Pular para o conteúdo principal

Comunismo, uma arma para a conquista judaica

M. Cohan escreve em “The communist”, nº 72.:

Kharkov, 12 de Abril de 1919.

“Sem exagero, deve-se dizer que a grande Revolução Social russa foi afetada pelas mãos dos judeus. Teriam podido eles mesmos – a obscura e oprimida massa de trabalhadores e granjeiros russos – ser capazes de destruir a burguesia? Não. Foram precisamente os judeus os quais dirigiram o proletariado russo ao amanhecer da Internacional; e agora, dirigem a causa soviética que ainda pertence às suas mãos. Devemos estar tranqüilos, porque o Exército Vermelho está sob controle do camarada Leon Trotsky. É verdade que não existem judeus nas filas desse exército, mas nos comitês e organizações soviéticas, como comissários, eles dirigiram as massas proletárias russas à vitória. Não sem razão, durante as eleições de todas as instituições soviéticas, os judeus vencem por uma esmagadora maioria. O símbolo do judaísmo, que lutou contra o capitalismo durante séculos, converteu-se no mesmo símbolo do proletariado russo, o qual se pode notar na adoção da estrela vermelha de cinco pontas, que, na Antigüidade, como bem se sabe, foi símbolo do sionismo e do judaísmo. Ele traz a vitória; com o seu sinal, vem a morte dos parasitas da burguesia”. 

* * *

O rabino Lewis Browne, em seu livro “How odd of God”:

“Nós pretendemos fazer com os gentis o mesmo que os comunistas estão fazendo na Rússia”.

* * *

O professor Niebur, em certa fala no Instituto Judaico de Religião:

Nova Iorque, 03 de Outubro de 1934.

“O marxismo é a forma moderna da profecia judaica”. 

* * *

M. Hermalin, judeu comunista:

Nova Iorque, 1917.

“A Revolução Russa foi feita por judeus. Nós temos criado as Sociedades Secretas e planejado-as ao reinado do terror. A Revolução triunfou por nossa propaganda convincente e com nossos assassinatos em massa – tudo com o propósito de formar um governo verdadeiramente nosso”.

* * *

No periódico russo “On to Moscow”:

Moscou, Setembro de 1919.

“Não se deve duvidar que o povo judeu, que foi oprimido durante séculos por reis e czares, é realmente o proletariado, a Internacional que não tem país”.

* * *

Angelo S. Rappaport em “The pioners of the Russian Revolution”, publicado por Stanley, Paul & Co., na pg. 250:

Londres, 1918.

“Na Rússia, os judeus foram totalmente responsáveis pela Revolução”.

* * *

Moritz Rappaport, na Revolução de 1918 na Alemanha:

“A Revolução recorda-nos novamente a importância da questão judaica, posto que os judeus são o seu elemento condutor”. 

* * *

Em “Jewish Tribute”:

05 de Julho de 1922.

“A Revolução alemã é resultante dos judeus; os partidos liberais democráticos têm um grande número deles como líderes, que ocupam um papel predominante nas oficinas do Alto Estado”.

* * *

Maurice Samuel, em seu livro “You gentiles”, pg. 155:

“Nós, os judeus, os destruidores, sempre permaneceremos como tais. Nada do que vocês façam satisfará nossas necessidades e demandas. Sempre destruiremos, porque necessitamos do mundo em nosso poder”.

* * *

A. S. Rappaport em “The pioners of the russian revolution”:

“Através da história, o espírito judaico tornou-se revolucionário e subversivo, mas com a idéia de construir algo sobre as ruínas”.

* * *

“The Maccabean”, orgão sionista judaico, pg. 250, sob o título de “A jewish revolution”:

Nova Iorque, Novembro de 1905.

“A Revolução na Rússia é uma Revolução judaica – também uma crise na história judaica. É uma Revolução judaica porque a Rússia é o lugar de cerca da metade dos judeus do mundo, e a derrocada de seu despótico governo deve ter uma influência muito importante no destino de milhões que vivem ali, bem como nos muitos milhões que emigraram recentemente para outros países. Porém, a Revolução na Rússia é uma Revolução judaica também porque os judeus são os mais ativos revolucionários do império do Czar”.

(Em 1905, quando a primeira Revolução judaica na Rússia aconteceu, o Comitê Central compôs-se dos bem conhecidos revolucionários: Lênin (Ulianov), Rykov, Krassin (Vinter), Bogdanov e Postalovskii).

