Pular para o conteúdo principal

Uma oportunidade histórica para a Europa - e provavelmente a última

Petry, Le Pen, Matteo Salvini, Geert Wilders e Harald Vilimsky no encontro em Koblenz


Nenhum nascimento vem sem as dores do parto. Antes da grande convenção de Koblenz realizada pelo Movimento pela Europa das Nações e pela Liberdade (ENF), a mídia liberal na Alemanha estava atacando a política de imprensa dos organizadores, especialmente o deputado alemão Marcus Pretzell. Como os organizadores decidiram fazer uma lista negra de jornalistas e meios de comunicação anti-direita notórios, não lhes permitindo participar da conferência, as lágrimas de crocodilo dos jornalistas excluídos inundaram a mídia alemã durante muitos dias - mas o partido AfD não mudou sua postura e Manteve a lista negra, apesar das duras críticas.

A ENF é o grupo pan-europeu mais influente e poderoso de patriotas e soberanistas. O holofote em Koblenz esteve em Marcus Pretzell (AfD, Alemanha), Frauke Petry (AfD), Marine Le Pen (Frente Nacional, França), Matteo Salvini (Lega Nord, Itália), Geert Wilders (PVV, Holanda) e Harald Vilimsky FPÖ, Áustria). Todas as mensagens eram claras: O monstro Frankenstein  de Bruxelas chamado de "União Europeia" é o inimigo, a migração em massa ilegal tem de ser interrompida, valores europeus e nossas diversas identidades nacionais têm de ser defendidos.


Mas a convenção da ENF em Koblenz também foi palco para outros políticos menos conhecidos da esfera eurocética, como o deputado Laurentiu Rebega da Romênia, que fez um importante discurso. Rebega entende que lutar contra o inimigo comum é apenas um lado da moeda. Ele também falou sobre como esta "Nova Europa" deve tomar forma. Como as diferentes nações europeias organizarão as suas relações? Como vamos negociar conflitos? Não há dúvida de que há interesses nacionais diferentes, também dentro da Europa.

Rebega disse em seu discurso:

Laurentiu Rebega (FWM)
"Cada país tem que fazer suas próprias escolhas com base em seus valores, sua própria história e seus próprios interesses particulares. Tudo dentro de uma Europa das Nações onde todos nós pertencemos. 
Precisamos de uma Europa de tradições e de liberdade autêntica, uma Europa com uma política multipolar que respeite a ideia de estabilidade e segurança partilhada por todos os Estados-Membros. 
A reforma tem de ser iniciada de baixo para cima, partindo da vontade das populações e das comunidades na Europa e não o contrário, de grupos ocultos de interesses que tomam decisões a portas fechadas. 
Queremos uma Europa de Estados nacionais que cooperem uns com os outros com base nesses princípios. Penso que a Europa não pode ser forte se os seus componentes forem fracos. Vamos fortalecer os Estados e então a Europa será forte ".

Por que é tão importante ter uma visão do que acontece no "dia seguinte" se Bruxelas já não for o centro de uma organização supranacional chamada "UE"? O que acontece no dia em que Angela Merkel deixar de ser chanceler e até mesmo - vamos ser otimistas - quando a líder da AfD, Frauke Petry, se tornar chanceler alemão? A Alemanha continuará a ser o poder industrial e econômico dominante na Europa? Outros países europeus como a França podem ver uma ameaça nesse fato. Não devemos esquecer por que razão a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (CECA) - o "antepassado" da UE de hoje - foi criada no início da década de 1950: manter o olho no controle da indústria siderúrgica e de carvão alemã. A CECA foi proposta pela primeira vez pelo ministro das Relações Exteriores da França, Robert Schuman, em 9 de maio de 1950, como forma de evitar novas guerras entre a França e a Alemanha.

Todos os patriotas e soberanistas europeus estão hoje lutando contra o super-Estado de Bruxelas. É claro que a luta une todos os patriotas europeus. Mas o que vai acontecer depois de Bruxelas quando mais uma vez for apenas a capital da Bélgica? Ainda será a sede da NATO? O que a "Nova Europa" fará a respeito? Teremos um "Exército Europeu" com ou sem a hegemonia americana? Vamos substituir o poder extraterritorial dos EUA pelo poder da parte européia da Rússia? 

E o que a "Nova Europa" fará quando recuperar o controlo sobre as suas fronteiras e permitir um sistema de defesa funcional e bem organizado contra a migração ilegal em massa? Será ainda um poder desestabilizador na África e no Médio Oriente? Ou será que a "Nova Europa" fará um giro geopolítico e parará de financiar e apoiar o terrorismo, como faz a UE hoje na Síria ou na Líbia? A "Nova Europa" cooperará com o governo sírio para desenvolver um plano sólido para uma repatriação boa e pacífica dos refugiados sírios na Europa? Será que a "Nova Europa" imediatamente levantará as sanções e embargos contra a Síria - para muitos sírios a verdadeira razão para fugir de seu país? Estas são questões importantes: Porque, mais cedo ou mais tarde, uma "Nova Europa" com uma agenda de política externa "da UE" terá de perceber que cercas e muros não serão suficientes contra uma crescente pressão migratória.

