Pular para o conteúdo principal

Nietzsche e Nacional-Socialismo

 Por Alfred Bäeumler

Nietzsche e o Nacional-Socialismo se situam do outro lado das tradições da burguesia alemã. O que isso significa?

As forças espirituais que formaram a burguesia alemã nos últimos vários séculos foram o pietismo, o iluminismo e o romantismo. O pietismo foi o último movimento religioso realmente revolucionário em solo luterano. Ele liderou homens de uma realidade política desesperançosa de volta para seus próprios egos e os reuniu em pequenos círculos privados. Foi um individualismo religioso que fortaleceu a inclinação em direção à preocupação com o ego, em direção à análise psicológica e ao exame biográfico. Cada tendência apolítica alógena necessariamente tinha que encontrar apoio e sustento na Alemanha pietista.

O individualismo totalmente diferente do Iluminismo também trabalhava nessa direção. Esse individualismo não era de caráter religioso-sentimental. Ele acreditava na razão, era racional, mas era "político" somente em negar o sistema feudal; era incapaz de erguer um sistema político duradouro por conta própria e só era capaz de romper o caminho para o sistema econômico do capitalismo. O homem era visto como uma entidade totalmente individual, apartado de todas as ordens e relações originais, uma pessoa fictícia responsável apenas para consigo.

Em contraste, o romantismo viu o homem novamente à luz de seus laços naturais e históricos. O romantismo abriu nossos olhos para a noite, para o passado, nossos ancestrais, para o mito e para o Volk. O movimento que levou de Herder a Goerres, aos irmãos Grimm, Eichendorff, Arnim e Savigny, é o único movimento espiritual que ainda está completamente vivo. É o único movimento com o qual Nietzsche teve que lutar.

Quando chamamos o Nacional-Socialismo de uma cosmovisão nós queremos dizer que não só os partidos burgueses, mas também suas ideologias foram aniquiladas. Apenas pessoas má intencionadas poderiam sustentar que tudo que foi criado pelo passado deve agora ser negado. Ao invés, nós queremos dizer que entramos em um novo relacionamento com nosso passado, que nossa visão foi limpa para o que era realmente forçoso nesse passado mas que havia sido nublado pela ideologia burguesa. Em uma palavra, nós descobrimos novas possibilidades para entender a essência da existência alemã. Precisamente nisso Nietzsche nos precedeu. Nós sustentamos uma visão do romantismo que é diferente da sua. Mas sua posse mais pessoal e solitária, a negação da ideologia burguesa como um todo, se tornou hoje a propriedade de uma geração.

As bases da moralidade cristã - individualismo religioso, uma consciência culpada, fraqueza, preocupação com a salvação eterna da alma - são todas absolutamente estranhas a Nietzsche. Ele se revolta contra o conceito de arrependimento: "Eu não gosto desse tipo de covardia em relação a própria ação; não se deve deixar a si mesmo cambaleante perante o ataque da desgraça ou vexação inesperada. Ao invés, um orgulho extremo é necessário aqui. Pois, finalmente, de que serve! Nenhum feito pode ser desfeito pelo arrependimento".

O que ele quer dizer aqui não é uma redução da responsabilidade, mas sim sua intensificação. Aqui fala o homem que sabe o quanto e coragem, o quanto de orgulho, é necessário para se manter face o Destino. A partir de seu amor fati Nietzsche falou com desprezo sobre o Cristianismo com sua "perspectiva de salvação". Como um homem nórdico ele jamais compreendeu por qual propósito ele deveria ser "redimido". A religião mediterrânea da salvação é alienígena e muito distante de sua atitude nórdica. Ele só pode compreender o homem como um guerreiro contra o Destino. Um modo de pensamento que vê luta e trabalho somente como penitência lhe parece incompreensível. "Nossa vida real é uma existência falsa, apostática e pecaminosa, uma existência culposa". Pesar, guerra, trabalho, morte, são tomados meramente como objeções à vida. "O homem como inocente, ocioso, imortal, feliz - esse conceito da mais 'elevada desejabilidade' deve ser especialmente criticado". Nietzsche se volta apaixonadamente contra a vita contemplativa monástica, contra o "Sabá de todos os Sabás" de Agostinho. Ele elogia Lutero por ter dado um fim à vita contemplativa. A melodia nórdica de luta e labor soa forte e clara aqui. A ênfase com a qual nós pronunciamos essas palavras hoje nós ouvimos de Nietzsche pela primeira vez.

