Pular para o conteúdo principal

A farsa Breivik, Sionismo e Maçonaria


Anders Behring Breivik, ou simplesmente, "Breivik", nascido em 1979, natural de Oslo é o autor confesso dos atentados na Noruega que mataram 77 pessoas e feriram outras 51 pessoas, no dia 22 de julho de 2011 [1]. Vestido de policial, entrou no terreno de um acampamento de jovens da Arbeiderpartiet norueguês (Partido dos Trabalhadores) na ilha de Utøya ("ilha de fora", na comuna de Hole, em Buskerud, Noruega) [2], abrindo fogo contra os jovens que lá estavam, matando pelo menos 68 deles naquele momento e combinadamente explodiu, em Oslo, capital do país, carros bomba contra uma sede de governo. - NT

Repercutem com intensidade os trágicos episódios do atentado duplo com carro-bomba em Oslo e dos ataques a tiros na ilha de Utoya, ações terroristas coordenadas que provocaram quase 100 mortos, constituindo-se na maior tragédia vivida pela Noruega desde a II Guerra Mundial.

Na divulgação do acontecimento e seus desdobramentos, o sistema midiático internacional, recorrendo mais uma vez às tradicionais técnicas de distorções de informações – manipulando como de costume a opinião do cidadão comum e atentando contra a inteligência do observador mais atento -, insiste em apresentar o autor do massacre como um representante dos movimentos “nacionalistas” e da “extrema direita europeia”, “um cristão fanático”. 

Não obstante os esforços dos conhecidos formadores da “opinião pública mundial” em ludibriar os povos em benefício dos escusos objetivos da plutocracia que os mantém – explorando fatos de menor interesse e ocultando dados realmente esclarecedores -, fontes virtuais independentes trouxeram à tona subsídios que lançam luz e comprovam a existência e atuação de organizações extremistas a serviço da chamada Nova Ordem Mundial. Naturalmente, tais notícias dificilmente serão transmitidas pelos grandes veículos de comunicação atuais, devido ao papel fundamental que representam nas estruturas e mecanismos de domínio e poder do Governo Mundial.

Para um melhor entendimento das verdadeiras conexões e intenções do atirador Anders Behring Breivik é preciso antes uma breve análise da política externa norueguesa para o Oriente Médio neste último semestre:

Em janeiro de 2011, o ministro norueguês dos Negócios Estrangeiros, Jonas Gahr Stoere, declarou que seu país tomaria a dianteira no reconhecimento de um Estado Palestino, num momento em que as instituições palestinas estavam sendo irrevogavelmente estabelecidas.

Em março, o Partido Socialista de Esquerda (Sosialistisk Venstreparti), de Kristin Halvorsen, atual Ministra da Educação e Formação no governo de Jens Stoltenberg, primeiro-ministro da Noruega e presidente do Partido Trabalhista, planejou votar uma medida defendendo uma ação militar contra Israel, caso o Estado Judeu decidisse efetuar um ataque ao governo do Partido Hamas, na Faixa de Gaza.

Dias antes dos atentados, o mesmo Jonas Gahr Stoere visitou a ilha de Utoya, aonde presenciou no acampamento da Juventude do Partido Trabalhista uma manifestação pedindo o boicote do governo norueguês ao Estado de Israel… (foto abaixo)


Nas vésperas das explosões em Oslo, noticiou-se que a polícia da capital norueguesa realizou exercícios antibomba, provavelmente por ter sido alertada sobre a ameaça de grupos contrários à política do governo.

Por quais razões informações tão relevantes para a investigação do caso não são levadas ao conhecimento público?

Consumados os ataques, percebendo a inviabilidade de atribuir aos grupos fundamentalistas islâmicos a autoria do cruel morticínio – como usualmente faz -, as principais organizações midiáticas internacionais trataram logo de imputar ao “extremismo de direita”, aos “nacionalismos” e ao “radicalismo cristão” a responsabilidade pelo desastre.

