sábado, 5 de setembro de 2015

Por que os países árabes ricos não recebem os refugiados muçulmanos?


Porque eles não querem que eles residam permanentes...

Os trabalhadores estrangeiros são muito produtivos para o trabalho, melhorando a economia do país e vão para casa quando seus contratos estão chegando ao fim.

Os residentes estrangeiros, no entanto, tendem a trazer sua própria bagagem cultural e política com eles. Esses países já estão lutando para lidar com a modernização e reformas políticas/sociais, de modo que eles não precisam da "porcaria de ninguém" empilhada sobre si.

os "Idiotas do leste" estão muito felizes em ajudar...mesmo os trabalhadores estrangeiros podendo ser um fardo, como foi mostrado durante a Guerra do Golfo em 1991.

Trabalhadores palestinos e iemenitas foram expulsos de vários desses estados, porque seus governos saíram em apoio ao Iraque, ao contrário da política de seus governos, que era de acolhimento.

Com os trabalhadores estrangeiros, você pode simplesmente cancelar seus vistos e enviá-los para casa. Se você tem pessoas aceitas como imigrantes, você não pode deportá-los quando eles revelarem-se uma dor de cabeça.

O Japão tem sido severamente criticado por não levar requerentes aos asilos, especialmente muçulmanos, mesmo quase dobrando o número de refugiados que foram aceitos no ano passado -enquanto Arábia Saudita e Kuwait, apesar de sua enorme riqueza de petróleo - praticamente nada aceitou.

Enquanto o Japão gasta uma fortuna em ajuda externa para os países muçulmanos, eles não trazem pra si refugiados dessa mesma etnia, e por boas razões.

Fora mais de 5.000 aplicações de concessão, o Japão ainda tem de conceder asilo a um único sírio, presumivelmente porque ele não está em busca de assistência, mas é um batedor de carteira que matou e estuprou em seu tempo livre. Mas os sírios não estão relevando esse quadro.

Agora, imagine quando um país europeu, já em estado de calamidade, sem poder suportar um fluxo absurdo de imigração, fecha, para salvar sua própria gente (econômica e socialmente), as fronteiras por mais imigrantes que tenham recolhido, ainda sim a chamada "anistia internacional", "direitos humanos" e "esquerdófilos de plantão" são os primeiros a grasnar palavras de "vergonha", "racismo" e "preconceito"...tal como mostra a mídia internacional e nacional sobre a questão atualmente, basta uma simples navegada nos sites de busca e verá...- NT

Os Refugiados sírios e a "mão negra" da C.I.A

O êxodo de milhares de pessoas atravessa o Mediterrâneo  em barcos dilapidados, jangadas inseguras e rudimentares nos últimos dois meses começou a chegar da Turquia em todo o continente em um caminho marcado pelo desespero.


Migrantes forçados tem que atravessar até cinco países: Grécia, Macedônia, Sérvia, Hungria e Áustria para chegar à Alemanha. A grande maioria deles vindo da Síria, mas também são originalmente do Iraque, Eritreia e do Afeganistão. O fluxo é incessantemente chocante! Às vezes mortal. A afluência às ilhas do mar Egeu grego adjacentes à costa turca tem sido 327% maior do que em 2014, de acordo com dados da polícia na Grécia. No mês de julho, o número de imigrantes que cruzaram as fronteiras da União Europeia atingiu 107.500, triplicando o número do ano passado. Em junho foram 70.000 e é esperado em agosto, um novo recorde alarmante.

Mas, por que esse processo de migração tem acelerado? Por que não foi dada antes, meses atrás, por exemplo, na Primavera Árabe, uma vez que a guerra civil na Síria já completa cinco anos de idade? Que circunstâncias convergiram para esta catástrofe acontecer? Não é uma crise induzida a partir do exterior? O papel é desempenhado pela União Europeia? E os Estados Unidos?

Este caos migratório não é nada casual. É o resultado de um contexto de uma geopolítica muito específica. Vamos ver o que é...?

A Turquia é o lar de 1,9 milhões de refugiados sírios, dos 4 milhões que deixaram sua terra natal desde o conflito armado ter início em março de 2011. Desde então, o governo de Ancara gastou 4.000 milhões de dólares em suas necessidades básicas. Mais de 250.000 desses refugiados vivem em 23 campos mantidos pelas autoridades. O resto vive fora destas áreas, em comunidades que se estendem ao longo da fronteira turco-síria. 1,1 milhões de refugiados no Líbano, 629.000 na Jordânia, 249.000 no Iraque e 132.000 no Egito.