Nós chamamos Nietzsche de o filósofo do heroísmo. Mas essa é somente uma meia-verdade se nós não o consideramos ao mesmo tempo com o filósofo do ativismo. Ele se considerava a contraparte histórico-mundial de Platão. "Obras" resultam não do desejo de aparecer, nem do reconhecimento de valores "extramundanos", mas da prática, da ação sempre repetida. Nietzsche emprega uma famosa antítese para tornar isso claro: "Primeiro e acima de tudo há o labor. E isso significa treinar, treinar, treinar! A fé virá por si mesma - disso podes ter certeza". Nietzsche se opõe à proscrição cristão da esfera política, da própria esfera de ação, com a tese que também superou o contraste entre Catolicismo e Protestantismo (labor e fé): "É necessário treinar a si mesmo não no fortalecimento de sentimentos de valor, mas na ação; é necessário saber como fazer algo". Dessa maneira ele restabeleceu a pureza da esfera de ação, da esfera política.

Os "valores" de Nietzsche não tem nada a ver com o Além, e portanto não podem ser petrificados em dogma. Em nós mesmos, através de nós, eles emergem lutando até a superfície; eles existem somente enquanto nos fazemos responsáveis por eles. Quando Nietzsche alerta, "Sê verdadeiro com a Terra!" ele nos lembra da ideia que está enraizada em nossa força mas não espera pela "realização" em um Além distante. Não é o bastante apontar o caráter "mundano" dos valores de Nietzsche se ao mesmo tempo não se quer refutar a noção de que valores são "realizados" pela ação. Algo inferior está sempre ligado à "realização" de certos valores sejam eles de caráter mundano ou extramundano...

A valoração nórdica e guerreira de Nietzsche se opõe à do mundo mediterrâneo e a de seus sacerdotes. Sua crítica da religião é uma crítica do sacerdote, e emerge do ponto de vista do guerreiro, já que Nietzsche demonstra que mesmo a origem da religiões se situa no reino do poder. Isso explica a contradição fatídica em uma moralidade baseada na religião cristã. "Para garantir o domínio de valores morais, todos os tipos de forças e paixões imorais tem que ser alistadas. O desenvolvimento de valores morais é o trabalho de paixões e considerações imorais". A moralidade, portanto, é a criação da imoralidade. "Como colocar a virtude para governar: Esse tratado lida com a grande política da virtude". Ele ensina pela primeira vez "que não se pode fazer emergir o reino da virtude pelo mesmo meio utilizado para estabelecer qualquer tipo de governo, muito menos pela virtude". "É necessário ser bastante imoral para fazer a moralidade pela ação". Nietzsche substitui a filosofia moral burguesa com a filosofia da vontade de poder - em outras palavras com a filosofia da ética. Se ao fazê-lo ele se torna apologista do "inconsciente", esse "inconsciente" não deve ser entendido em termos de psicologia profunda. Aqui a preocupação não é com os impulsos instintivos e inconscientes de um indivíduo. Ao invés, "inconsciente" significa aqui "perfeito" e "capaz". E para além disso, "inconsciente" significa também vida enquanto tal, o organismo, a "grande razão" do corpo.

A consciência é somente uma ferramente, um detalhe na totalidade da vida. Em oposição à filosofia da consciência, Nietzsche afirma a aristocracia da natureza. Mas por milhares de anos uma moralidade cansada da vida se opôs à aristocracia dos fortes e sadios. Como o Nacional-Socialismo, Nietzsche vê no Estado, na sociedade, o "grande mandatário da vida", responsável por cada falha da vida perante a própria vida. "A espécie demanda a extinção dos desajustados, dos fracos e degenerados: mas o Cristianismo como força conservadora apela especialmente a eles". Aqui encontramos a contradição básica: quer procedamos de um contexto de vida natural ou de uma igualdade de almas individuais perante Deus. Ultimamente o ideal da igualdade democrática se sustenta sobre esse último pressuposto. O primeiro contém as bases de uma nova política. É necessária uma ousadia sem paralelos para basear um Estado sobre a raça. Uma nova ordem de coisas é a consequência natural. É essa ordem que Nietzsche se propôs a estabelecer em oposição à ordem existente.