Duas são as finalidades desta manobra maquiavélica: primeira, desviar o foco da atenção pública para uma informação crucial que realmente contribua para a compreensão das causas reais dos ataques, qual seja, a do notório descontentamento do movimento sionista internacional para com as últimas posições do atual governo norueguês quanto à Questão Palestina e suas intenções de retaliação; a segunda, galvanizar o repúdio geral à nefanda ação e canalizá-lo contra as autênticas organizações nacionalistas e espiritualistas europeias que, cientes do perigo representado pelo sionismo, lutam heroicamente contra a imposição do tirânico Governo Mundial e pelo erguimento espiritual, moral, social, econômico e cultural do Velho Mundo.

Em sua venal campanha de desinformação, visando ainda encobrir elementos que desnudem a verdadeira ideologia de Anders Behring Breivik, suas secretas relações e conexões, a grande imprensa mundial tentou apresentá-lo como um desequilibrado cuja insanidade levou-a a agir sozinho. O argumento, porém, foi desmentido posteriormente pelas próprias declarações do atirador após sua prisão, nas quais garantiu gozar de plenas faculdades mentais, além de informar sobre a existência de outras células militantes de sua rede terrorista.

Inegavelmente, as investidas em duas localidades distintas – Oslo e a ilha de Utoya -, o problema logístico para o empreendimento de um ataque de tal envergadura e as elevadas perdas humanas mostram que Breivik não está sozinho e pertence a uma organização experimentada em ações militares daquela natureza.

Emilie Bersaas, 19 anos, testemunha ocular dos eventos em Utoya, disse que “os tiros vinham das mais diversas direções”, depoimento confirmado por várias outras testemunhas e sobreviventes do massacre.

Mas a quais organizações estaria ligado Breivik?

Breivik em seus trajes maçônicos
O terrorista de Oslo e Utoya era Mestre Maçom da Loja Pilares de Oslo. No manifesto intitulado “2083 – Uma Declaração Europeia de Independência” – postado nos meios virtuais e a ele atribuído – são feitas 11 citações aos termos “Maçom”, “Maçons” ou “Maçonaria”, encontrando-se um endereço de uma loja online de artigos maçônicos.

A foto de Breivik trajando seus paramentos de Mestre Maçom foi inserida por ele próprio em seu Manifesto que circula na rede mundial e logo abafada sua divulgação pela mídia internacional.

Após a repercussão mundial da tragédia, o Grão-Mestre da Maçonaria Norueguesa veio a público repudiar o episódio, lamentar os mortos e comunicar a exclusão de Breivik da Ordem… certamente o comunicado pretendia desassociar as ideias políticas do atirador às de seus irmãos de Loja e o mesmo parece ter bastado para que órgãos midiáticos, governo e as próprias autoridades públicas norueguesas colocassem uma pá de cal em torno do assunto! Contudo, utilizando-se de dois pesos e duas medidas, em sua manhosa campanha de engano público, a mesma imprensa que não faz questão nenhuma de mencionar as relações de Breivik com a Maçonaria, não mede sacrifícios em fabricar uma suposta relação entre o fanatismo sanguinário do atirador e os movimentos nacionalistas e cristãos.

Como membro de uma ordem secreta e internacional, cuja doutrina é incompatível com os Evangelhos e, portanto, condenada desde o século XVIII por bulas e encíclicas papais e mesmo por líderes protestantes; como adepto de uma seita que constitui um poder paralelo dentro dos Estados e cuja história nos três últimos séculos notabilizou-se pela conspiração contra os interesses de diversos governos e povos; portanto, como seguidor de uma organização antinacional e anticristã, Anders Behring Breivik jamais poderia ser qualificado como “nacionalista” e “cristão” autêntico.

