sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Estorva aos "brancos" e as raças do mundo?


Por: Traian Romanescu (1)

“Recordemos o dito em 12 de Janeiro de 1952 pelo Rabino da Hungria em Budapeste, diante do Conselho de Emergência dos Rabinos Europeus:

“Posso reafirmar com certeza que já nasceu a última geração de crianças brancas. Entre as tarefas de nossas comissões de controle está inclusa aquela de liquidar os preconceitos raciais, forçando os brancos a não se casar entre eles, a mulher branca será obrigada a se casar com homens das raças escuras e o homem branco a se casar com negras. Então a raça branca desaparecerá, já que a mistura de raças significa o fim do homem branco e nosso inimigo mais perigoso ficará unicamente em nossa recordação.”

“Fundaremos nosso reino de 1000 anos de riqueza (Pax Judaica) e nossa raça reinará incontestavelmente no Universo inteiro. Nossa inteligência será capaz e hábil onde quer que seja de dominar as raças de cor.”

“Todas as invenções científicas do Homem branco foram usadas contra ele mesmo. Sua imprensa e rádio difundem nossos desejos, e os produtos de sua indústria pesada, como as armas e outros materiais bélicos foram usadas contra ele.

A Sionista Sara Specter (lembrem desse nome), disseminando seu veneno sobre as mentes fracas dos suecos.

“Nós conservaremos os ritos e os costumes judaicos como um privilégio e fortalecimento de nossa classe dominante, e o mesmo para a lei de nossa raça. A nenhum judeu será permitido se casar fora de nossa comunidade e também não aceitaremos estrangeiro algum.”

“Dentre muitos dos nossos interesses em Washington está o de aumentar consideravelmente o programa de quatro pontos para o desenvolvimento industrial dos países do Terceiro Mundo e fazê-lo necessário para que depois os brancos não sejam capazes de fazer resistência às imensas massas de homens de cor, que então terão também a superioridade técnica e industrial, por isso temos que promover o desarmamento dos civis brancos e promover uma imigração em massa de elementos de cor para as nações brancas”.

Os judeus não são um povo criador de valores espirituais ou de civilização no sentido certo do termo. O que eles criaram é a religião; mas em artes, ciências, literatura, especularam e tiraram proveito sempre com idéias roubadas de outros. (eles sim (os judeus), sabem que a raça é o pilar principal para “domínio” nobre).



"Enriquecimento cultural"... na vida real

Não criaram civilizações mas destroçaram tudo o que puderam de civilizações criadas por outros. Eles foram o germe destruidor da Civilização greco-romana, como antes tinham roído as civilizações egípcia, babilônica e assíria e agora são o germe corrosivo de nossa civilização cristã ocidental, contra a qual já atacaram Portugal, Espanha, França, América e todo o mundo. O ataque sistemático contra os valores espirituais, morais e materiais dos povos, é o que provocou os “pogroms” (pogrom é uma forma de riot/rally (manifestação massiva) direcionada contra um grupo em especial, seja étnico, religioso, ou outro, e caracterizado pelo destroçamento e destruição de suas casas e lares, lojas e demais negócios, e centros religiosos), as expulsões em massa e não é por que “invejamos” os cristãos (mal podemos invejar sua habilidade para adulterar, furtar e enganar) como eles dizem. Toda ação gera tarde ou cedo uma reação.



Mais de 100 milhões de homens morreram neste século, principalmente nos campos de batalha, por obra da conspiração sionista e anti-nacional (e racial) dos judeus. Para o desaparecimento de cada homem jovem, correspondeu ao desaparecimento de uma família em potencial. A isso têm como conseqüência que agora tenhamos déficit de natalidade.

Na Rússia, quem melhor ajudou os judeus em sua tarefa de extermínio foram os mongóis, quem também têm “motivo” de ressentimento para com os brancos.

Na América no trabalho de conspiração atual, os judeus utilizam os pretos e os indígenas, “os intelectuais”, os homossexuais, as mulheres viris, os pseudo-marxistas, todos os que guardam rancor para com a Sociedade.