Em face da força sobrepujante da raça, o que acontece com o indivíduo? Ele retorna - como membro singular em uma comunidade. O instinto de rebanho é basicamente diferente do instinto de uma "sociedade aristocrática", composta de homens fortes e naturais que não permitem que seus instintos básicos feneçam em favor de uma mediocridade - homens que sabem como limitar e controlar suas paixões, ao invés de enfraquecê-las ou negá-las. Isso novamente não deve ser compreendido desde um ponto de vista individualista. Por um longo tempo as emoções terão que ser mantidas sob controle "tirânico". Isso só pode ser feito por uma comunidade, uma raça, um povo...

Se já houve alguma expressão verdadeiramente alemã, é essa: É preciso ter a necessidade de ser forte, senão isso nunca será possível. Nós alemães sabemos o que significa nos mantermos contra toda oposição. Nós compreendemos a "vontade de poder" - mesmo se de uma maneira totalmente diferente do que nossos inimigos supõem. Mesmo nessa conexão, Nietzsche nos forneceu o significado mais profundo: "Nós alemães demandamos algo de nós mesmos que ninguém espera de nós - nós queremos mais".

Se hoje vemos a juventude alemã em marcha sob a bandeira da suástica, nós somos lembrados das "meditações extemporâneas" de Nietzsche na qual essa juventude era convocada pela primeira vez. É nossa maior esperança que o Estado hoje esteja plenamente aberto para nossa juventude. E se hoje gritamos "Heil Hitler!" para essa juventude, ao mesmo tempo saudamos Nietzsche.

Fonte: Legio Victrix

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Oque nossos leitores mais leem

2 milhões de alemãs - O Maior estupro em massa da História

Na foto, mulheres que suicidaram-se em uma praça, para não vivenciarem os estupros.
Aos 80 anos, Gabriele Köpp tem problemas com sono, por vezes, simplesmente não consegue comer. Aos 15 anos, ela foi repetidamente violada por soldados soviéticos, sendo virgem e não tendo nenhum conhecimento prévio sobre o sexo.
A revista "Spiegel" escreve que não existem os dados exatos sobre a quantidade de mulheres alemãs violadas pelo exército soviético, o número que aparece em várias publicações aponta para dois milhões de mulheres (2.000.000). Segundo a investigação do Dr. Philipp Kuwert, especialista de traumas e chefe do Departamento de Psiquiatria e Psicoterapia do Hospital universitário de Greifswald, a idade média das vítimas de violações soviéticas era de 17 anos e cada mulher foi violada em média 12 vezes. Quase metade das vítimas possui síndromes pós – traumáticos, incluindo os pesadelos, tendências de suicídio, anestesia emocional. Cerca de 81% destas mulheres adquiriram o efeito…

Por que os países árabes ricos não recebem os refugiados muçulmanos?

Porque eles não querem que eles residam permanentes...
Os trabalhadores estrangeiros são muito produtivos para o trabalho, melhorando a economia do país e vão para casa quando seus contratos estão chegando ao fim.
Os residentes estrangeiros, no entanto, tendem a trazer sua própria bagagem cultural e política com eles. Esses países já estão lutando para lidar com a modernização e reformas políticas/sociais, de modo que eles não precisam da "porcaria de ninguém" empilhada sobre si.
os "Idiotas do leste" estão muito felizes em ajudar...mesmo os trabalhadores estrangeiros podendo ser um fardo, como foi mostrado durante a Guerra do Golfo em 1991.
Trabalhadores palestinos e iemenitas foram expulsos de vários desses estados, porque seus governos saíram em apoio ao Iraque, ao contrário da política de seus governos, que era de acolhimento.
Com os trabalhadores estrangeiros, você pode simplesmente cancelar seus vistos e enviá-los para casa. Se você tem pessoas aceitas como imigra…

A família de Hitler e seus descendentes hoje

Adolf Hitler e Eva Braun, sua futura esposa, com quem se casaria, segundo relato, pouco antes da capitulação frente aos aliados

