas. No entanto, 49.723 pessoas foram …

A Grande Farsa do Holocausto Judaico (PARTE I) - "Fotos Falsificadas"

Todos os anos desde o fim da Segunda Guerra Mundial nos deparamos com centenas de livros, documentários, seriados de TV e tantos outros materiais relacionados ao genocídio ou ao assassinato de 6 milhões de judeus em câmaras de gás nos campos de concentração, cometidos pelos Nacional-Socialistas durante a Segunda Guerra Mundial, mais precisamente do ano de 1942 à 1945. Não seria lógico entender a invenção do Holocausto como uma maneira de esconder os crimes cometidos pelos próprios aliados em Hiroshima, Nagasaki, Dresden e tantos outros? Como podemos explicar a atual posição de alguns historiadores e até mesmo do ex-presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, em negar tal acontecimento? Como muitos sabem, e também muitos não sabem, na Europa a negação do Holocausto vêm sendo criminalizada com leis específicas, impedindo pesquisadores e pessoas sérias de saberem o que de fato aconteceu nos campos de concentração alemães durante o período de 1942 até 1945. 
No entanto, este grave crime cont…

A verdade sobre Olga Benário e Prestes

Olga Gutmann Ben-Ario (1908 - 1942)
Por: Luiz Gonçalves Alonso Ferreira (1)

Na alvorada de março de 1934, vindo de Buenos Aires portando passaporte americano, desembarcara no Rio de Janeiro um sujeito de nome Harry Berger. Preso pela polícia carioca no natal de 1935, logo revelou-se a identidade secreta do viajante. Chamava- se, o misterioso elemento, Arthur Ernst Ewert, judeu alemão, fichado em seu país de origem, no qual era ex- deputado, como espião. Constava também processo por "alta traição".
Berger era o agente do Komintern, especialista em golpes subversivos, enviado para o Brasil com a missão de dirigir intelectualmente o plano traçado em Moscou, que objetivava a instauração de uma ditadura de tipo stalinista no País, por meio de levante armado. Sob ordens de Berger, lá estava Luiz Carlos Prestes, homem escolhido para encabeçar um "governo popular nacional revolucionário", segundo relatório do próprio Berger para o Komintern.
Prestes angariou simpatia no meio c…

“Nossas mães, nossos pais” - Um filme sobre a verdade da guerra

O filme “Nossas mães, nossos pais” (do alemão: "Unsere Mütter, unsere Väter"), exibido pelo canal de televisão alemão ZDF, conta a história de cinco jovens para os quais a Segunda Guerra Mundial se torna um desafio moral e ético, deixando clara a impressão de que a Alemanha está cansada de arrependimentos. O filme basicamente apresenta os soldados soviéticos como estupradores, os poloneses como antissemitas desumanizados e os ucranianos como sádicos. O contexto do drama vivido na invasão da Europa na sua verdadeira face.
A diplomacia russa considerou inaceitável o filme e enviou uma carta ao embaixador da Alemanha dizendo que a “maioria absoluta dos russos que teve a oportunidade de assistir ao filme” o achou inaceitável. Também foi criticado a exposição que fez o filme as atrocidades cometidas pelas tropas da URSS aos excessos isolados perpetrados por militares soviéticos na Alemanha, os quais foram severamente punidos pelo comando militar soviético, mas tão só depois de um …