Pular para o conteúdo principal

Dostoyevsky e os Judeus



Por William Pierce


Fyodor Dostoyevsky (1821 - 1881) foi um dos maiores escritores da Rússia. O filho de um médico de posses modestas, ele teve oportunidade de ter uma educação, e foi treinado como engenheiro. Ele permaneceu próximo ao povo comum da Rússia, porém, nas experiências de sua vida e em sua escrita.

Dostoyevsky foi um patriota fervoroso, mas sua associação com um círculo de escritores radicais levou a sua prisão aos 27 anos de idade. Ele foi subsequentemente sentenciado à morte, perdoado no último minuto, e transportado para a Sibéria, onde ele passou quatro anos em um campo de trabalhos forçados. A isso seguiram-se diversos anos como soldado em uma unidade siberiana do exército russo.

Após seu retorno da Sibéria, Dostoyevsky escreveu diversos romances, incluindo Crime e Castigo (1866), O Idiota (1868), Os Demônios (1871), e Os Irmãos Karamazov (1880), todos os quais tiveram imensa popularidade. Foi seu Diário de um Escritor, porém, publicado em uma série de capítulos no período de 1873 - 1881 que mais explicitamente expressou seu sentimento por seu povo e pela Rússia.

O Diário de Dostoyevsky abordava um grande número de questões de grande interesse para seus compatriotas, demonstrando claramente a visão e sensibilidade que fizeram dele um dos mais amados de todos os grandes escritores que a Rússia produziu. Boris Brasol, que traduziu Diário de um Escritor para o inglês, descreveu a reação do povo russo à morte de Dostoyevsky em 9 de fevereiro de 1881:

"A notícia do falecimento de Dostoyevsky espalhou-se instantaneamente, como uma corrente elétrica, às partes mais remotas da Rússia, e uma onda de lamentos varreu os corações de seu povo entristecido... Multidões enormes foram a seu funeral: homens e mulheres de todas as origens - estadistas de alta hierarquia e prostitutas miseráveis; camponeses analfabetos e distintos homens de letras; oficiais do exército e cientistas eruditos; sacerdotes crédulos e estudantes incrédulos - todos eles estavam lá.

Quem a Rússia enterrou com tão grande reverência? Foi apenas um de seus famosos homens de letras? De fato não: naquele caixão jazia um homem nobre e altivo, um professor prudente, um profeta inspirado cujos pensamentos, como picos de montanhas, estavam sempre apontados para o céu, e que haviam medido as profundezas do coração tremulento do homem com todas as suas lutas, pecados, e tempestades; seus enigmas, dores, e remorsos; suas lágrimas não vistas e paixões em chamas..."

Na mesma medida em que seu povo amava-o, Dostoyevsky por sua vez amava-o e desprezava seus inimigos e exploradores. Principal entre estes últimos estavam os judeus da Rússia. Na época de Dostoyevsky havia aproximadamente três milhões deles, alguns descendidos dos czares, uma tribo asiática do sul da Rússia que havia convertido-se ao judaísmo mil anos antes, e alguns que haviam fugido para a Rússia vindos do oeste durante a Idade Média, quando eles foram expulsos a força de cada país na Europa ocidental e central.

Desprezando o  trabalho honesto, os judeus haviam fixado-se aos camponeses e artesãos russos como um exército de sanguessugas. Agiotagem, comércio de bebidas alcoólicas, e escravidão branca eram seus meios preferidos de subsistência - e seus métodos para destruir o povo russo.

Tão grande era o ódio russo por seus algozes judaicos que os governantes russos foram obrigados a instituir legislação especial, ao mesmo tempo protegendo os judeus e limitando suas depredações contra o povo russo. Entre estas estava a proibição do assentamento de judeus na Rússia central; eles estavam restritos às regiões do oeste e sudoeste da Rússia (a "Zona de Assentamento") onde eles haviam estado mais concentrados à época de Catarina a Grande havia proclamado a proibição, no século XVIII.

Isso, é claro, foi considerado pelos judeus como "perseguição", e foi sua incessante lamentação por não terem permissão para parasitarem o povo da Rússia central que primeiro levou Dostoyevsky escrever sobre a Questão Judaica. Na parte de seu Diário publicada em março de 1877, o escritor afirmou:

"...Eu sei que em todo o mundo certamente não há outro povo que reclamaria tanto sobre sua sorte, incessantemente, após cada passo e palavra - sobre sua humilhação, seu sofrimento, seu martírio. Poder-se-ia pensar até que não são eles que reinam na Europa, que dirigem lá e cá as bolsas de valores e, portanto, a política, os negócios domésticos, a moralidade dos Estados".