Um assunto bastante curioso e interessante, porém, pouco e até mesmo delicado de se tratar é a questão da família de Hitler e seus descendentes no contexto do pós guerra. Evitado tanto pelo lado daqueles que lutaram contra a Alemanha Nacional-Socialista, quem sabe pelo fato de terem em cheque uma acusação de perseguição infundada e por isso mantenham interesses em ocultar certos segredos, quanto por aqueles que são e foram seus simpatizantes, talvez por falta de informação ou censura. 
Muitas foram e ainda são as especulações a cerca da origem do Chanceler alemão e sua descendência. Umas dizem que Hitler teria sangue judeu correndo e suas veias, vindas de seu avô (ou bisavô), ou que seria um membro família Rotschild (banqueiros judeus) ou mesmo que Hitler teria tido filhos e escondido tal fato da mídia, mas que porém, com a queda da Alemanha, os Aliados teriam …

Negros e árabes escravizaram portugueses por 741 anos. Onde estão minhas reparações?

A grande "dívida" que os brancos tem com os negros por 400 anos de escravidão é provavelmente a maior mentira já contada na história. O preconceito contra os brancos é tão grande que até o Google mudou o resultado da minha pesquisa de “império mouro escravidão” para “império romano escravidão”. Mouro vem do latim Maures que significa Negro, devido a cor da pele deles dos integrantes do Império Mouro.
O Império Mouro foi o grande império muçulmano que conquistou o norte da África, Oriente Médio e Península Ibérica ( onde hoje se localizam Portugal e Espanha), é o mesmo império que alguns muçulmanos querem refazer através do estado islâmico. Com o regime de Califado, onde um homem seria escolhido por Deus para liderar o povo muçulmano na conversão do mundo para o islamismo.
Com o declínio do Império Romano, o Califado conseguiu uma brecha e em menos de uma década conquistou a península Ibérica inteira. Apesar da resistência de algumas regiões que voltaram rapidamente ao domínio …

Os judeus a Revolução Comunista russa e o assassinato do Czar

Acima, Tatiana e Olga; Sentados: Maria, Alexandra, Nicolau e Anastácia. E no chão, Alexei
Por Mark Weber
Na noite de 16-17 de julho de 1918, uma esquadra da polícia secreta Bolchevique assassinou o último imperador da Rússia, o Czar Nicolau II, junto com sua esposa, a Czarina Alexandra, seu filho mais velho de 14 anos, o Czaverch Alexis, e suas quatro filhas. Eles foram abatidos numa salva de balas num pequeno espaço de um cômodo da casa em Ekaterinoburgo, uma cidade na região dos Montes Urais, onde eles estavam mantidos como prisioneiros. A complementação da execução das filhas foi feita com baionetas. Para prevenir o culto ao Czar morto, os corpos foram descartados para o campo aberto e apressadamente enterrados em um túmulo secreto.
Avaliando o sinistro legado do comunismo soviético
As autoridades Bolcheviques inicialmente relataram que o imperador Romanov tinha sido baleado após a descoberta de um plano para liberar ele. Por algum tempo as mortes da Imperatriz e das crianças foram…

Gudrun Burwitz, a filha de Himmler, ativismo e família

Gudrun Burwitz, hoje com 86 anos. Na foto, aos desperdice dos netos no subúrbio do Munique, onde mora até hoje
Ao acenar adeus a seus netos, Gudrun Burwitz apresenta a figura de uma mulher pronta para viver o resto de seus dias em paz e sossego. Porém, a filha de Heinrich Himmler ainda trabalha em um ritmo forte em seu ativismo a favor dos perseguidos pelo sistema por serem ou trabalharem para o nacional-socialismo.
A Sra. Burwitz sempre alimentou a memória de seu pai, o homem que dirigia a Gestapo, e a SS como um homem bom e digno.
E apesar de sua idade avançada, formada advogada, ela continua a ajudar antigos integrantes do nacional-socialismo a escapar da perseguição judicial a qual foram impostos pelos inimigos da Alemanha. 
Como a figura de liderança do grupo Stille Hilfe – Ajuda Silenciosa – ela provê todo tipo de ajuda, inclusive financeira, aos ex-integrantes nazi e colaboradores. Grupo formado em 1951 por um grupo de oficiais de alta patente das SS, na Alemanha, o grupo existe pa…