E isso também é importante - o que acontece com a Ucrânia? Há ainda uma guerra no Donbass. Será que a "Nova Europa" dará um sinal claro para Kiev para parar a sua agressão contra civis em Donbass? Será que a "Nova Europa", enquanto pólo geopolítico, atuará como um poder de paz para apoiar a soberania e a independência do povo de Donbass?

Será que a "Nova Europa" evoluirá do idiota transatlântico (UE) para um pólo geopolítico de forte poder? Como definiremos o nosso interesse europeu comum em relação aos outros pólos geopolíticos? E como equilibraremos os diferentes interesses europeus? Como agiremos para impedir que as potências extra territoriais e as ONGs globalistas aproveitem a diversidade dos diferentes interesses nacionais no nosso continente?

Todas essas questões são importantes. Haverá apenas uma chance para um "re-boot" completo da Europa. Se falharmos, a causa é perdida. Por quê? Porque o tempo está se esgotando para o nosso continente. Não haverá tempo para transições a longo prazo, longos debates sobre reformas ou um lento desmantelamento da burocracia da UE. Nós já precisamos dos conceitos da "Nova Europa" agora, o novo "sistema operacional" depois que formatarmos o disco rígido europeu.

Koblenz foi um sinal de partida. Agora todos nós temos que correr o mais rápido que pudermos. É uma oportunidade histórica para a Europa - e muito provavelmente a última.


Manuel Ochsenreiter é diretor do Centro Alemão de Estudos Eurasiáticos e Editor-Chefe da revista de notícias alemã ZUERST!

Comentários

  1. SE ESSES CUCKS SÃO A ULTIMA ESPERANÇA O OESTE JA ERA SABEMOS QUE A ULTIMA CHANCE FOI O REICH E A DIVISA XX MIDDLE XX II QUANDO AS ULTIMAS VOZES FORAM ABAFADAS TIPO AQUELE QUE MORREU DE CIRROSE HEPATICA QUE DENUNCIOU OS REDS NOS EUA DIGA-SE ASKENAZITAGEM E LACAIOS IDIOTAS INUTEIS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. to contigo mano! num da pra acreditar nessas patifarias d hoje em dia! no fundo ta todo mundo com a mesma intenção d fuder a europa, camuflado pela "esperança" adotada, q todo mundo esperava q é só pra acalmar o bobo povo e q nunca surgirá efeito, pra poder produzir suas agendas genocida em paz!

      Excluir
  2. Ótimo artigo. levantou todas as questões fundamentais nesse momento, para a Europa.

    ResponderExcluir
  3. Excelente e oportuno artigo sobre a Nova Europa, pleno de interrogações/sugestões/propostas de enorme valor. Gostei imenso de ler. Parabéns ao autor.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

O Sentinela - Mídia dissidente brasileira

O mais lido da semana

A família de Hitler e seus descendentes hoje

Adolf Hitler e Eva Braun, sua futura esposa, com quem se casaria, segundo relato, pouco antes da capitulação frente aos aliados

Um assunto bastante curioso e interessante, porém, pouco e até mesmo delicado de se tratar é a questão da família de Hitler e seus descendentes no contexto do pós guerra. Evitado tanto pelo lado daqueles que lutaram contra a Alemanha Nacional-Socialista, quem sabe pelo fato de terem em cheque uma acusação de perseguição infundada e por isso mantenham interesses em ocultar certos segredos, quanto por aqueles que são e foram seus simpatizantes, talvez por falta de informação ou censura. 
Muitas foram e ainda são as especulações a cerca da origem do Chanceler alemão e sua descendência. Umas dizem que Hitler teria sangue judeu correndo e suas veias, vindas de seu avô (ou bisavô), ou que seria um membro família Rotschild (banqueiros judeus) ou mesmo que Hitler teria tido filhos e escondido tal fato da mídia, mas que porém, com a queda da Alemanha, os Aliados teriam …

2 milhões de alemãs - O Maior estupro em massa da História

Na foto, mulheres que suicidaram-se em uma praça, para não vivenciarem os estupros.
Aos 80 anos, Gabriele Köpp tem problemas com sono, por vezes, simplesmente não consegue comer. Aos 15 anos, ela foi repetidamente violada por soldados soviéticos, sendo virgem e não tendo nenhum conhecimento prévio sobre o sexo.
A revista "Spiegel" escreve que não existem os dados exatos sobre a quantidade de mulheres alemãs violadas pelo exército soviético, o número que aparece em várias publicações aponta para dois milhões de mulheres (2.000.000). Segundo a investigação do Dr. Philipp Kuwert, especialista de traumas e chefe do Departamento de Psiquiatria e Psicoterapia do Hospital universitário de Greifswald, a idade média das vítimas de violações soviéticas era de 17 anos e cada mulher foi violada em média 12 vezes. Quase metade das vítimas possui síndromes pós – traumáticos, incluindo os pesadelos, tendências de suicídio, anestesia emocional. Cerca de 81% destas mulheres adquiriram o efeito…

Matt Parott: A capital de israel é Washington D.C.