Dostoyevsky, que havia tornado-se familiarizado com os judeus e suas atitudes pessoas em relação a seus hospedeiros russos, pela primeira vez como criança na pequena propriedade de seu pai, onde ele observou os negócios dos judeus com os camponeses locais, e depois na prisão, em que ele notou o comportamento arredio dos prisioneiros judeus em relação aos prisioneiros russos, seguiu especulando sobre o que aconteceria aos russos se os judeus eventualmente tivessem o chicote em mãos:

"...Agora, como seria se na Rússia não houvesse três milhões de judeus, mas três milhões de russos, e houvesse oito milhões de judeus - bem, em que eles converteriam os russos e como eles os tratariam? Permitiram eles adquirir direitos iguais? Permitiriam eles praticar sua religião livremente em seu meio? Não os converteriam em escravos? Pior do que isso: não os esfolariam? Não os exterminariam até o último homem, a ponto do extermínio total, como eles costumavam fazer com estrangeiros nos tempos antigos, durante sua história?"

 A especulação acabou sendo amargamente profética, pois apenas pouco mais de quatro décadas depois, comissários judeus sanguinários, que eram a maioria dos líderes bolcheviques, estavam supervisionando o extermínio de russos aos milhões.

Dostoyevsky identificou corretamente o segredo da força dos judeus - de fato, de sua própria sobrevivência por um período de mais de quarenta séculos - como sua exclusividade, sua perspectiva mental profundamente enraizada sobre todo o mundo não judaico como uma coisa estranha, inferior, e hostil. Essa perspectiva levou os judeus a sempre pensarem sobre si mesmos como possuindo uma situação ou status especial. Mesmo quando eles estavam tentando de forma insinuante convencer os não judeus de que os judeus eram como todo mundo, eles mantinham sua atitude inteiro de um povo que constituíam uma comunidade especial dentro da comunidade gentil, mais ampla. Dostoyevsky apontou:

"...É possível definir, pelo menos, certos sintomas desse estado dentro do estado - ainda que apenas externamente. Esses sintomas são: alienação e isolação na questão do dogma religioso; a impossibilidade de fusão; crença de que no mundo só existe uma única entidade nacional, a judaica, enquanto, ainda que outras entidades existam, não obstante, deve-se presumir que elas são, como se fossem, inexistentes. 'Afaste-se da família das nações e forme ua própria entidade, e então vós conhecereis que daí em diante vós sois os únicos perante Deus; exterminai o resto, ou tornai-os escravos. Tenhais fé na conquista de todo o mundo; adirais à crença de que tudo submeter-se-á a vós. Abominai estritamente a tudo, e não tenhais intercurso com quem seja em vosso modo de vida. E mesmo quando vós haveis perdido a terra, vossa individualidade política, mesmo quando vós fostes dispersados por toda a face da terra, entre todas as nações - não vos importeis, tenhais fé em tudo que vos foi prometido, uma vez e para todo o sempre; acreditai que tudo isso passará, e enquanto isso vivei, odiai, unificai, e explorai - e aguardai, aguardai...'"

É de surpreender que, ainda que virtualmente todo americano com educação secundária tenha lido ou Crime e Castigo ou Os Irmãos Karamazov (ou ambos), seu Diário de um Escritor tenha sido silenciosamente consignado ao esquecimento pelo establishment educacional e editorial nesse país? A única edição de Diário de um Escritor atualmente listada é uma feita por uma pequena editora especializada (Octagon Books) para venda a bibliotecas e com o proibitivo preço de $47,50. Esse preço deve ser o suficiente para mantar esse livro fora das mãos de leitores americanos curiosos!

Aqueles felizardos o suficiente para conseguirem uma cópia do livro podem ler ainda um grande número de penetrantes comentários sobre o comportamento e atitude dos judeus na Rússia em relação ao povo russo durante o século XIX. Dostoyevsky especialmente condenou a exploração dos pobres, ignorantes, e indefesos camponeses russos pelos vorazmente gananciosos e absolutamente desalmados judeus. Por exemplo:

"Assim, a judiaria está prosperando precisamente lá onde o povo ainda é ignorante, ou não é livre, ou é economicamente atrasado. É lá que a judiaria possui caminho livre. E ao invés de elevar, por sua influência, o nível de educação, ao invés de ampliar o conhecimento, de gerar aptidão econômica na população nativa - ao invés disso o judeu, onde ele tenha assentado, apenas humilhou e degenerou ainda mais o povo; lá a humanidade foi ainda mais depreciada e o nível educacional caiu ainda mais baixo; lá a miséria inescapável e desumana, e com ela o desespero, espalhou-se ainda mais vergonhosamente. Perguntem à população nativa em nossas regiões fronteiriças: O que move o judeu - o que o tem movido por séculos? Você receberá uma resposta unânime: impiedade. 'Ele tem sido movido por tantos séculos apenas impiedade em relação a nós, apenas pela sede por nosso suor e sangue'.