Até junho foi preferencialmente utilizada a rota marítima. Eles embarcaram na Líbia ou Tunísia e tentaram atravessar quilômetros de mar que os separa da ilha italiana de Lampedusa. Mas essa tendência mudou. Agora eles estão fugindo do horror e da fome e são capazes de chegar a Bodrum, na Turquia ocidental, e passar para Kos, no território da Grécia. Isto é, desfrutar de uma maior liberdade de movimento, graças às organizações criminosas que traficam pessoas e que agem em conluio com os guardas de fronteira e policiais corruptos.

O que aconteceu em julho? Bem, depois de meses de pressão dos Estados Unidos, a Turquia decidiu assumir um papel muito mais ativo na luta contra o Estado islâmico radical (ISIS) lutando contra o presidente sírio, Bashar Assad. Especificamente, ele concordou em o Pentágono usar uma base militar estratégica de Incirlik para bombardear objetivos jihadistas. No início de agosto havia seis F-16 USAF, da Força Aérea dos EUA implantados. Em julho, foram também as primeiras ofensivas aéreas próprias dos turcos que começaram a ver ameaçada a sua segurança e integridade territorial. Da mesma forma, a proximidade da luta de várias aldeias fronteiriças causaram novas ondas de refugiados.

Quem é diretamente responsável por essa migração incomum para a Europa? 

Alguns apontam para a CIA e seus controladores. A última palavra foi de um membro anônimo dos serviços de informações austríaco à uma revista do mesmo país que revelou que as organizações norte-americanas Direkt pagava a bandos de mafiosos para direcionar milhares de imigrantes em direção ao Velho Continente.

Sem revelar sua identidade, a publicação passou a palavra a um agente de Abwehramt (Abwa), o serviço de inteligência militar da Áustria, que explicou que os contrabandistas pediam em média, entre 7.000 e 14.000 euros para organizar viagens ilegais. Eles se preocupam pouco que por vezes isso acabe tragicamente, como demonstrado pelo fato de que, recentemente, um caminhão refrigerado com 70 corpos dentro foi abandonado em uma estrada na Áustria, onde foi encontrado.


"Temos indicações que mostram que as organizações norte-americanas criaram um sistema de co-financiamento e contribuição substancial para pagar as despesas de viagem. A maioria dos candidatos refugiados iria pagar 11.000 euros em espécie. Ninguém se pergunta de onde vem o dinheiro? ", disse o agente, para que a estratégia é inundar de imigrantes a Europa?

A CIA, que treina e armou os rebeldes sírios,  está acostumado a usar ONG´s de aparência inocente para realizar suas operações secretas ou clandestinas. O caso mais claro tem um nome: o National Endowment for Democracy (NED), nascido na era de Ronald Reagan e cujos tentáculos se estendem para a América Latina e Europa Oriental.

E qual tem sido a resposta da Europa? Lenta e desarticulada, como de costume

A União Europeia tem sempre olhado para o outro lado quando se refere à tragédia síria. E sua passividade foi outro gatilho. A crise de migração levou Alemanha e França a procura a entrada em vigor no mais rapidamente possível, um sistema europeu unificado de asilo, para restringir critérios de entrada; Itália e Grécia querem centros de refugiados imediatamente abertos; e eles afirmam que os outros países europeus, especialmente a Grã-Bretanha, assumem a sua parte de responsabilidade em acolher refugiados. A questão está longe da maturidade já que como os refugiados representam uma taxa que depende da capacidade de cada país, e que vários governos não gostam. A ideia certamente precisa de aprovação em um Conselho Europeu extraordinário que foi implicitamente chamado pela chanceler alemã Angela Merkel.

O desleixo social e cultural é também um "grande câncer" entre a população europeia desavisada e mal um "prato cheio" a mídia mal intencionada - NT:


A magnitude da crise migratória teve seu clímax em meados desse mês, quando a Macedônia declarou estado de emergência e fechou sua fronteira sul durante dois dias. A polícia e o exército usou armas de fogo para impedir a entrada de refugiados. A Sérvia, retornou a manter prisões de refugiados. Na Hungria, parte da área de Schengen (sem fronteiras internas) está concluindo uma cerca de 175 quilômetros ao longo da fronteira com a Sérvia e tem aumentado a xenofobia em vigor que, como na Alemanha, sofre a pior onda de racismo desde a reunificação em 1991.