Detalhe curioso sobre este último ponto, segundo documento colocado pelo próprio atirador na Internet, desejava ele se preparar para o massacre usufruindo dos serviços de duas prostitutas de luxo e inebriando-se em bom vinho francês! Confissão que muito dificilmente um “conservador cristão” teria o despudor de tornar pública…!

Na verdade, analisando-se a experiência de Breivik como Mestre Maçom, o conteúdo visceralmente anti-islâmico de seu discurso, as declarações pró-Palestina de alguns membros do atual governo norueguês, bem como, o fato dos alvos escolhidos terem sido jovens que pregavam medidas contrárias aos interesses do Estado de Israel, tudo leva a crer que as verdadeiras conexões do atirador fazem dele um simples instrumento – consciente ou inconsciente – dos planos maçônicos e sionistas de domínio mundial.

De fato, os problemas hodiernos relativos à imigração em massa na Europa de muçulmanos, africanos e asiáticos, a crise econômica verificada em muitos países e a perda da identidade cultural – causados sim, em grande medida, pelas políticas adotadas por governos socialistas e de centro-esquerda – têm levado muitos europeus a procurarem a solução nos partidos e/ou movimentos burgueses-liberais de centro-direita. Em sua ingenuidade política, porém, não percebem muitos deles que mesmo tais organizações caíram sob controle dos interesses maçônico-sionistas, sendo utilizadas hoje para semearem um discurso belicista que, levantando dentre outras bandeiras, justificativas pseudo-religiosas, – “cruzada” contra o perigo muçulmano, por exemplo – visa colocar a Europa Ocidental em rota de colisão direta contra o mundo islâmico. Assim como nas Américas, a cegueira política das lideranças da direita burguesa-liberal tem levado muitos europeus a servirem inconscientemente aos objetivos sionistas, quando consideram o Estado de Israel como baluarte da “democracia” no Oriente Médio, ao mesmo tempo em que são condicionados a verem nas nações árabes e islâmicas apenas regimes tirânicos, ditatoriais e fundamentalistas. Aproveitando-se desta deprimente avaliação política da chamada “direita” para o Oriente Médio, são curiosamente as organizações esquerdistas que procuram oportunamente colocarem-se como apoiadoras do Estado Palestino – ainda que jamais tenham encampado uma verdadeira luta contra o sionismo, devido às raízes judaicas do socialismo/comunismo -, cooptando assim, estrategicamente, a simpatia de centenas de milhões de muçulmanos para suas causas.

"tosco" é uma expressão que vem a mente olhando aquele que é ou finge ser o personagem
Numa das fontes independentes consultadas, sugere-se que o grupo de apoio a ação de Breivik é provavelmente da mesma espécie que os envolvidos na ação terrorista conhecida como Operação Gládio, empreendida na Itália pela loja maçônica P2, no início da década de 1980. Após o atentado a bomba na estação de trem de Bolonha, que deixou 85 mortos, a polícia italiana encontrou em março de 1981 uma lista com 962 membros da P2, na qual continham: 3 ministros de governo e 43 membros do parlamento; 43 generais e 8 almirantes; diplomatas, industriais, banqueiros, jornalistas e celebridades de TV.

Victor Ostrovsky, ex-agente do MOSSAD – serviço secreto israelense – escreveu que Licio Gelli, então Grão-Mestre da P2, foi aliado do MOSSAD na Operação Gládio.

O relato menciona também que chefes de serviços secretos e comandantes de polícia faziam parte da organização, fato que faz pensar sobre a estranha demora da polícia norueguesa no socorro às vitimas do atirador em Utoya, algo que vem sendo questionado por muitos num país cujos aparatos policiais estatais são considerados avançados e eficientes…

Que os povos prestem bastante atenção no desenvolvimento do caso do “louco” atirador norueguês…

No mundo todo, décadas antes e depois da II Grande Guerra, inúmeros autores apontaram os planos hegemônicos e de supremacia do movimento sionista internacional, vendo na Maçonaria um de seus principais e mais eficazes braços.