E, em verdade, toda a atividade dos judeus nessas regiões fronteiriças nossas consistiu em tornar a população nativa o mais inescapavelmente dependente possível, tirando vantagem das leis locais. Eles sempre conseguiram estar em termos amigáveis com aqueles de quem o povo depende. Aponte a qualquer tribo entre os estrangeiros na Rússia que poderia rivalizar com o judeu por sua influência nefasta nessa conexão! Você não encontrará qualquer outra tribo. Nessa questão o judeu preserva toda sua originalidade em comparação com outros estrangeiros russos, e é claro, a razão para isso é este seu estado dentro do estado, este espírito do qual emana especialmente a impiedade por tudo que não é judeu, com desrespeito por qualquer povo e tribo, por cada criatura humana que não é um judeu...

Agora, e se de algum jeito, por alguma razão, nossa comuna rural [sistema institucionalizado da sociedade campesina russa] fosse desintegrada, aquela comuna que está protegendo nosso camponês nativo contra tantos males; e se, falando diretamente, o judeu e toda sua kehillah [judiaria organizada] caíssem sobre o campesinato liberto - tão inexperiente, tão incapaz de resistir a tentações, e que até agora tem sido protegido precisamente pela comuna? Ora, obviamente, instantaneamente este seria seu fim; toda sua propriedade, toda sua força, no dia seguinte cairia sob o poder do judeu, e então teria início uma era comparável não apenas com a era da servidão, mas até mesmo com a do domínio tártaro".

Novamente, quão tragicamente profético!

Fonte:

Comentários

  1. Que o Pai Eterno nos livre desses judeus falsos. São uma lástima

    ResponderExcluir

Postar um comentário

O Sentinela - Mídia dissidente brasileira

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Oque nossos leitores mais leem

2 milhões de alemãs - O Maior estupro em massa da História

Na foto, mulheres que suicidaram-se em uma praça, para não vivenciarem os estupros.
Aos 80 anos, Gabriele Köpp tem problemas com sono, por vezes, simplesmente não consegue comer. Aos 15 anos, ela foi repetidamente violada por soldados soviéticos, sendo virgem e não tendo nenhum conhecimento prévio sobre o sexo.
A revista "Spiegel" escreve que não existem os dados exatos sobre a quantidade de mulheres alemãs violadas pelo exército soviético, o número que aparece em várias publicações aponta para dois milhões de mulheres (2.000.000). Segundo a investigação do Dr. Philipp Kuwert, especialista de traumas e chefe do Departamento de Psiquiatria e Psicoterapia do Hospital universitário de Greifswald, a idade média das vítimas de violações soviéticas era de 17 anos e cada mulher foi violada em média 12 vezes. Quase metade das vítimas possui síndromes pós – traumáticos, incluindo os pesadelos, tendências de suicídio, anestesia emocional. Cerca de 81% destas mulheres adquiriram o efeito…

Por que os países árabes ricos não recebem os refugiados muçulmanos?

Porque eles não querem que eles residam permanentes...
Os trabalhadores estrangeiros são muito produtivos para o trabalho, melhorando a economia do país e vão para casa quando seus contratos estão chegando ao fim.
Os residentes estrangeiros, no entanto, tendem a trazer sua própria bagagem cultural e política com eles. Esses países já estão lutando para lidar com a modernização e reformas políticas/sociais, de modo que eles não precisam da "porcaria de ninguém" empilhada sobre si.
os "Idiotas do leste" estão muito felizes em ajudar...mesmo os trabalhadores estrangeiros podendo ser um fardo, como foi mostrado durante a Guerra do Golfo em 1991.
Trabalhadores palestinos e iemenitas foram expulsos de vários desses estados, porque seus governos saíram em apoio ao Iraque, ao contrário da política de seus governos, que era de acolhimento.
Com os trabalhadores estrangeiros, você pode simplesmente cancelar seus vistos e enviá-los para casa. Se você tem pessoas aceitas como imigra…

