sexta-feira, 12 de junho de 2015

Nimrod de Rosario, Sabedoria Hiperbórea e Geopolítica

Luis Felipe Moyano (Nimrod de Rosário)
Luis Felipe Moyano (1946-1996), mais conhecido como Nimrod de Rosario, foi um escritor argentino que estudou profunda e extensivamente a comparatividade de religiões, a espiritualidade e a mitologia ao longo da história; e deu desenvolvimento a uma Cosmologia gnóstica conhecida como Sabedoria Hiperborea. Ele é o autor de "El Misterio de Belicena Villca" (O Mistério de Belicena Villca), um romance místico-histórico, e dos dois volumes do tratado "Fundamentos de la Sabiduría Hiperbórea" (Fundamentos da Sabedoria Hiperbórea), um estudo complexo, incluindo muitos detalhes científicos, lidando muitas vezes com a Física e as correlações de tempo-espaço.

Ele também foi o fundador da sociedade esotérica secreta OCTRA (Orden de Caballeros Tirodal de la República Argentina -  Ordem Tirodal dos Cavaleiros da República Argentina, sendo "Tirodal" uma contração dos nomes das duas runas "Tyr" e " Odal "), e se correspondia com o conhecido escritor chileno Miguel Serrano (1917-2009). É dito por alguns dos seguidores Nimrod que Serrano tirou muitos de seus conceitos gnóstico-esotéricos dos escritos de Nimrod sem citá-lo, sendo este mais especialmente no caso do mais importante livro espiritual de Serrano; "Manú, por el Hombre que Vendra" ("Manu, para o Homem por vir", 1991), uma síntese de seus artigos que lidam com assuntos esotéricos.

visão de Nimrod de mundo é dualista e tem muitas semelhanças com correntes gnósticas tradicionais, como o maniqueísmo, o catarismo e neoplatonismo. Ele acreditava firmemente na existência de Atlântida, o continente perdido do qual duas raças diferentes migraram para o oeste após o cataclismo, estendendo duas doutrinas radicalmente opostas: um, os seguidores dos "Deuses libertadores" de Agharta (os "Siddhas leais" - em espanhol "Siddhas Leales"), erguendo os menires e etc nos tempos antigos, a fim de se comunicar com eles, e dominaram as artes da "Pedra Fria" (o mito do Graal como uma pedra conforme descrito entre outros por Otto Rahn - está relacionado com estes, por sinal); e os outros, chamados de "golens" (sic) por Nimrod, faziam parte da "Fraternidade Branca" ("La Fraternidad Blanca"), e adoraram a outro grupo de deuses, o chamado "Siddhas traidores" ("Siddhas Traidores") - este é o famoso Anunnaki da mitologia suméria, popularizado por Zecharia Sitchin e outros nos últimos tempos.

De acordo com Nimrod em seu romance "El Misterio de Belicena Villca", a história da humanidade é uma luta constante entre dois lados muito polarizados: Os seguidores do caminho da libertação espiritual, orientados para Agharta; e os lacaios da "Fraternidade Branca", os "golens"; orientados para Chang-Shamballah; Agharta e Shamballah não são lugares físicos (como alguns autores e pesquisadores sugeriram, em especial durante o século XIX), mas duas bases arquetípicas (entre divino e os poderes demoníacos), localizadas em outra dimensão.


Livro "O Mistério de Belicena Villca". Distribuído sempre sem fins lucrativos. Disponível em português na nossa biblioteca virtual

Ambos, "Agharta" e "Shamballah", são conceitos absolutamente diferentes e diametralmente opostos, mesmo que muitas pessoas mal informadas pensem que são análogos (Exatamente o mesmo acontece com a dicotomia "Lucifer" e "Satanás", e com "espírito" e "alma", como veremos mais adiante). O conceito simbólico-metafísico de Agharta é equivalente, por exemplo, ao Valhalla dos Países Nórdicos, ou para o Airyan Vaejah dos zoroastristas persas.