O movimento “pró-libertação” dos homens de cor, está liderado de Nova York e Moscou por judeus e maçons (que quando já não sejam necessários morrerão sob as balas dos negros incitados) e por comunistas.

As matanças de brancos, quando o rancor se alia à impunidade, foram horríveis o mesmo na Indonésia e na Índia, no Egito, no Marrocos, no Irã, Iraque, Congo, Rodésia e África do Sul, porque em todas as partes é a mesma mão a qual dirige a ação.



E é a mesma voz a que grita contra o “imperialismo” e incita a outros para que gritem também, embora jamais falam precisa e claramente sobre o imperialismo soviético.

Fase suprema da organização das raças de cor contra os brancos, foi a conferência afro-asiática de Bandung em Abril de 1955, com a participação da China Vermelha e da URSS. Ali foi proclamado a luta contra o “imperialismo” e o “colonialismo”, sob o patrocínio dos maçons-comunistas Nehrú, Sukarno, Krísna-Menonn e companhia. A luta não foi designada para libertar polacos, bálticos, alemães orientais, croatas, sérvios, húngaros, romenos e restantes povos brancos, mas para incitar pretos e amarelos contra o inimigo comum.

Os europeus civilizaram, resgataram e ensinaram a viver como seres humanos os negros; varreram o conceito de tribo para criar a entidade país, os livraram dos sacrifícios humanos, dos pequenos reis usurpadores e dos males da mísera condição na qual se encontrava a África antes da colonização, e agora que as nações africanas são independentes, voltou a guerra civil e a fome.

Para a conferência de Bandung foram essas “vítimas do imperialismo” falando em espanhol, inglês, francês, português, só para insultar a Espanha, a Inglaterra, a França e Portugal. Muitos dos que ali estiveram aprenderam em Universidades europeias.

Esses pretos ou amarelos fazem o jogo de quem não têm razão para lhes amar. Em suas selvas desumanas abre caminho o judaísmo-marxismo.

Agora os judeus “industrializam” esses povos “libertados” antes de fazer razoável e produtiva sua agricultura, para enganá-los com uma aparente prosperidade e com os fins que já expressou o rabino da Hungria, como uma cabeça de aríete (antiga máquina de guerra para abater muralhas) contra os povos brancos.

Ao mesmo tempo, se recorda o “passado”, fala-se de “civilizações pré-colombianas”, colocando-as à influência do europeu para negar os méritos da civilização ocidental.

A Espanha os livrou do canibalismo e da divisão tribal e assentou as bases para a criação de um novo estado/raça.

Levam aos museus europeus essas amostras “magníficas” destruídas pelo malvado homem branco, propiciam a difusão do “tam-tam” africano e dos costumes sexuais não-normais.

Outro tanto ocorre na Literatura, poesia, pintura e teatro, que tantas aberrações viram nascer. Fazem aparecer como inadequados Cervantes, Shakespeare, Dante, Velásquez e o Grego e o Romano e a todos os artistas brancos que criaram a arte estética impregnado de nobreza e imortalidade.

A raça branca, único escudo que poderia defender os povos de cor da dominação desumana do comunismo, está sendo “roída” com a ajuda inconsciente do povo de cor.

A luta contra os brancos tomou proporções maiores nos Estados Unidos e na África do Sul, sempre foram judeus os promovedores e incitadores do ódio inter-racial.

Nos Estados Unidos, quer e persegue a todo preço o sionismo, a mistura de brancos com pretos e asiáticos para debilitar a maioria anglo-saxã sem beneficiar em nada o preto.

A propaganda nesse sentido é tática e tenaz, por todos os meios possíveis, desde o livro até o cinema. Para obter este resultado, se chegou à provocação, ao motim, ao pizero armado, com pretexto de que os negros são humilhados e maltratados.