* * *

Em “Jewish Chronicle”:

Londres, 04 de Abril de 1919.

“Há um feito importante no bolchevismo: é o de que muitos dos judeus são bolcheviques. Os ideais desse princípio estão em consonância com muitos dos mais altos valores do judaísmo”.

* * *

Rabino Judah L. Magnes, falando na Conferência Nacional dos Estados Unidos:

Abril de 1918.

“Pretendo ser um autêntico bolchevique. Posso dizer, definitivamente, que o Presidente dos Estados Unidos, em certo tempo, apelará a todos os governos aliados para conseguir uma paz imediata, sob os princípios avançados do bolchevismo na Rússia”.

* * *

O sábio judeu londrinense Dr. Oscar Levy, em “The world significance of the Russian Revolution”:

“Nós, os judeus, estamos gravemente equivocados. Nós, que temos alardeado de ter dado ao mundo o salvador, não somos hoje mais que trapaceiros, seus destruidores, incendiários e executores. Temos prometido um novo paraíso, mas damos um novo inferno”.

* * *

Zinovief, Presidente da III Internacional Comunista, no Congresso 19 de Dezembro de 1925:

“Temos exterminado os capitalistas e aos proprietários na Rússia. Vamos fazer o mesmo com a inteligência da Europa e América”.

* * *

B.A.M. Shapiro, um novaiorquino que se autodenomina um cristão por fé e judeu por raça, em seu folheto “America’s great Menace”:

“Chegou o momento em que os patriotas judeus da América devem sentir a grande responsabilidade pelo feito diabólico do comunismo, planejado e realizado por Israel”.

* * *

O rabino Judah L. Magnes:

Nova Iorque, 1919.

“Quando o judeu realiza seu projeto, sua devoção à causa dos trabalhadores, dos miseráveis e deserdados do mundo, sua caridade radical o leva ao fundo das coisas. Na Alemanha, se converte em um Marx e em Lasalle, Haas e Edward Bernstein; na Austria, em um Victor e Friedrick Adler; na Rússia. em um Trotsky. Perceba, por um instante, a situação nesses países. A Revolução libera uma força criativa; perceba que grande parte dos judeus conseguiram para si serviços imediatos. Revolucionários socialistas, mencheviques e bolcheviques, minorias e maiorias socialistas ou como quer que se denominem, eles se encontram entre os líderes dos trabalhadores de rotina de todos estes partidos revolucionários”.

* * *

“Kennan Rettels History” comentando como Jacob H. Schiff financiou a propaganda revolucionária no Exército Czarista, no “New York Times”:

Nova Iorque, 24 de Março de 1917

“Mr. Kenan falou do trabalho dos Amigos da Liberdade Russa na Revolução. (...) Disse que durante a guerra russo-japonesa, estava em Tókio e que permitiu-se-lhe fazer visitas a doze mil prisioneiros russos em mãos nipônicas, ao término do primeiro ano de guerra. Concebeu a idéia de que a propaganda revolucionária penetrasse no exército russo. (...) As autoridades japonesas ofereceram e deram-lhe permissão, depois da qual pediu à América toda a literatura revolucionária que tivessem em mãos. Disse que um dia, tal Dr. Nicolás Russel viria vê-lo em Tókio; disse-o que havia sido enviado para ajudá-lo no trabalho. (...) O movimento foi financiado por um banqueiro nova-iorquino, ao qual todos conhecem; tão logo, recebemos uma tonelada e meia de propaganda revolucionária russa. Ao fim da guerra, cinqüenta mil oficiais e soldados russos voltaram às suas terras sentindo-se ardentemente revolucionários. Os Amigos da Liberdade Russa espalharam 50.000 sementes de liberdade em 100 regimentos russos. Não sei quantos desses oficiais e soldados estavam na fortaleza de Petrogrado na última semana, porém é certo que o exército esteve na Revolução.”

Então, leu-se um telegrama de Jacob H. Schiff:

“Diria, de minha parte, aos presentes na reunião desta noite, o quanto lamento por estar impossibilitado de celebrar com os Amigos da Liberdade Russa a atual recompensa daquilo que temos esperado e lutado por tantos anos”.

* * *

Em “The American Hebrew”:

10 de Setembro de 1920.