Para descrever esta guerra metafísica e eterna (refletida também no épico Mahabharata; Koravas vs. Pandavas), podemos citar, por exemplo: de um lado os ideólogos antigos, os guerreiros arianos (Kshatriyas), conquistadores e civilizadores (alguns faraós egípcios como Akhenaton, muitos filósofos gregos, os espartanos, os criadores do sistema indiano das castas, os construtores da sociedade romana, o império persa ou os posteriores godos), onde estavam presentes os adeptos dos "Siddhas leais" na Antiguidade; enquanto os fenícios, Cartagineses ou Hebreus entre outros, que praticavam um sistema utilitarista mercantilista de comércio, onde o mais importante era o lucro materialista; onde seus antagonistas ideológicos, espirituais e políticos, seguiam "shamballa", a "Fraternidade Branca", estavam presentes  os "golen", que tiveram o (a muito longo prazo) objetivo de impor um dia um governo mundial controlado por um pequeno número da plutocrática "escolhida": a "sinarquia".

A mentalidade materialista de "shamballa", do judaísmo talmúdico-farisaico e seu (ocidental) apêndice judaico-cristianismo (a partir da Sinagoga e do Vaticano às suas ferramentas modernas como a Maçonaria, o liberalismo e o marxismo, US-imperialismo e o sionismo) foram, de acordo com Nimrod, o principais obstáculos à luta espiritual de muitos indivíduos e movimentos ao longo da história, como os de Temujin (Genghis Khan) e Frederic Hohenstaufen no século XIII, e os gibelinos em uma seitas menores escala, como os cátaros, e em tempos mais recentes, o herói eurasiano, Barão Ungern Sternberg (1885-1921).

Nimrod menciona também a oposição entre os "sacerdotes" e os "guerreiros"; e entre o "culto" (ou "cultura") e a "sabedoria".

Siddhas leais, ou "atlantes brancos"

O que significa este "combate espiritual" em termos mais concretos? A luta contra o que ou quem? Para examinar isso, devemos mencionar sucintamente a gênese do nosso Universo e da humanidade de acordo com Nimrod (e seus antecessores gnósticos); e também dando um olhar mais atento para os mitos platônicos da caverna e sua interpretação.

Nosso universo material, o planeta Terra e o que ele contém, foram criados por uma entidade chamada Demiurgo; que quer ser adorado como o único e absoluto Deus. Mas esse ser não é perfeito e divino, é um plagiador, um enganador e um cruel déspota "pseudo- deus", que quer ser servido e adorado, que vê os seres humanos como seus escravos e que gosta de sacrifícios de sangue em sua honra. O verdadeiro Deus (o mesmo que o faraó Akhenaton chamava Aton,; pelo que também Savitri Devi referia-se) é muito (segundo Nimrod "El incognoscível", "aquele que não pode ser conhecido") superior e perfeito; e este não é o "deus deste mundo"; mas de um reino etéreo forte, que é completamente livre de fronteiras e espaço-tempo e que a perfeição não é possível conceber aqui (nem mesmo pelos Antigos, e, claro, menos ainda pelo homem racionalista moderno), ele é munido do Espírito Hiperbóreo, (que o Demiurgo usou como um modelo para criar o mundo corruptível material que se conhece) e só pode ser de alguma forma percebido por muito poucos (no Kali Yuga sempre cada vez menos são capazes, porque o tempo é um inimigo da liberação espiritual), em uma nostalgia mística que Nimrod chama de "El Recuerdo del Origen" ("A lembrança da Origem").

(Esta "Recordação da Origem" está fortemente relacionada simbolicamente ao Minnesingen da época medieval, onde o trovador idealizava sua lady - Isso é também conhecido como "amor platônico", mais falaremos sobre Platão posteriormente).