O programa de integração saiu dos Estados do Norte, onde a influência judaica-maçônica é maior. Nos Estados do Sul, há legislação específica que dá direito de manter escolas para brancos e para pretos, como meio de evitar rinhas entre crianças de diferentes raças. Os judeus maquinaram suas trampas, porque isso não lhes convinha, para fazer efetiva a integração no Sul, o que conseguiram por lei mais não na prática, foi o envio de tropas para forçar a integração, algo nunca visto na Federação Americana. Isto provocou uma grande luta e uma perda de prestígio internacional para os norte-americanos. A massa negra de tudo isso também é vítima.”

Traição ao Ocidente

 México 1961.

Nota:

(1) - Professor da Universidade de Bucareste, Romênia, exilado no Ocidente.

Veja Também:

Tema Racial - O Tema Tabu!

Nacional-Socialismo ou White Power?

O Marxismo Cultural

Fonte:

9 comentários:

  1. Excelente artigo camarada! As foros são perturbadoras... UNIÃO entre arianos urgente!

    Saudações!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. União mesmo!! Só de ver aquelas pessoas ali com carteira de trabalho na mão dá vontade de vomitar. São tudo "coitadinhos"... repudio essa gente aí. Bando de vagabundos que não conseguem nem cuidar do próprio país.

      Excluir
  2. DISCORDO DE QUE NEGROS SÃO VITIMAS DOS JUDEUS; O SUB-CORTEX JUDEU NASCE DO POS-ROTAS VIA GENS NEGROS EM EX-MEDS SANOIDIZANTES

    ResponderExcluir
  3. Por quanto tempo vão continuar fingindo que os negros são vítimas?? Nunca foram!

    Na verdade, salvo raríssimas exceções, são desordeiros, desorganizados por natureza, detestam sua própria raça, não gostam de trabalhar (ao contrário querem pegar o que alguém conquistou) e quando conseguem um dinheirinho a mais correm para comprar a mulher mais branca que ele puder.
    Sim, eles são racistas, preguiçosos, desorganizados, etc.

    ResponderExcluir
  4. O negro já é invejoso, ressentido e ignorante por natureza. Já o judeu além de ser invejoso e infeliz, ele ainda possui poder $$$$$$$$ para jogar os negrinhos imundos contra nós através de engenharia social e luta de classes. O negro é inferior ao branco mesmo e ponto final.

    ResponderExcluir
  5. Os judeus possuem uma forma completamente diferente de pensar do homem branco ocidental. Por isso que esses narigudos deformados querem a todo custo que nós(brancos) sejamos obrigados a aceitar como "normal" miscigenação racial, leis para proteger criminosos. O judeu possui a alma feminina, ele não é viril e másculo como o homem ocidental. É na verdade um fraco, um perdedor que adora se interferir aonde não é chamado. O judeu é um câncer para o mundo.

    ResponderExcluir
  6. O Julius Évola dizia que depois da Segunda Guerra Mundial era bobagem defender a raça branca, pois quem venceu a guerra foram os narigudos deformados(judeus) e o mundo a partir dali seria "judaizado" completamente. A forma das pessoas pensarem, comportamento, cultura, subversão. O mundo ocidental estava em ruínas, e os judeus apareceram como "mártires", ou melhor dizendo como "vítimas" que na concepção dos mais idiotas mereciam ser defendidos e levados a sério. Depois da morte do Führer a judiaria mundial dominou completamente tudo.

    ResponderExcluir
  7. Segundo informações aquele movimento fajuto do BLACK LIVES MATTERS recebeu um investimento inestimável no valor de $ 35.000.00 milhões de dólares do senhor GEORGE SOROS (JUDEUZINHO DE BUNDA).

    ResponderExcluir
  8. Desse jeito tá dificil, não salva ninguem, não importa a cor, a raça, nada... o ser humano é um ser inferior, resultado de uma engenharia genetica auto-destrutiva...

    ResponderExcluir

O Sentinela - Mídia dissidente brasileira

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...