“Fora do caos econômico, o judeu descontente organiza o capital com seu instrumento de trabalho – o sistema bancário. (...) Um dos mais impressionantes fenômenos de nosso tempo é a revolta dos judeus contra o Frankenstein que eles próprios conceberam, que suas próprias mãos modelaram. (...) O logro da Revolução bolchevique russa, destinada a figurar na história como o sombrio resultado da guerra mundial, saiu de mentes judias, do descontentamento judaico, do seu esforço por reconstruir-se. (...) O que o idealismo e o descontentamento judaico contribuíram tão poderosamente aos logros na Rússia, são as mesmas históricas qualidades do coração e mente judaicos que tende a provocar em outros países. (...) Os judeus oprimirão a América, como a Rússia dos czares, com falsa repreensão de serem os destruidores do poder na posição de um inimigo irreconciliável? Ou se aproveitarão de seu gênio e dos gênios peculiares de cada raça? Esta é a questão que o povo americano deve contestar”.

* * *

James Waterman Wise, filho do rabino S. Wise, em “Free Synagogue”, questionando se a crescente onda de corrente fascista haveria de prejudicar os judeus:

28 de Janeiro de 1934.

“O que fazemos, como judeus, é enfrentar duramente o fascismo, em qualquer forma sua. O próximo passo que temos de dar assim que possível, pelo interesse dos trabalhadores, é o de agarrar todas as indústrias das nações e não deixar nada em pé, mesmo que tenhamos de usar a violência”.

* * *

Alfred Nossig em seu livro “Integrales Judentum”:

Berlim, 1922.

“O socialismo e a Lei Mosaica não são opostos; todos os grupos judaicos possuem um interesse vital na vitória do socialismo, não somente por seus princípios, nem também por sua identificação com sua doutrina, mas, sobretudo, pelo terreno tático. Ao judeu socialista, reserva-se um lugar de papel importante no partido terrorista comunista”.

* * *

Hermann Bernstein:

“A questão judaica está intimamente ligada com todas as fases da vida industrial, social e política do povo russo, e sem a emancipação dos judeus, o rejuvenescimento da Rússia é inconcebível”.

* * *

Theodor Herz, líder sionista, em “The jewish state”:

“Quando nós judeus nos arruinamos, convertemo-nos no proletariado revolucionário (comunista); quando nos levantamos, também se levanta nosso terrível poder de riqueza (capitalista)”.

* * *

O escritor Alter Brody, em “New Masses”, pg. 14:

12 de Maio de 1936.

“O inegável problema do judeu pode somente ser resolvido em uma sociedade socialista”.

* * *
Anotações do livro “How odd of God” por Rabbi Lewis Browne:

“Nenhum agitador desejou com tanta vivacidade a Revolução Francesa de 1848 que dois judeus: Heinrich Heine e Ludwig Borne. Foi um judeu, Leon Trotsky, quem dirigiu o Exército Vermelho e salvou a causa comunista na Rússia. Foi um judeu, Karl Liebnecht, ajudado por uma judia, Rosa Luxemburg, que dirigiu a sublevação espartaquista na Alemanha. Foi um judeu, Bela Kuhn, que implantou o regime vermelho na Hungria. Foi um judeu, Kurt Eisner, quem dirigiu o golpe socialista na Bavária. Para o judeu, a atividade revolucionária parece ser o único caminho para a autêntica liberdade”.

* * *

Rabbi Abba Hillel Silver, em seu livro “O impulso democrático na história judaica”:

1928.

“O impulso democrático na história judaica recalca a persistência e dominação, igualmente na esfera política, econômica e religiosa, e admite, na vida nômade do deserto, que seus antepassados, em tribos, eram de estrutura comunista”.

* * *

Artigo de James Waterman Wise, filho do rabino chefe S.S. Wise. “New Masses”, controlado por judeus:

19 de Outubro de 1935.