O que é a Origem? O Demiurgo quis criar um ser superior mais inteligente do que os outros animais e que será, portanto, capaz de organizar e colocar ordem em sua criação ("ser portador de sentido", - "capaz de dar um sentido", nas palavras Nimrod). Mas ele falhou muitas vezes fazendo isso, por causa de suas próprias imperfeições. Então, ele desenvolveu um estratagema traiçoeiro para trazer para a Terra (à sua densa criação material) os espíritos dos perfeitos, os Deuses "ou siddhas", desde o forte reino, e aprisiona-os as criaturas hominídeas animalescas (que eram o mais perfeitos seres que ele foi capaz de criar por si mesmo), de modo que estas criaturas poderiam finalmente evoluir para colocar ordem na sua criação e adorá-lo. Assim, a "Origem" é o "reino forte", "Hiperbórea", a natureza divina espiritual no ser humano, o que nos torna diferentes dos animais. Este mito também está presente em algumas (nos últimos tempos muito popularizado) teorias como a que afirma que os seres humanos são um produto de manipulação genética dos Anunnakis, dos extraterrestres e assim por diante. Vemos, portanto, que "Espírito" é algo diferente do "Alma" (como vimos antes com "Agharta e Shamballah"); alma é "anímica", é o que os animais têm para serem capazes de viver, e o que o hominídeo bestial demiúrgico o tinha. Mas com apenas uma alma, o hominídeo (chamado Pasu) não foi capaz de formar sociedades complexas (e, obviamente, nem civilizações), apenas comunidades pouco animalescas; eles não poderiam organizar a criação e adorar seu "mestre". Assim, o Demiurgo tinha de "roubar" o espírito dos planos divinos e etéreos "aprisionando-os em seu imperfeito mundo corruptível.

Ele fez por trazer os siddhas imortais a procriar com a fêmea do hominídeo. Alguns desses siddhas, "os traiçoeiros", fizeram um pacto com o Demiurgo para ajudá-lo a escravizar os seres humanos. Outros, "os siddhas leais" (leais a Origem), preferiram o lado dos seres humanos, e ajudá-los a encontrar libertação espiritual. Isto também está presente na maioria das mitologias do mundo antigo (e até mesmo na Bíblia, com os Nephilim): os deuses que procriaram com os seres humanos, dando origem a híbridos referidos como o "Viryas": "Semi-deuses", "Titãs" , "Gigantes" ou "Heróis". (Hércules, para os gregos, por exemplo). Além disso, é interessante destacar a analogia com a antropologia: O Neanderthal pode ser visto como o hominídeo demiúrgico, enquanto o Cromagnon é o humano moderno (a mistura entre Neanderthal e uma "desconhecida raça perdida"). Não existe um "elo perdido" entre eles.

Então, nós temos tanto, uma alma perecível animalesca, quanto um espírito eterno divino (duas coisas diferentes).

O dualismo surgiu com o encadeamento do divino no Espírito demiúrgico da Matéria.

De acordo com os escritos de Nimrod, existem três tipos de homens, dependendo de seu grau de espiritualidade e sabedoria: o Pasu ("hominídeo"), o virya ("herói"), e o siddha ("divino"). A maioria de nós são "viryas em potencial", e há dois tipos de "virya"; o virya adormecido ("virya dormido") e o desperto ("virya despierto"). A um despertar está à procura da "El Retorno al origen"; o adormecido (a maioria deles) ainda não sabe sobre sua Origem. Os siddhas (muito poucos, e com o progresso do Kali Yuga sempre cada vez menos) já teem encontrado este "Retorno a Origem; se eles voltarem ao nosso mundo, é para ajudar a humanidade na luta pela libertação espiritual, eles vêm como um Avatar (o que os budistas chamam de boddhisattva, e que no Tibete é conhecido como um tulku).