No Brasil, os integralistas não compram os gatos por lebres da grande imprensa burguesa-liberal, procurando denunciar, desde a década de 1930, as atividades antinacionais e anticristãs da Maçonaria, a qual pretende sujeitar nossa Pátria aos interesses e ditames do pérfido Governo Mundial Sionista e sua cada vez mais consolidada República Universal.

Luiz Gonçalves Alonso Ferreira

Vice-Presidente Nacional da Frente Integralista Brasileira e Coordenador da Região Sudeste

Essas considerações finais do último parágrafo são ressalvas do autor, não nossas. - NT

Fontes virtuais independentes consultadas:



Fonte do texto: Inacreditavel (27/07/2011)

------------

A Noruega conseguiu reverter em segunda instância uma decisão que a condenava por tratamento desumano contra o terrorista maçom Anders Behring Breivik.

O regime de solitária aplicado ao assassino de 77 pessoas em 2011, na Noruega, não viola os direitos humanos, segundo decisão de um tribunal norueguês. “O tribunal chegou à decisão de que Andres Behring Breivik não sofre ou sofreu tortura nem tratamentos desumanos e vexatórios”.

No ano passado um tribunal de primeira instância havia condenado o estado norueguês por violação dos direitos humanos de Breivik. A decisão comoveu muitos parentes das vítimas. Agora a decisão foi revogada. Breivik havia reclamado contra os cinco anos de solitária e o controle de suas cartas.

Em fevereiro de 2014, Anders Behring Breivik ameaçou iniciar uma greve de fome em sinal de protesto pelas condições da sua detenção. Uma das exigências do condenado seria a obtenção de novos jogos de video game. O terrorista enumerou várias outras pequenas queixas que incluíam a substituição do Playstation 2 que dispõe por um modelo mais recente, além do acesso a jogos para adultos à sua escolha. Ele taxou como "tortura" o isolamento que sofria no cárcere, exigindo a possibilidade de caminhar e de se comunicar, e também o acesso a um computador "em vez da inútil máquina de escrever com tecnologia de 1873". Entre as reclamações também pede o aumento do seu pagamento semanal.

Ele também recentemente foi aceito como aluno da Faculdade de Ciências Sociais norueguesa, entretanto, caso se disponha a cursar as disciplinas, terá que fazê-lo na prisão. - NT [3] [4]


Revista Veja é Fake News?

Punhos cerrados, saudação “nazista”??
Vejam agora no artigo deste link, como o assunto é tratado pela revista Veja. Apesar de todo o desenrolar do caso ter mostrado que Breivik é no mínimo perturbado mentalmente, os editores da revista não deixam passar a oportunidade de estampá-lo como “neonazista”.

Da mesma forma como encontramos Breivik fazendo a saudação comunista, com os punhos cerrados e apresentado no próprio artigo da revista, existe outra foto do assassino maçom fazendo a saudação hitlerista. E o que isso quer dizer? Que esta clara contradição revela a perturbação mental do condenado ou sua clara intenção de desviar o foco de sua real ideologia, mas não impede que a Veja reforce toda sua ojeriza pelo regime de Hitler e não perca a oportunidade de mostrar o caminho a não ser seguido pelos seus leitores. Ao invés de apresentar os fatos, como todo veículo jornalístico sobre concessão pública faz, ela prossegue livre e solta com seu mantra capenga.

Em termos militares, existe um termo denominado "False flag" (bandeira falsa) que podem ser operações ou realizações conduzidas por governos, corporações, indivíduos ou outras organizações que aparentam ser realizadas pelo inimigo de modo a tirar partido das consequências resultantes. O nome é retirado do conceito militar de utilizar bandeiras do inimigo. Operações de bandeira falsa foram já realizadas tanto em tempos de guerra como em tempo de paz. - NT


NOTA

- grifos e notas em negrito de nossa autoria

Referencias de apoio:

[1] - G1 (link)

[2] utoya.no


[4] - G1 (link)

Comentários

  1. Carros bomba, atentado em um acampamentos,... Só um louco para achar que esse cara agiu e planejou tudo sozinho.

    A facilidade que esse homem teve de fazer tudo isso mostra como as coisas foram facilitadas para ele. É claro que isso tem dedo de grupos sionistas maçons do qual Anders Behring Breivik tem ligações claríssimas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, eu estava dando uma olhada em outros lugares, parece que ele realmente virou NS, pois quando precisou, seus amigos judeus e maçons o abandonaram !