“’Os judeus não são comunistas’ é o refrão emitido em conjunto por Dr. Cyrus Adler, presidente do Comitê Judaico Americano, Alfred M. Cohen, presidente da B’Nai B’rith e B.C. Kladek, presidente do Comitê Laboral Judaico. (...) Esses senhores negam histericamente que o comunismo é judaico e repudiam freneticamente os judeus que são comunistas. (...) Sua declaração difama a Rússia soviética e mente sobre o povo judeu. (...) Por trás de frases altissonantes, existe um mascaramento às potências nacional-socialistas da América para o assassinato de judeus. (...) Vamos analisar sua declaração. A primeira tenta demonstrar que os judeus da Alemanha e de outros países não eram e não são comunistas. A segunda, que o comunismo e a União Soviética são inimigos dos judeus e do judaísmo. Dizem que a Rússia Soviética que entre os 36 comissários que a constituem somente dois são judeus. (...) É possível que os chefes do Comitê judaico-americano, a B’nai B’rith e o Comitê Laboral Judaico não tenham nunca sequer ouvido de Litinoff, Yaroslovsky, Kaganowitch, Radeck, Bella Kun? Os judeus que negam que muitos dos seus congêneres são judeus, burlam coisas deles próprios. (...) Os senhores que hoje negam os judeus comunistas, negarão amanhã os judeus socialistas? Ultimamente, esses super-patriotas consideram verdadeiros americanos somente os judeus que estão dentro de organizações fascistas e grupos de vigilância. (...) Está suficientemente claro que os autores que essa peça perfídia não representam as verdadeiras massas de judeus americanos. Para contrastar, seu veneno que aclama por repetição, os judeus devem tomar ativas e positivas medidas. Deve existir um estreitamento da frente unida contra o fascismo. E, ao tomar parte na forma dela, os judeus da América se auto-proclamarão comunistas”.

* * *

Raffes, bem conhecido líder bolchevique judeu:

“O ódio do czarismo contra os judeus estava justificado, desde 1860 em diante. Em todos os partidos revolucionários, o governo teve de contar aos judeus como os membros mais ativos”.

* * *

M. J. Olginm, em seu iídiche “Morning Freiheit”:

Nova Iorque, 07 de Agosto de 1936.

“As tendências judaicas da Frente Popular na Espanha declaram que esta é a maior anfitriã contra o anti-semitismo e pela defesa dos direitos do povo judaico. (...) Fazem-se coletas nas casas de lá para ajudá-la. Elas são tão importantes para os aqueles que lutam na Espanha, como para as massas nos Estados Unidos. Os espanhóis que lutam podem estar seguros de que um grande número de trabalhadores na América toma parte de uma ação de solidariedade internacional tangível. (...) Trata-se de algo necessário que deverá se desenvolver em uma base, pela organização de Frente Popular. Porém, isso é o que alguns judeus me disseram sobre a atitude do recolhimento de contribuições. Quando se deu início, o pedido de fundos para a Revolução espanhola em uma casa de roupas de Nova Iorque, alguns dos trabalhadores, uma minoria, protestaram que não podiam contribuir porque ‘não haviam esquecido o que a inquisição espanhola havia feito aos judeus. (...) Não é necessário recordar aos judeus que os ‘rebeldes’, como são chamados pela imprensa, colocaram todos os judeus no Marrocos espanhol, que está sob seu controle, em campos de concentração. (...) A questão, sem dúvida, é mais ampla. A guerra que se leva a cabo na Espanha, abarca algo a mais que o território espanhol. É de vida ou morte para os judeus do mundo. (...) Quando a Frente Popular vencer definitivamente na Espanha, se reforçará a frente francesa e dará um ímpeto para as outras frentes populares de todo o mundo. (...) Isto fará mais segura a posição dos judeus nos países capitalistas, de onde ainda existe a democracia burguesa, e acelerará o final do fascismo naqueles países onde a suástica e a camisa negra são agora donos supremos. (...) Por isso, cada judeu deve apoiar a luta da Frente Popular na Espanha.

* * *

No “New York American” de, citando uma conexão da Agência Telegráfica judaica desde Paris:

Nova Iorque, 14 de Abril de 1936.

“O judaísmo internacional está definitivamente ao lado do governo espanhol”.

* * *

Em “New York American”, no comentário feito por David Dublinsky, Presidente da União Radical Internacional de Trabalhadores de Confecção:

Nova Iorque, 05 de Agosto de 1936.

“Supri a necessidade de ajudar a Frente Popular na Espanha, ordenando a nossas centrais que lhes enviasse cinco mil dólares”.

O mesmo periódico publicou, em 10 de Outubro de 1936, uma fotografia do cheque.

* * *

O cientista judeu Einstein anunciou seu apoio ao governo vermelho espanhol, em Fevereiro de 1937, assim como o judeu Charlie Chaplin (Levinsky). 

* * *

Otto Weininger, em seu livro “Sexo e caráter”:

Viena, 1921.

“A idéia da propriedade está indissoluvelmente unida com a individualidade. Esta é uma das razões pela qual os judeus se unem em grande número ao comunismo”. Pg. 406.