No Ocidente, a visão de judaico-cristã da vida após a morte é obviamente materialista e contratual: se você seguir as ordens de "Deus" (o Demiurgo) você será recompensado e irá para "Céu"; se você não fizer isso, você será punido com o "Inferno" ... (Os gnósticos, a propósito, acreditam que este mundo material é o "inferno"). Mas a maioria das religiões organizadas e escolas de pensamento do Oriente, são seguidoras da "Fraternidade Branca de Chang Shamballah", e, portanto, são demiúrgicas também. Eles olham para Samadhi ou a fusão panteísta como a criação do criador, com o "Cosmos", nas suas meditações ou exercícios rituais (este tende ser extremamente difundido no Ocidente "graças" a esta paródia grotesca da espiritualidade conhecido como "nova era"). Mas os seguidores de Agharta, os lutadores espirituais, querem experimentar o oposto, Kaivalya, o que significa separação completa (e independência) desde a criação "demoníaca e corrompida" e, posteriormente, o "Retorno a origem". Voltar para o Kaivalya (a libertação completa da "matrix") neste término do Kali Yuga, são muito poucos as sociedades fechadas esotéricas ou indivíduos; como os kaulikas da Índia, uma seita tântrica, ou os antigos membros da dissolvida OCTRA que seguem as Vama-marga ou mão esquerda do caminho (descrito por Evola e outros). Assim, como "Kaivalya vs. Samadhi", vemos novamente uma outra dicotomia como o já mencionado "Agharta vs. Shamballah" ou "Espírito vs. Alma".

Jeová-Satanás (Baphomet)
Em relação a "Lúcifer" e "Satanás", isso também são conceitos completamente opostos que muitas pessoas tendem a ver como sinônimos e usam para confundir como se fossem a mesma coisa. O arquétipo "Lúcifer" (ou Prometheus) é visto no gnosticismo como um libertador que ajuda o virya em seu "retorno à origem"; e no Kcristianismo esotérico descrito por Nimrod, Serrano e outros, "Kristus-Lúcifer" é um enviado do "Aquele que não pode ser conhecido", um Avatar, que ajuda os viryas em sua rebelião contra a tirania do Demiurgo (Satã), o escravizador do Espírito neste mundo material de loucura. Porque, na realidade, de acordo com os gnósticos, este despótico, cruel e sanguinário "deus" é realmente aquele que é Satanás; e não Lúcifer - sendo este um exemplo prototípico da distorção da regra do engano na criação cultural. O Demiurgo ("o primeiro e único") tem muitos nomes: Jehova-Yahwe-Enlil-Moloch-Brahma... Um deles é também Saturno (cognato de Sat-ã), o deus canibal que devora seus filhos, e também é conhecida como Chronos (o Tempo). Porque, como nesta alegoria mitológica, este mundo é governado por uma cadeia alimentar: cada ser vivo come outro ser vivo... e os seres humanos não são os últimos nesta cadeia, podemos estar no topo da pirâmide visível e material "do sistema, mas as nossas energias vitais sutis também são" devorados "(através de uma morte violenta  e e sangrenta - com assassinatos rituais, massacres, etc; ou até mesmo durante a nossa vida: através de doença, dor, ansiedade, medo, todos os tipos de sofrimentos, etc... ); eles servem para alimentar uma entidade demoníaca (o Demiurgo parasita necessita desta, a fim de sobreviver a si mesmo, porque ele é "um vampiro"). O Antigo Testamento está cheio de exemplos de sacrifícios sangrentos e assassinatos rituais para agradar a "deus".

E esta criação (que é acorrentada ao tempo e espaço) em si devora uma e outra vez em um processo cíclico, que os hindus chamam de Yugas, kalpas e manvantaras. Um ciclo de criação é, de acordo com o hinduísmo, uma "respiração de Brahma" (aqui vemos novamente o Demiurgo). Após a expiração de Brahma há o período da Grande Dissolução (a Mahâpralaya) e mais tarde, tudo começa novamente a partir do início (com uma nova inalação de Brahma). O objetivo do virya desperto é escapar desse ciclo; para alcançar "A Origem", que está além do tempo e do espaço, e, portanto, para além da morte.