A família de Hitler e seus descendentes hoje

Adolf Hitler e Eva Braun, sua futura esposa, com quem se casaria, segundo relato, pouco antes da capitulação frente aos aliados

Um assunto bastante curioso e interessante, porém, pouco e até mesmo delicado de se tratar é a questão da família de Hitler e seus descendentes no contexto do pós guerra. Evitado tanto pelo lado daqueles que lutaram contra a Alemanha Nacional-Socialista, quem sabe pelo fato de terem em cheque uma acusação de perseguição infundada e por isso mantenham interesses em ocultar certos segredos, quanto por aqueles que são e foram seus simpatizantes, talvez por falta de informação ou censura. 
Muitas foram e ainda são as especulações a cerca da origem do Chanceler alemão e sua descendência. Umas dizem que Hitler teria sangue judeu correndo e suas veias, vindas de seu avô (ou bisavô), ou que seria um membro família Rotschild (banqueiros judeus) ou mesmo que Hitler teria tido filhos e escondido tal fato da mídia, mas que porém, com a queda da Alemanha, os Aliados teriam …

A Conquista Moura da Península Ibérica: Mouros escravizaram portugueses por 741 anos - onde estão minhas reparações?

A grande "dívida" que os brancos tem com os negros por 400 anos de escravidão é provavelmente a maior mentira já contada na história. O preconceito contra os brancos é tão grande que até o Google mudou o resultado da minha pesquisa de “império mouro escravidão” para “império romano escravidão”. Mouro vem do latim Maures que significa Negro, devido a cor da pele deles dos integrantes do Império Mouro.
O Império Mouro foi o grande império muçulmano que conquistou o norte da África, Oriente Médio e Península Ibérica ( onde hoje se localizam Portugal e Espanha), é o mesmo império que alguns muçulmanos querem refazer através do estado islâmico. Com o regime de Califado, onde um homem seria escolhido por Deus para liderar o povo muçulmano na conversão do mundo para o islamismo.
Com o declínio do Império Romano, o Califado conseguiu uma brecha e em menos de uma década conquistou a península Ibérica inteira. Apesar da resistência de algumas regiões que voltaram rapidamente ao domínio …

Os judeus a Revolução Comunista russa e o assassinato do Czar

Acima, Tatiana e Olga; Sentados: Maria, Alexandra, Nicolau e Anastácia. E no chão, Alexei
Por Mark Weber
Na noite de 16-17 de julho de 1918, uma esquadra da polícia secreta Bolchevique assassinou o último imperador da Rússia, o Czar Nicolau II, junto com sua esposa, a Czarina Alexandra, seu filho mais velho de 14 anos, o Czaverch Alexis, e suas quatro filhas. Eles foram abatidos numa salva de balas num pequeno espaço de um cômodo da casa em Ekaterinoburgo, uma cidade na região dos Montes Urais, onde eles estavam mantidos como prisioneiros. A complementação da execução das filhas foi feita com baionetas. Para prevenir o culto ao Czar morto, os corpos foram descartados para o campo aberto e apressadamente enterrados em um túmulo secreto.
Avaliando o sinistro legado do comunismo soviético
As autoridades Bolcheviques inicialmente relataram que o imperador Romanov tinha sido baleado após a descoberta de um plano para liberar ele. Por algum tempo as mortes da Imperatriz e das crianças foram…

Gudrun Burwitz, a filha de Himmler, ativismo e família

Gudrun Burwitz, hoje com 86 anos. Na foto, aos desperdice dos netos no subúrbio do Munique, onde mora até hoje
Ao acenar adeus a seus netos, Gudrun Burwitz apresenta a figura de uma mulher pronta para viver o resto de seus dias em paz e sossego. Porém, a filha de Heinrich Himmler ainda trabalha em um ritmo forte em seu ativismo a favor dos perseguidos pelo sistema por serem ou trabalharem para o nacional-socialismo.
A Sra. Burwitz sempre alimentou a memória de seu pai, o homem que dirigia a Gestapo, e a SS como um homem bom e digno.
E apesar de sua idade avançada, formada advogada, ela continua a ajudar antigos integrantes do nacional-socialismo a escapar da perseguição judicial a qual foram impostos pelos inimigos da Alemanha. 
Como a figura de liderança do grupo Stille Hilfe – Ajuda Silenciosa – ela provê todo tipo de ajuda, inclusive financeira, aos ex-integrantes nazi e colaboradores. Grupo formado em 1951 por um grupo de oficiais de alta patente das SS, na Alemanha, o grupo existe pa…