“O judeu é um comunista”, pg. 413.

“O judeu é totalmente incapaz de compreender a idéia de Estado”, pg. 407.

* * *

Kadmi Cohen, em seu livro “Nomads”:

1928.

“O instinto de propriedade, resultante do amor pela terra, não existe para os semitas; esses nômades nunca possuíram e nunca irão possuí-la. Resultam disso suas indiscutíveis tendências comunistas, desde a velha antiguidade”. Pg. 85

“Somente se necessita lembrar os nomes dos grandes judeus revolucionários do século XX, como Karl Marx, Lasalle, Einser, Bela Kuhn, Trotsky e Leon Blum, para assim enumerar os teóricos do socialismo moderno. Os judeus têm dado muitos líderes aos movimentos marxistas e têm estado como que jogando em uma parte considerável deles. (...) As tendências judaicas acerca do comunismo, à parte de toda cooperação material às organizações de partido, são a surpreendente confirmação que encontraram na aversão que um grande judeu, o grande poeta Heinrich Heine, sentia pela lei romana. As causas subjetivas e passionais da revolta de Rabbi Akiba e Bar Kocheba no ano de 70 a.C. contra a Pax Romana e o Jus Romanum, compreendidas e sentidas, subjetivamente, por um judeu do século XIX, o qual, aparentemente, não tinha ligação com sua raça. (...) E os judeus revolucionários, e os comunistas judeus, que lutam contra o princípio de propriedade privada, como é o Codex Juris Civilis de Justiniano e Vulpiano, não fazem a mesma coisa que fizeram seus antepassados que resistiram a Vespasiano e Tito?”. Pg. 86

* * *

Em “L’Univers Israelite”:

Paris, 05 de Setembro de 1867.

“A Revolução, com sua igualdade e fraternidade, é a estrela de Israel”.

* * *

Em “Archivens Israelites”:

Paris, 06 de Julho de 1889.

“O ano de 1789 é um novo passo: a Revolução Francesa tem um surpreendente caráter hebreu”.

* * *

Elie Eberlin em seu livro “Jews of today”:

Paris, 1928.

“O Paleosionismo segue seu labor na Rússia, Palestina e em as todas partes; nesta hora aparece como o único partido proletário internacional. Uma de suas frações se une à internacional comunista, enquanto que a outra à internacional socialista”. Pg. 24

“Através de sua existência autônoma, o povo judeu experimentou muitas formas de governo. Porém, nem a ditadura paternal do grande Moisés, nem a Monarquia regida por uma constituição religiosa, nem a república dos fieis, sob presidência do sumo sacerdote, nem sequer o despotismo dos últimos reis de Roma podem satisfazer um povo sonhador. Os judeus sempre tiveram um governo, porém nunca o suportaram”. Pg. 134.

“Por certo, os judeus não puderam manter seu próprio Estado entre os Estados da Antigüidade e fatalmente tiveram de converter-se no fermento revolucionário do mundo”. Pg. 142

“No bolchevismo existe a idéia judaica, tal como a renúncia unida à recompensa no outro mundo e a busca da felicidade neste. Porém, esta idéia, que marca o triunfo dos valores judaicos sobre os mistico-cristãos é, agora, comum a todos os povos”. Pg. 155

* * *

Bernard Lazare, em seu livro “Anti-semitismo e suas causas”:

Paris, 1894.

“Os judeus tomam parte nas revoluções e nelas mantêm-se como jogadores. Seu espírito é consciente e essencialmente revolucionário. Ou, de outro modo, pode-se dizer que o judeu é um revolucionário nato”. 

Comentários

  1. Magnífico! Mais pessoas precisam saber a verdade. Vou divulgar vosso blog.

    ResponderExcluir
  2. Camarada, o que eu mais vejo hoje em dia são pessoas agindo e pensando iguais aos judeus. Até o visual dos homens é similar aos narigudos deformados. Barba comprida, aparência suja de mendigo e humor vulgar e ofensivo. Os judeus sentem uma profunda inveja de nós homens brancos que nascemos fortes, viris e destemidos enquanto eles são inferiores, fracos e sujos. Eu nutro um ódio profundo dos judeus. Afinal é por culpa deles que a humanidade se encontra do jeito que ela está hoje: Feminismo radical, militantes vegetarianos intolerantes com quem come carne e movimento gayzista cada vez mais forte. Os judeus são os ratos do mundo. Se bem que eu acho uma ofensa comparar os pobres ratos a esses seres imundos e insignificantes que são os malditos judeus. maldita raça judaica, mentirosos e manipuladores.