O calvário das viúvas da ocupação

Após a liberação dos territórios ocupados pelos alemães dos países europeus, milhares de mulheres que tinham relacionamentos com soldados alemães foram expostas a execuções humilhantes e brutais nas mãos de seus próprios concidadãos. Era a "Épuration Légale" ("purga legal"), a onda de julgamentos oficiais que se seguiu à liberação da França e da queda do Regime de Vichy. Estes julgamentos foram realizados em grande parte entre 1944 e 1949, com ações legais que perduraram por décadas depois.
Ao contrário dos Julgamentos de Nuremberg, a "Épuration Légale" foi conduzida como um assunto interno francês. Aproximadamente 300.000 casos foram investigados, alcançando os mais altos níveis do governo colaboracionista de Vichy. Mais da metade foram encerrados sem acusação. De 1944 a 1951, os tribunais oficiais na França condenaram 6.763 pessoas à morte por traição e outros crimes. Apenas 791 execuções foram efetivamente realizadas. No entanto, 49.723 pessoas foram …

A verdade sobre Olga Benário e Prestes

Olga Gutmann Ben-Ario (1908 - 1942)
Por: Luiz Gonçalves Alonso Ferreira (1)

Na alvorada de março de 1934, vindo de Buenos Aires portando passaporte americano, desembarcara no Rio de Janeiro um sujeito de nome Harry Berger. Preso pela polícia carioca no natal de 1935, logo revelou-se a identidade secreta do viajante. Chamava- se, o misterioso elemento, Arthur Ernst Ewert, judeu alemão, fichado em seu país de origem, no qual era ex- deputado, como espião. Constava também processo por "alta traição".
Berger era o agente do Komintern, especialista em golpes subversivos, enviado para o Brasil com a missão de dirigir intelectualmente o plano traçado em Moscou, que objetivava a instauração de uma ditadura de tipo stalinista no País, por meio de levante armado. Sob ordens de Berger, lá estava Luiz Carlos Prestes, homem escolhido para encabeçar um "governo popular nacional revolucionário", segundo relatório do próprio Berger para o Komintern.
Prestes angariou simpatia no meio c…

A Grande Farsa do Holocausto Judaico (PARTE I) - "Fotos Falsificadas"

Todos os anos desde o fim da Segunda Guerra Mundial nos deparamos com centenas de livros, documentários, seriados de TV e tantos outros materiais relacionados ao genocídio ou ao assassinato de 6 milhões de judeus em câmaras de gás nos campos de concentração, cometidos pelos Nacional-Socialistas durante a Segunda Guerra Mundial, mais precisamente do ano de 1942 à 1945. Não seria lógico entender a invenção do Holocausto como uma maneira de esconder os crimes cometidos pelos próprios aliados em Hiroshima, Nagasaki, Dresden e tantos outros? Como podemos explicar a atual posição de alguns historiadores e até mesmo do ex-presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, em negar tal acontecimento? Como muitos sabem, e também muitos não sabem, na Europa a negação do Holocausto vêm sendo criminalizada com leis específicas, impedindo pesquisadores e pessoas sérias de saberem o que de fato aconteceu nos campos de concentração alemães durante o período de 1942 até 1945. 
No entanto, este grave crime cont…

“Nossas mães, nossos pais” - Um filme sobre a verdade da guerra

O filme “Nossas mães, nossos pais” (do alemão: "Unsere Mütter, unsere Väter"), exibido pelo canal de televisão alemão ZDF, conta a história de cinco jovens para os quais a Segunda Guerra Mundial se torna um desafio moral e ético, deixando clara a impressão de que a Alemanha está cansada de arrependimentos. O filme basicamente apresenta os soldados soviéticos como estupradores, os poloneses como antissemitas desumanizados e os ucranianos como sádicos. O contexto do drama vivido na invasão da Europa na sua verdadeira face.
A diplomacia russa considerou inaceitável o filme e enviou uma carta ao embaixador da Alemanha dizendo que a “maioria absoluta dos russos que teve a oportunidade de assistir ao filme” o achou inaceitável. Também foi criticado a exposição que fez o filme as atrocidades cometidas pelas tropas da URSS aos excessos isolados perpetrados por militares soviéticos na Alemanha, os quais foram severamente punidos pelo comando militar soviético, mas tão só depois de um …