O calvário das viúvas da ocupação

Após a liberação dos territórios ocupados pelos alemães dos países europeus, milhares de mulheres que tinham relacionamentos com soldados alemães foram expostas a execuções humilhantes e brutais nas mãos de seus próprios concidadãos. Era a "Épuration Légale" ("purga legal"), a onda de julgamentos oficiais que se seguiu à liberação da França e da queda do Regime de Vichy. Estes julgamentos foram realizados em grande parte entre 1944 e 1949, com ações legais que perduraram por décadas depois.
Ao contrário dos Julgamentos de Nuremberg, a "Épuration Légale" foi conduzida como um assunto interno francês. Aproximadamente 300.000 casos foram investigados, alcançando os mais altos níveis do governo colaboracionista de Vichy. Mais da metade foram encerrados sem acusação. De 1944 a 1951, os tribunais oficiais na França condenaram 6.763 pessoas à morte por traição e outros crimes. Apenas 791 execuções foram efetivamente realizadas. No entanto, 49.723 pessoas foram …

A Grande Farsa do Holocausto Judaico (PARTE I) - "Fotos Falsificadas"

Todos os anos desde o fim da Segunda Guerra Mundial nos deparamos com centenas de livros, documentários, seriados de TV e tantos outros materiais relacionados ao genocídio ou ao assassinato de 6 milhões de judeus em câmaras de gás nos campos de concentração, cometidos pelos Nacional-Socialistas durante a Segunda Guerra Mundial, mais precisamente do ano de 1942 à 1945. Não seria lógico entender a invenção do Holocausto como uma maneira de esconder os crimes cometidos pelos próprios aliados em Hiroshima, Nagasaki, Dresden e tantos outros? Como podemos explicar a atual posição de alguns historiadores e até mesmo do ex-presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, em negar tal acontecimento? Como muitos sabem, e também muitos não sabem, na Europa a negação do Holocausto vêm sendo criminalizada com leis específicas, impedindo pesquisadores e pessoas sérias de saberem o que de fato aconteceu nos campos de concentração alemães durante o período de 1942 até 1945. 
No entanto, este grave crime cont…

A verdade sobre Olga Benário e Prestes

Olga Gutmann Ben-Ario (1908 - 1942)
Por: Luiz Gonçalves Alonso Ferreira (1)

Na alvorada de março de 1934, vindo de Buenos Aires portando passaporte americano, desembarcara no Rio de Janeiro um sujeito de nome Harry Berger. Preso pela polícia carioca no natal de 1935, logo revelou-se a identidade secreta do viajante. Chamava- se, o misterioso elemento, Arthur Ernst Ewert, judeu alemão, fichado em seu país de origem, no qual era ex- deputado, como espião. Constava também processo por "alta traição".
Berger era o agente do Komintern, especialista em golpes subversivos, enviado para o Brasil com a missão de dirigir intelectualmente o plano traçado em Moscou, que objetivava a instauração de uma ditadura de tipo stalinista no País, por meio de levante armado. Sob ordens de Berger, lá estava Luiz Carlos Prestes, homem escolhido para encabeçar um "governo popular nacional revolucionário", segundo relatório do próprio Berger para o Komintern.
Prestes angariou simpatia no meio c…

“Nossas mães, nossos pais” - Um filme sobre a verdade da guerra

O filme “Nossas mães, nossos pais” (do alemão: "Unsere Mütter, unsere Väter"), exibido pelo canal de televisão alemão ZDF, conta a história de cinco jovens para os quais a Segunda Guerra Mundial se torna um desafio moral e ético, deixando clara a impressão de que a Alemanha está cansada de arrependimentos. O filme basicamente apresenta os soldados soviéticos como estupradores, os poloneses como antissemitas desumanizados e os ucranianos como sádicos. O contexto do drama vivido na invasão da Europa na sua verdadeira face.
A diplomacia russa considerou inaceitável o filme e enviou uma carta ao embaixador da Alemanha dizendo que a “maioria absoluta dos russos que teve a oportunidade de assistir ao filme” o achou inaceitável. Também foi criticado a exposição que fez o filme as atrocidades cometidas pelas tropas da URSS aos excessos isolados perpetrados por militares soviéticos na Alemanha, os quais foram severamente punidos pelo comando militar soviético, mas tão só depois de um …