    ResponderExcluir
  3. A maldita raça judaica jogou a juventude nas drogas, na subversão e na prostituição. Essa raça maldita e imunda odeia disciplina, honestidade e educação. Eles gostam mesmo é de sujeira(RATOS SUJOS) e tudo que não presta. Se a juventude, e em especial a brasileira se encontra chafurdada na lama é por culpa desses JUDEUS MALDITOS! OS NARIGUDOS DEFORMADOS ocupam a mídia, a imprensa e as universidades com suas idéias ridículas e imbecis de "mundo ideal para todos". Multiculturalismo é o cacete! Prefiro morrer lutando do que deixar a maldita raça judaica suja e imunda destruir o ocidente com suas imbecilidades. RATOS MALDITOS!

    ResponderExcluir
  4. O judaísmo hoje em dia infelizmente está em todos os lugares. No humor politicamente correto e vulgar e até na Igreja Católica. O catolicismo é hoje uma religião judaica. Até os falsos padres defendem comunistas e sionistas. O vitimismo judaico fez até um RATO imundo chamado Henry Sobel se tornar amigo dos padres. EU TENHO NOJO DOS JUDEUS. Infelizmente nunca mais irá aparecer um Hitler pra colocar essa raça no seu devido lugar e parar com essa baixaria que se transformou a cultura ocidental.

    ResponderExcluir
  5. Camarada não tenha medo de expor a imundice dos ratos judeus. Continue expondo essa quadrilha internacional de bandidos sionistas. Se eles derrubarem um post seu, ponha outro. Não abaixe a cabeça para os ratos judeus. Temos que expor a sujeira desses lixos humanos.

    ResponderExcluir
  6. https://pp.vk.me/c836424/v836424892/19128/vpTTDGnxWkc.jpg O FUTURO DA RAÇA JUDAICA É INERENTE AO COMUNISMO INTERNACIONAL.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

O Sentinela - Mídia dissidente brasileira

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Oque nossos leitores mais leem

2 milhões de alemãs - O Maior estupro em massa da História

Na foto, mulheres que suicidaram-se em uma praça, para não vivenciarem os estupros.
Aos 80 anos, Gabriele Köpp tem problemas com sono, por vezes, simplesmente não consegue comer. Aos 15 anos, ela foi repetidamente violada por soldados soviéticos, sendo virgem e não tendo nenhum conhecimento prévio sobre o sexo.
A revista "Spiegel" escreve que não existem os dados exatos sobre a quantidade de mulheres alemãs violadas pelo exército soviético, o número que aparece em várias publicações aponta para dois milhões de mulheres (2.000.000). Segundo a investigação do Dr. Philipp Kuwert, especialista de traumas e chefe do Departamento de Psiquiatria e Psicoterapia do Hospital universitário de Greifswald, a idade média das vítimas de violações soviéticas era de 17 anos e cada mulher foi violada em média 12 vezes. Quase metade das vítimas possui síndromes pós – traumáticos, incluindo os pesadelos, tendências de suicídio, anestesia emocional. Cerca de 81% destas mulheres adquiriram o efeito…

Por que os países árabes ricos não recebem os refugiados muçulmanos?

Porque eles não querem que eles residam permanentes...
Os trabalhadores estrangeiros são muito produtivos para o trabalho, melhorando a economia do país e vão para casa quando seus contratos estão chegando ao fim.
Os residentes estrangeiros, no entanto, tendem a trazer sua própria bagagem cultural e política com eles. Esses países já estão lutando para lidar com a modernização e reformas políticas/sociais, de modo que eles não precisam da "porcaria de ninguém" empilhada sobre si.
os "Idiotas do leste" estão muito felizes em ajudar...mesmo os trabalhadores estrangeiros podendo ser um fardo, como foi mostrado durante a Guerra do Golfo em 1991.
Trabalhadores palestinos e iemenitas foram expulsos de vários desses estados, porque seus governos saíram em apoio ao Iraque, ao contrário da política de seus governos, que era de acolhimento.
Com os trabalhadores estrangeiros, você pode simplesmente cancelar seus vistos e enviá-los para casa. Se você tem pessoas aceitas como imigra…