Em estado de calamidade, a UE, sem se importar, propositalmente acaba tornando vítimas primeiramente as populações de países menores, como mostra a reportagem - NT:


Protestar e dar asilo político aos bôers da África do Sul ou do Zimbábue nenhum estado europeu quis ou se pronunciou sobre...-NT

10 comentários:

  1. caminhão

    refrigerado com 70 corpos dentro

    foi abandonado em uma estrada na

    Áustria

    OU SEJA ELES USAM APENAS ESSAS MASSAS PARA DESTRUIR O OESTE E SETENTRIÃO ESTÃO SE LIXANDO COM ESSES BUCHAS

    ResponderExcluir
  2. USAM AQUELAS IMAGENS COMOVENTES AOS TROUXAS COMO TROJAN ALIAS A QUANTIDADE DE CRIANÇAS QUE OS ADULTOS USAM COMO TROJAN É ALGO FORA DO COMUM PARECE O FILME TITANIC COM O BILI ZAYNE FINGINDO QUE A GURIA É FILHA DELE - ELES SABEM COMO LUDIBRIAR OS TROUXAS CRISTÃOS E FILHOTES DE BAIXA PATENTE COMUM QUE SÓ SERVE PRA PAGAR A CONTA E SER DESTRUIDO-GENOCIDADO ETC - PIOR ESSES IMBECIS DESTROEM TUDO E SOBRA PRA QUEM TEM ALGUMA SINAPSE QUE VAI JUNTO POR CULPA DESSES MERDOSOS

    ResponderExcluir
  3. meu deus, que texto mal escrito...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tradução com erro de digitação, já devidamente corrigidos.

      Excluir
    2. O seu texto está ótimo, Sr. NOSTRATORVM, e é bem verdade.

      Excluir
  4. http://lejournaldusiecle.com/2015/02/19/letat-islamique-planifie-linvasion-de-leurope-depuis-la-libye/
    http://www.quilliamfoundation.org/wp/wp-content/uploads/publications/free/libya-the-strategic-gateway-for-the-is.pdf

    O problema maior desses refugiados é o perigo de segurança que representam, visto que o plano do EI era justamente levar uma enxurrada de imigrantes para a Europa junto com uma leva de terroristas infiltrados prontos para receber a ordem para atacar.

    ResponderExcluir
  5. Faço uma correção, as únicas pessoas que ofereceram suas casas para refugiados na Islandia e Austria foram os próprios muçulmanos e ou alguns de esquerda que com isso pretendiam alimentar suas ONG'S.

    ResponderExcluir
  6. Arabia Saudia tem milhares de barracas com ar-condicionado que poderia(feitas pra mecca)receber milhoes de mulçumanos refugiado...pq eles nao ajuda seu irmaos mulçumanos? ?? Ao inves o reI das arabias oferece as paises Europeus q recebi mulçumanos $$ Dinhero para construir Moscas!!! Se vc Pergunta pq para mim eu te digo que eleeles taum eh querendo invadir a europa as poucos e Se multiplication como coelhos depois

    ResponderExcluir
  7. NÓS JA TEMOS BANDIDOS DE SOBRA, PODERIAMOS EXPORTAR TAMBEM !

    ResponderExcluir
  8. Já trabalhei no Golfo Pérsico (por mais de um ano). Eles só deixam entrar quem tiver qualificações e/ou experiência em falta para eles naquele momento. Quem não tem "sponsorship" - seja a trabalho/negócios, seja a lazer (no caso, a reserva do hotel é que serve como "sponsorship") - não entra mesmo, seja da nacionalidade que for. Refugiado dalí da volta mesmo é que não deixariam, pois eles já se vêem a braços com insurreições / conspirações internas para derrubar os governos, quase que constantemente. Vão deixar entrar levas de pessoas nas quais pode haver mais insurgente/terrorista infiltrado? Só se fossem burros como os europeus.

    ResponderExcluir

O Sentinela - Mídia dissidente brasileira

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...