Pacto de Sangue
Entre esta distorções conceitual muito típica e comum, feita por religiões organizadas pela criação cultural, a sinarquia e a nova era, temos também de referir a questão dos Templários. Muitas pessoas tem hoje uma percepção errada sobre essa sociedade medieval, que tem sido "romantizada" por livros modernos e filmes. Mas, como Nimrod amplamente documentou em "Belicena Villca", os Templários não eram cavaleiros heroicos injustamente oprimidos e reprimidos pela Igreja Católica; mas uma rede muito sinistra de agentes Sinárquicos, controlada pelos "golen", que trabalharam a fim de estabelecer (através do Vaticano de onde os Templários tinham o braço armado) uma "Nova Ordem Mundial" já nos tempos medievais, e estavam realmente muito perto de seu objetivo. Sua conspiração para conseguir o "governo mundial" só poderia ser derrotada graças a uma surpresa sobre eles (a partir de dentro da estrutura de poder) fruto da aliança do então rei da França, Filipe IV (que era um Guibelino, que teve muitos conflitos com o ex-Papa Bonifácio VII) com o Papa aliado, Clemente V, que Nimrod reivindica, ser um iniciado nas antigas doutrinas da "Sabedoria Hiperbórea". Então, os Templários foram uma sociedade má; eles foram os antecessores dos cartéis bancários atuais e de lojas maçônicas modernas  e globalistas. Os sacrifícios de sangue e perversões degeneradas que foram acusados ​​ainda estão sendo ritualisticamente cometidas hoje por seus sucessores, os maçons de alto escalão no topo do poder financeiro e político.

A alegoria da caverna de Platão pode ser facilmente analisada ​​e interpretada de acordo com a cosmovisão gnóstica aqui exposta. Conta a história de alguns homens acorrentados na profundidade de uma caverna; tudo o que vê são as sombras de algumas figuras que seus guardiões estão carregando. Um dia, um dos prisioneiros consegue escapar da caverna, chega ao lado de fora e, no início, sente o desconforto pela luz do Sol. Em seguida, ele vê muitas coisas maravilhosas, impossíveis para ele de imaginar antes, e finalmente entende a verdade sobre seu cativeiro (ele nem sequer sabia que ele era um prisioneiro). Depois de algum tempo, ele retorna à caverna para visitar seus companheiros ainda presos, fala com eles sobre o fabuloso mundo exterior, ele acaba de descobrir, diz-lhes que esta figura que vê refletida na parede não são reais, mas apenas sombras, ilusões ( maya), e explica a realidade de sua prisão. Como era de esperar, eles não acreditam nele, e eles acharam que por ele ter saido da caverna estava absolutamente louco. Neste mundo material (a "matrix"), os prisioneiros são os viryas adormecidos, os guardiães são os servos do Demiurgo (os sinárquicos); e as sombras projetadas na parede são as ilusões, as mentiras que os "prisioneiros" (as massas) dogmaticamente acreditam. O único que escapa da caverna para o exterior (para o "Origem"), longe do "olho que tudo vê é um siddha retornado que retorna à caverna para trazer a Luz e a mensagem da Verdade (como um avatar), mas os outros prisioneiros (que representam as massas) não acreditam nele.

Vimos as dicotomias gnósticas elucidadas por Nimrod e seus predecessores e como a Sinárquia (a fim de alcançar um governo mundial de escravização total) está sempre tentando enganar e confundir-nos.


Os Viryas despertos lideram a batalha contra as forças da matéria

Este dualismo cósmico ("Agharta vs Shamballah", etc.) também pode ser extrapolado em nosso mundo tangível; em Geopolítica. Como visto acima, existem, desde o início da civilização, duas visões de mundo completamente opostas: O telurocráticos (potência da terra firme) e os talassocráticos (poder da Sé).

A Geopolítica Telurocrática, desenvolvida entre outros por Karl Haushofer (1869-1946), suporta a auto-suficiência (autarquia) e para a integração (não a fusão!) de grandes espaços em blocos continentais autônomos. A teoria de Eurasianismo é, obviamente, um telurocrática; e também o que propõs o líder argentino Juan Domingo Perón em seus dias na América Latina, ou Gamal Abdel Nasser para o mundo árabe. Historicamente, podemos citar como exemplos o Império de Alexandre o Grande, o Império Romano, ou, mais recentemente, os impérios Central da Europa (Alemanha, Áustria-Hungria, e também a Rússia czarista) aniquilados após a Primeira Guerra Mundial. A Telurocracia é, portanto, uma cosmovisão multipolar, porque diz que o mundo deveria ser organizado em diferentes blocos de poder político, social e econômico; de acordo com a diferente idiossincrasia dos povos. Porque todos os povos são diferentes; eles têm diferentes etnias, diferentes mentalidades e religiões diferentes. E todos eles têm o direito de preservar estas diferenças, para conservar o seu patrimônio.