A família de Hitler e seus descendentes hoje

Adolf Hitler e Eva Braun, sua futura esposa, com quem se casaria, segundo relato, pouco antes da capitulação frente aos aliados

Um assunto bastante curioso e interessante, porém, pouco e até mesmo delicado de se tratar é a questão da família de Hitler e seus descendentes no contexto do pós guerra. Evitado tanto pelo lado daqueles que lutaram contra a Alemanha Nacional-Socialista, quem sabe pelo fato de terem em cheque uma acusação de perseguição infundada e por isso mantenham interesses em ocultar certos segredos, quanto por aqueles que são e foram seus simpatizantes, talvez por falta de informação ou censura. 
Muitas foram e ainda são as especulações a cerca da origem do Chanceler alemão e sua descendência. Umas dizem que Hitler teria sangue judeu correndo e suas veias, vindas de seu avô (ou bisavô), ou que seria um membro família Rotschild (banqueiros judeus) ou mesmo que Hitler teria tido filhos e escondido tal fato da mídia, mas que porém, com a queda da Alemanha, os Aliados teriam …

A Conquista Moura da Península Ibérica: Mouros escravizaram portugueses por 741 anos - onde estão minhas reparações?

A grande "dívida" que os brancos tem com os negros por 400 anos de escravidão é provavelmente a maior mentira já contada na história. O preconceito contra os brancos é tão grande que até o Google mudou o resultado da minha pesquisa de “império mouro escravidão” para “império romano escravidão”. Mouro vem do latim Maures que significa Negro, devido a cor da pele deles dos integrantes do Império Mouro.
O Império Mouro foi o grande império muçulmano que conquistou o norte da África, Oriente Médio e Península Ibérica ( onde hoje se localizam Portugal e Espanha), é o mesmo império que alguns muçulmanos querem refazer através do estado islâmico. Com o regime de Califado, onde um homem seria escolhido por Deus para liderar o povo muçulmano na conversão do mundo para o islamismo.
Com o declínio do Império Romano, o Califado conseguiu uma brecha e em menos de uma década conquistou a península Ibérica inteira. Apesar da resistência de algumas regiões que voltaram rapidamente ao domínio …

Os judeus a Revolução Comunista russa e o assassinato do Czar

Acima, Tatiana e Olga; Sentados: Maria, Alexandra, Nicolau e Anastácia. E no chão, Alexei
Por Mark Weber
Na noite de 16-17 de julho de 1918, uma esquadra da polícia secreta Bolchevique assassinou o último imperador da Rússia, o Czar Nicolau II, junto com sua esposa, a Czarina Alexandra, seu filho mais velho de 14 anos, o Czaverch Alexis, e suas quatro filhas. Eles foram abatidos numa salva de balas num pequeno espaço de um cômodo da casa em Ekaterinoburgo, uma cidade na região dos Montes Urais, onde eles estavam mantidos como prisioneiros. A complementação da execução das filhas foi feita com baionetas. Para prevenir o culto ao Czar morto, os corpos foram descartados para o campo aberto e apressadamente enterrados em um túmulo secreto.
Avaliando o sinistro legado do comunismo soviético
As autoridades Bolcheviques inicialmente relataram que o imperador Romanov tinha sido baleado após a descoberta de um plano para liberar ele. Por algum tempo as mortes da Imperatriz e das crianças foram…

Gudrun Burwitz, a filha de Himmler, ativismo e família

Gudrun Burwitz, hoje com 86 anos. Na foto, aos desperdice dos netos no subúrbio do Munique, onde mora até hoje
Ao acenar adeus a seus netos, Gudrun Burwitz apresenta a figura de uma mulher pronta para viver o resto de seus dias em paz e sossego. Porém, a filha de Heinrich Himmler ainda trabalha em um ritmo forte em seu ativismo a favor dos perseguidos pelo sistema por serem ou trabalharem para o nacional-socialismo.
A Sra. Burwitz sempre alimentou a memória de seu pai, o homem que dirigia a Gestapo, e a SS como um homem bom e digno.
E apesar de sua idade avançada, formada advogada, ela continua a ajudar antigos integrantes do nacional-socialismo a escapar da perseguição judicial a qual foram impostos pelos inimigos da Alemanha. 
Como a figura de liderança do grupo Stille Hilfe – Ajuda Silenciosa – ela provê todo tipo de ajuda, inclusive financeira, aos ex-integrantes nazi e colaboradores. Grupo formado em 1951 por um grupo de oficiais de alta patente das SS, na Alemanha, o grupo existe pa…