      Excluir

Postar um comentário

O Sentinela - Mídia dissidente brasileira

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Oque nossos leitores mais leem

2 milhões de alemãs - O Maior estupro em massa da História

Na foto, mulheres que suicidaram-se em uma praça, para não vivenciarem os estupros.
Aos 80 anos, Gabriele Köpp tem problemas com sono, por vezes, simplesmente não consegue comer. Aos 15 anos, ela foi repetidamente violada por soldados soviéticos, sendo virgem e não tendo nenhum conhecimento prévio sobre o sexo.
A revista "Spiegel" escreve que não existem os dados exatos sobre a quantidade de mulheres alemãs violadas pelo exército soviético, o número que aparece em várias publicações aponta para dois milhões de mulheres (2.000.000). Segundo a investigação do Dr. Philipp Kuwert, especialista de traumas e chefe do Departamento de Psiquiatria e Psicoterapia do Hospital universitário de Greifswald, a idade média das vítimas de violações soviéticas era de 17 anos e cada mulher foi violada em média 12 vezes. Quase metade das vítimas possui síndromes pós – traumáticos, incluindo os pesadelos, tendências de suicídio, anestesia emocional. Cerca de 81% destas mulheres adquiriram o efeito…

Por que os países árabes ricos não recebem os refugiados muçulmanos?

Porque eles não querem que eles residam permanentes...
Os trabalhadores estrangeiros são muito produtivos para o trabalho, melhorando a economia do país e vão para casa quando seus contratos estão chegando ao fim.
Os residentes estrangeiros, no entanto, tendem a trazer sua própria bagagem cultural e política com eles. Esses países já estão lutando para lidar com a modernização e reformas políticas/sociais, de modo que eles não precisam da "porcaria de ninguém" empilhada sobre si.
os "Idiotas do leste" estão muito felizes em ajudar...mesmo os trabalhadores estrangeiros podendo ser um fardo, como foi mostrado durante a Guerra do Golfo em 1991.
Trabalhadores palestinos e iemenitas foram expulsos de vários desses estados, porque seus governos saíram em apoio ao Iraque, ao contrário da política de seus governos, que era de acolhimento.
Com os trabalhadores estrangeiros, você pode simplesmente cancelar seus vistos e enviá-los para casa. Se você tem pessoas aceitas como imigra…

A família de Hitler e seus descendentes hoje

Adolf Hitler e Eva Braun, sua futura esposa, com quem se casaria, segundo relato, pouco antes da capitulação frente aos aliados

Um assunto bastante curioso e interessante, porém, pouco e até mesmo delicado de se tratar é a questão da família de Hitler e seus descendentes no contexto do pós guerra. Evitado tanto pelo lado daqueles que lutaram contra a Alemanha Nacional-Socialista, quem sabe pelo fato de terem em cheque uma acusação de perseguição infundada e por isso mantenham interesses em ocultar certos segredos, quanto por aqueles que são e foram seus simpatizantes, talvez por falta de informação ou censura. 
Muitas foram e ainda são as especulações a cerca da origem do Chanceler alemão e sua descendência. Umas dizem que Hitler teria sangue judeu correndo e suas veias, vindas de seu avô (ou bisavô), ou que seria um membro família Rotschild (banqueiros judeus) ou mesmo que Hitler teria tido filhos e escondido tal fato da mídia, mas que porém, com a queda da Alemanha, os Aliados teriam …

A Conquista Moura da Península Ibérica: Mouros escravizaram portugueses por 741 anos - onde estão minhas reparações?