 A Talassocracia, por outro lado, se volta ao comércio, negócio, mercantilismo e importação-exportação, em vez de auto-suficiência. Isto é muito suscetível a se degenerar de comércio honesto em cobiça, materialismo áspero, e Mamonismo. E nos tempos modernos isto levou à criação de dinheiro do nada, a usura e exploração, incentivando o parasitismo (Usura é vampírico - e, portanto, demiúrgico - ele suga o sangue e as riquezas das nações). O atual processo de globalização é claramente uma talassocracia. O objetivo final desta ideologia geopoliticamente representada pela talassocracia (a muito longo prazo), para o qual o Sinarquia tem sido secretamente (E hoje mesmo abertamente) voltada a trabalhar durante muitos séculos, quer estabelecer um "Governo Mundial"; a chamada "Nova Ordem Mundial". Os ideólogos da N.W.O pregam que somos todos "iguais" (para suprimir as diferenças que nos enriquecem, e para ser capaz de nos manipular melhor), e inventaram a chamada "democracia" e "direitos humanos". E em nome destes "direitos humanos", e em nome da "liberdade", que estão constantemente em guerra contra exatamente essa nações (oh, coincidência!) que querem preservar sua autonomia política, cultural e econômica, que não quer desistir de sua soberania e não se rende aos arquitetos desse pesadelo distópico chamado de "globalização". Este processo mamonístico que já começou com os fenícios e os Cartagineses (comerciantes e piratas) na Antiguidade, passando também pelo imperialismo e o colonialismo britânico e francês; e hoje, obviamente, representado pelo USA em sua politica unipolar e o sionismo internacional.


Sionismo - US.A (Aliados)

ONU-OTAN

Portanto, podemos ver que existe um óbvio paralelismo entre a ideia de globalista (Um governo mundial) e o demiurgo (de um "único Deus". Este é o "deus" na nota do dólar), os arquitetos e os ideólogos da N.W.O (a Sinarquia, ou seja, os adoradores do Demiurgo) constantemente nos dizem que não há outra forma possível de governo se não o democrático. Este é o único que pode nos trazer "liberdade" e  nossos "direitos humanos". Ele pode ter alguns defeitos, eles reconhecem, às vezes, mas é definitivamente um dos melhores, se não a único, e mais cedo ou mais tarde, todos as restantes "ditaduras" (isto é, os países que ainda resistem ao processo globalista) vão cair sobre uma república mundial (um sonho de marxistas, assim como os liberais; o comunismo e o capitalismo sendo dois lados da mesma "moeda" - o dinheiro é internacionalista) e será estabelecido. O que eles "esquecem" de nos dizer, no entanto, é de quem vai governar este "paraíso global" e como. Será uma tirania mundial por um plutocrática da "elite", onde um número muito pequeno de pessoas teriam poder absoluto e o resto de nós seriam escravos... e sem conhecê-los (como os prisioneiros de Platão na caverna), porque a maioria dos mais-escravizados vai acreditar que eles vivem "na democracia"... mas vivem realmente no "inferno na terra".


Este foi e é, como mencionado acima, um processo de muito longo prazo (que acelera e intensifica com o avanço do Kali Yuga). É como o famoso conto do sapo cozido. Se você colocá-lo em uma panela com água fervente, ela vai saltar imediatamente para fora e salvar a si mesmo, mas se você colocá-lo na panela quando a água esta apenas morna e você aumentar gradualmente o calor, ele vai ser cozido lentamente antes de percebe, e explodir. Exatamente o mesmo que aconteceu conosco; eles nos uma fazem uma lavagem cerebral, pouco a pouco com os dogmas enganosos e subversivos do mundo moderno. Nós fomos educados para ser escravos dentro da Matrix demiúrgica e a maioria das pessoas modernas ocidentais (principalmente) são até mesmo "escravos felizes".