O calvário das viúvas da ocupação

Após a liberação dos territórios ocupados pelos alemães dos países europeus, milhares de mulheres que tinham relacionamentos com soldados alemães foram expostas a execuções humilhantes e brutais nas mãos de seus próprios concidadãos. Era a "Épuration Légale" ("purga legal"), a onda de julgamentos oficiais que se seguiu à liberação da França e da queda do Regime de Vichy. Estes julgamentos foram realizados em grande parte entre 1944 e 1949, com ações legais que perduraram por décadas depois.
Ao contrário dos Julgamentos de Nuremberg, a "Épuration Légale" foi conduzida como um assunto interno francês. Aproximadamente 300.000 casos foram investigados, alcançando os mais altos níveis do governo colaboracionista de Vichy. Mais da metade foram encerrados sem acusação. De 1944 a 1951, os tribunais oficiais na França condenaram 6.763 pessoas à morte por traição e outros crimes. Apenas 791 execuções foram efetivamente realizadas. No entanto, 49.723 pessoas foram …

A Grande Farsa do Holocausto Judaico (PARTE I) - "Fotos Falsificadas"

Todos os anos desde o fim da Segunda Guerra Mundial nos deparamos com centenas de livros, documentários, seriados de TV e tantos outros materiais relacionados ao genocídio ou ao assassinato de 6 milhões de judeus em câmaras de gás nos campos de concentração, cometidos pelos Nacional-Socialistas durante a Segunda Guerra Mundial, mais precisamente do ano de 1942 à 1945. Não seria lógico entender a invenção do Holocausto como uma maneira de esconder os crimes cometidos pelos próprios aliados em Hiroshima, Nagasaki, Dresden e tantos outros? Como podemos explicar a atual posição de alguns historiadores e até mesmo do ex-presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, em negar tal acontecimento? Como muitos sabem, e também muitos não sabem, na Europa a negação do Holocausto vêm sendo criminalizada com leis específicas, impedindo pesquisadores e pessoas sérias de saberem o que de fato aconteceu nos campos de concentração alemães durante o período de 1942 até 1945. 
No entanto, este grave crime cont…

A verdade sobre Olga Benário e Prestes

Olga Gutmann Ben-Ario (1908 - 1942)
Por: Luiz Gonçalves Alonso Ferreira (1)

Na alvorada de março de 1934, vindo de Buenos Aires portando passaporte americano, desembarcara no Rio de Janeiro um sujeito de nome Harry Berger. Preso pela polícia carioca no natal de 1935, logo revelou-se a identidade secreta do viajante. Chamava- se, o misterioso elemento, Arthur Ernst Ewert, judeu alemão, fichado em seu país de origem, no qual era ex- deputado, como espião. Constava também processo por "alta traição".
Berger era o agente do Komintern, especialista em golpes subversivos, enviado para o Brasil com a missão de dirigir intelectualmente o plano traçado em Moscou, que objetivava a instauração de uma ditadura de tipo stalinista no País, por meio de levante armado. Sob ordens de Berger, lá estava Luiz Carlos Prestes, homem escolhido para encabeçar um "governo popular nacional revolucionário", segundo relatório do próprio Berger para o Komintern.
Prestes angariou simpatia no meio c…

“Nossas mães, nossos pais” - Um filme sobre a verdade da guerra

O filme “Nossas mães, nossos pais” (do alemão: "Unsere Mütter, unsere Väter"), exibido pelo canal de televisão alemão ZDF, conta a história de cinco jovens para os quais a Segunda Guerra Mundial se torna um desafio moral e ético, deixando clara a impressão de que a Alemanha está cansada de arrependimentos. O filme basicamente apresenta os soldados soviéticos como estupradores, os poloneses como antissemitas desumanizados e os ucranianos como sádicos. O contexto do drama vivido na invasão da Europa na sua verdadeira face.
A diplomacia russa considerou inaceitável o filme e enviou uma carta ao embaixador da Alemanha dizendo que a “maioria absoluta dos russos que teve a oportunidade de assistir ao filme” o achou inaceitável. Também foi criticado a exposição que fez o filme as atrocidades cometidas pelas tropas da URSS aos excessos isolados perpetrados por militares soviéticos na Alemanha, os quais foram severamente punidos pelo comando militar soviético, mas tão só depois de um …