A grande "dívida" que os brancos tem com os negros por 400 anos de escravidão é provavelmente a maior mentira já contada na história. O preconceito contra os brancos é tão grande que até o Google mudou o resultado da minha pesquisa de “império mouro escravidão” para “império romano escravidão”. Mouro vem do latim Maures que significa Negro, devido a cor da pele deles dos integrantes do Império Mouro.
O Império Mouro foi o grande império muçulmano que conquistou o norte da África, Oriente Médio e Península Ibérica ( onde hoje se localizam Portugal e Espanha), é o mesmo império que alguns muçulmanos querem refazer através do estado islâmico. Com o regime de Califado, onde um homem seria escolhido por Deus para liderar o povo muçulmano na conversão do mundo para o islamismo.
Com o declínio do Império Romano, o Califado conseguiu uma brecha e em menos de uma década conquistou a península Ibérica inteira. Apesar da resistência de algumas regiões que voltaram rapidamente ao domínio …

Os judeus a Revolução Comunista russa e o assassinato do Czar

Acima, Tatiana e Olga; Sentados: Maria, Alexandra, Nicolau e Anastácia. E no chão, Alexei
Por Mark Weber
Na noite de 16-17 de julho de 1918, uma esquadra da polícia secreta Bolchevique assassinou o último imperador da Rússia, o Czar Nicolau II, junto com sua esposa, a Czarina Alexandra, seu filho mais velho de 14 anos, o Czaverch Alexis, e suas quatro filhas. Eles foram abatidos numa salva de balas num pequeno espaço de um cômodo da casa em Ekaterinoburgo, uma cidade na região dos Montes Urais, onde eles estavam mantidos como prisioneiros. A complementação da execução das filhas foi feita com baionetas. Para prevenir o culto ao Czar morto, os corpos foram descartados para o campo aberto e apressadamente enterrados em um túmulo secreto.
Avaliando o sinistro legado do comunismo soviético
As autoridades Bolcheviques inicialmente relataram que o imperador Romanov tinha sido baleado após a descoberta de um plano para liberar ele. Por algum tempo as mortes da Imperatriz e das crianças foram…

Gudrun Burwitz, a filha de Himmler, ativismo e família

Gudrun Burwitz, hoje com 86 anos. Na foto, aos desperdice dos netos no subúrbio do Munique, onde mora até hoje
Ao acenar adeus a seus netos, Gudrun Burwitz apresenta a figura de uma mulher pronta para viver o resto de seus dias em paz e sossego. Porém, a filha de Heinrich Himmler ainda trabalha em um ritmo forte em seu ativismo a favor dos perseguidos pelo sistema por serem ou trabalharem para o nacional-socialismo.
A Sra. Burwitz sempre alimentou a memória de seu pai, o homem que dirigia a Gestapo, e a SS como um homem bom e digno.
E apesar de sua idade avançada, formada advogada, ela continua a ajudar antigos integrantes do nacional-socialismo a escapar da perseguição judicial a qual foram impostos pelos inimigos da Alemanha. 
Como a figura de liderança do grupo Stille Hilfe – Ajuda Silenciosa – ela provê todo tipo de ajuda, inclusive financeira, aos ex-integrantes nazi e colaboradores. Grupo formado em 1951 por um grupo de oficiais de alta patente das SS, na Alemanha, o grupo existe pa…