Fonte: www.geopolitica.ru

Artigo disponível em: Cultura & Sociedade

15 comentários:

  1. Se muitas divindades iradas são horrendas e os hindus e budistas a veneram, então estes foram os querubins que dominaram a corrente espiritual das religiões hiperbóreas ou o pouco que havia nelas? Quem são as divindades iradas? exemplo mahakala e o buda gordinho e feliz; Daikokuten; Rāgarāja ; Acala Vidyārāja, etc
    Como identificar os leais do traidores?

    ResponderExcluir
  2. Querido autor, creio que encontrei um tópico seu em um IB anônimo brasileiro. Quero que me confirmes, pois me interessei em você. Caso sejas o anônimo que criou o tópico, me diga. Caso não seja, apenas ignore esta mensagem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, camarada.

      Creio que a resposta é negativa meu caro. Podem ter trazido copiado do site, porém, não postei.

      Excluir
  3. ADORO SEU SITE!COMBATE O COMUNISMO JUDEU DO JUDEU MARX, E O CAPITALISMO JUDEU DO JUDEU ROTCHILD! SUCESSO! MUITO BOM E OBRIGADO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só temos a agradecer por termos um retorno tão bom de nossos leitores.

      Excluir
    2. Grande, excelente, agora que vi que politicamente o que vocês defendem concordo, vou com mais sede ao pote ler o Nimrod. Obrigado!

      Excluir
  4. E o que acontece quando nos libertarmos desta inferno-prisão deste universo impuro e material, ou como dizem os budistas da Roda de Samsara,vamos para um Universo paralelo e totalmente imaterial ou deixamos de existir por completo e jamais retornaremos aos mundos ilusórios do espaço-tempo demiurgicos? Tenho esse dúvida, se alguém puder tirar ela pra min eu agradeço,mas faz muito sentido tudos estes conceitos e teorias dos heperbóreos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sobre a óptica do autor, recomendamos suas obras. A obra geral está disponível para download no site na área "biblioteca", O Mistério de Belicena Villca, Felipe Moyano (Nimrod de Rosário). Tradução livre de OCTRA.

      Excluir

  5. O que se viu, na crucificação de Jesus Cristo, no massacre dos cristãos, https://www.youtube.com/watch?v=o2QqsUQYFeI na Revolução Francesa, no Genocídio Paraguaio em 1869, na guerra dos Boers, no extermínio da monarquia russa, nas duas guerras contra a Alemanha, https://www.youtube.com/watch?v=QkNyC12CC-s no Genocídio japonês, no massacre e pilhagem iraquiano, líbio e agora sírio ... rumo à Rússia... segue a mesma cartilha apontada por Orwell em 1984: Paz é guerra; desinformação é a Força; Liberdade é escravidão.
    https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/564x/a2/49/d5/a249d5a03fea0d04bfab3877158c2a87.jpg

    Maiores detalhes; https://quenosocultan.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  6. Olá qual o significado da última foto com a mão erguida apenas os três dedos e baixado o minguinho e o anelar. Já vi algumas outras pessoas fazendo o que significa?
    Obrigado!

    ResponderExcluir
  7. O que significa o simbolo com uma só das mãos alevantadas e o dedo minguinho e anelar dobrado como se fosse acenar, mas com esses dois dobrados como da foto dos soldados acima.
    Obrigado! Caro administrador do site!

    ResponderExcluir
  8. Criei um grupo para debates do facebook:

    "pacto de sangue ou cultural?"

    Quem se interessar, me chame! Enzo Pukka

    ResponderExcluir
  9. https://www.facebook.com/groups/108792559652922/?fref=ts

    ResponderExcluir
  10. Apesar de eu já ter o livro em pdf br.. vocês sabem onde posso comprar o livro ''O Mistério de Belicena Villca'' em português BR???? agradeço desde já.

    ResponderExcluir
  11. "Eu não sei o caminho para derrotar os outros, mas a maneira de me derrotar." (Hagakure)

    ResponderExcluir

O Sentinela - Mídia dissidente brasileira

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...