O calvário das viúvas da ocupação

Após a liberação dos territórios ocupados pelos alemães dos países europeus, milhares de mulheres que tinham relacionamentos com soldados alemães foram expostas a execuções humilhantes e brutais nas mãos de seus próprios concidadãos. Era a "Épuration Légale" ("purga legal"), a onda de julgamentos oficiais que se seguiu à liberação da França e da queda do Regime de Vichy. Estes julgamentos foram realizados em grande parte entre 1944 e 1949, com ações legais que perduraram por décadas depois.
Ao contrário dos Julgamentos de Nuremberg, a "Épuration Légale" foi conduzida como um assunto interno francês. Aproximadamente 300.000 casos foram investigados, alcançando os mais altos níveis do governo colaboracionista de Vichy. Mais da metade foram encerrados sem acusação. De 1944 a 1951, os tribunais oficiais na França condenaram 6.763 pessoas à morte por traição e outros crimes. Apenas 791 execuções foram efetivamente realizadas. No entanto, 49.723 pessoas foram …

A Grande Farsa do Holocausto Judaico (PARTE I) - "Fotos Falsificadas"

Todos os anos desde o fim da Segunda Guerra Mundial nos deparamos com centenas de livros, documentários, seriados de TV e tantos outros materiais relacionados ao genocídio ou ao assassinato de 6 milhões de judeus em câmaras de gás nos campos de concentração, cometidos pelos Nacional-Socialistas durante a Segunda Guerra Mundial, mais precisamente do ano de 1942 à 1945. Não seria lógico entender a invenção do Holocausto como uma maneira de esconder os crimes cometidos pelos próprios aliados em Hiroshima, Nagasaki, Dresden e tantos outros? Como podemos explicar a atual posição de alguns historiadores e até mesmo do ex-presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, em negar tal acontecimento? Como muitos sabem, e também muitos não sabem, na Europa a negação do Holocausto vêm sendo criminalizada com leis específicas, impedindo pesquisadores e pessoas sérias de saberem o que de fato aconteceu nos campos de concentração alemães durante o período de 1942 até 1945. 
No entanto, este grave crime cont…

A verdade sobre Olga Benário e Prestes

Olga Gutmann Ben-Ario (1908 - 1942)
Por: Luiz Gonçalves Alonso Ferreira (1)

Na alvorada de março de 1934, vindo de Buenos Aires portando passaporte americano, desembarcara no Rio de Janeiro um sujeito de nome Harry Berger. Preso pela polícia carioca no natal de 1935, logo revelou-se a identidade secreta do viajante. Chamava- se, o misterioso elemento, Arthur Ernst Ewert, judeu alemão, fichado em seu país de origem, no qual era ex- deputado, como espião. Constava também processo por "alta traição".
Berger era o agente do Komintern, especialista em golpes subversivos, enviado para o Brasil com a missão de dirigir intelectualmente o plano traçado em Moscou, que objetivava a instauração de uma ditadura de tipo stalinista no País, por meio de levante armado. Sob ordens de Berger, lá estava Luiz Carlos Prestes, homem escolhido para encabeçar um "governo popular nacional revolucionário", segundo relatório do próprio Berger para o Komintern.
Prestes angariou simpatia no meio c…

“Nossas mães, nossos pais” - Um filme sobre a verdade da guerra

O filme “Nossas mães, nossos pais” (do alemão: "Unsere Mütter, unsere Väter"), exibido pelo canal de televisão alemão ZDF, conta a história de cinco jovens para os quais a Segunda Guerra Mundial se torna um desafio moral e ético, deixando clara a impressão de que a Alemanha está cansada de arrependimentos. O filme basicamente apresenta os soldados soviéticos como estupradores, os poloneses como antissemitas desumanizados e os ucranianos como sádicos. O contexto do drama vivido na invasão da Europa na sua verdadeira face.
A diplomacia russa considerou inaceitável o filme e enviou uma carta ao embaixador da Alemanha dizendo que a “maioria absoluta dos russos que teve a oportunidade de assistir ao filme” o achou inaceitável. Também foi criticado a exposição que fez o filme as atrocidades cometidas pelas tropas da URSS aos excessos isolados perpetrados por militares soviéticos na Alemanha, os quais foram severamente punidos pelo comando militar soviético, mas tão só depois de um …