Por Matt Parott
A capital de uma nação é o seu lugar de poder incontestável, a base de onde ele dirige sua política militar e doméstica, seu centro de gravidade e seus cofres econômicos. Trump se inverteu em mais uma promessa de campanha, declarando que a embaixada dos Estados Unidos em Israel precisa se mudar de Tel Aviv, o centro neuronal real de Israel, para Jerusalém, como parte de um esforço para roubar mais território dos árabes. Em sua campanha, Trump prometeu ser um corretor honesto, para alavancar suas habilidades de negociação de classe mundial para tentar negociar a paz no Oriente Médio. Sem desculpas, ele está quebrando essa promessa.
O homem que escreveu "The Art of the Deal" não conseguiu concessões de Israel. Ele envolveu esta declaração sem nenhum acordo global de qualquer tipo que possa ser interpretado como uma tentativa de tentar chegar a um resultado justo. Trump está intimidando os palestinos em nome dos judeus, mesmo que a comunidade judaica americana per…

Benjamin Freedman, um judeu expondo a judiaria organizada pelo mundo

Benjamin Harrison Freedman [Friedman] foi uma das pessoas mais intrigantes e surpreendentes do século XX. Nascido em 1890, foi um empresário judeu bem-sucedido de Nova Iorque e chegou a ser o principal proprietário da Woodbury Soap Company. Rompeu com a Judiaria organizada após a vitória judaico-comunista de 1945 e gastou o resto de sua vida e grande parte da sua considerável fortuna, avaliada em cerca de 2,5 milhões de dólares, expondo a tirania judaica que envolveu os Estados Unidos.
Mr. Freedman sabia do que falava, porque tinha sido um insider [membro de um grupo com acesso a informação confidencial] nos mais altos níveis de organizações e maquinações judaicas que tinham por objectivo obter poder sobre a nossa nação [EUA]. Mr. Freedman privou de perto com Bernard Baruch, Samuel Untermyer, Woodrow Wilson, Franklin Roosevelt, Joseph Kennedy, John F. Kennedy e muitos dos homens mais poderosos dos nossos tempos.
Este discurso no Willard Hotel, em Washington DC, foi proferido perante uma…

América Latina, o último bastião ocidental? Porque o islã não cresce aqui

Segundo um estudo feito pelo Pew Research Center (Centro de Pesquisas Pew - PRC) (1), intitulado; "O Futuro das Religiões do Mundo", divulgado em abril desse ano, prevendo a projeção para o futuro das religiões, indicou que o número de adeptos do islã irá ultrapassar, caso assim continue, o número de cristãos até o fim desse século (entre 2050 - 2100, tornando-se a religião com o maior número absoluto de fiéis do planeta. E, seguindo a contra corrente mundial, a única região do mundo em que isso não vai acontecer é a da América Latina, pois o aumento do número de seguidores do Corão não acompanha o ritmo registrado em outras partes do mundo. Oque, por conseguinte, aponta essa parte da América como a única região onde a taxa de crescimento da população estimada para 2050 supera com folga o aumento de muçulmanos.
O islã, como se pode deduzir no parágrafo acima, é de fato a religião que mais cresce no mundo. O levantamento prevê que, entre 2010 e 2050, enquanto a média de cresci…

Nimrod de Rosario, Sabedoria Hiperbórea e Geopolítica

Luis Felipe Moyano (1946-1996), mais conhecido como Nimrod de Rosario, foi um escritor argentino que estudou profunda e extensivamente a comparatividade de religiões, a espiritualidade e a mitologia ao longo da história; e deu desenvolvimento a uma Cosmologia gnóstica conhecida como Sabedoria Hiperborea. Ele é o autor de "El Misterio de Belicena Villca" (O Mistério de Belicena Villca), um romance místico-histórico, e dos dois volumes do tratado "Fundamentos de la Sabiduría Hiperbórea" (Fundamentos da Sabedoria Hiperbórea), um estudo complexo, incluindo muitos detalhes científicos, lidando muitas vezes com a Física e as correlações de tempo-espaço.
Ele também foi o fundador da sociedade esotéricasecreta OCTRA (Orden de Caballeros Tirodal de la República Argentina -  Ordem Tirodal dos Cavaleiros da República Argentina, sendo "Tirodal" uma contração dos nomes das duas runas "Tyr" e " Odal "), e se correspondia com o conhecido escritor chil…

A Grande Farsa do Holocausto Judaico (PARTE I) - "Fotos Falsificadas"

Todos os anos desde o fim da Segunda Guerra Mundial nos deparamos com centenas de livros, documentários, seriados de TV e tantos outros materiais relacionados ao genocídio ou ao assassinato de 6 milhões de judeus em câmaras de gás nos campos de concentração, cometidos pelos Nacional-Socialistas durante a Segunda Guerra Mundial, mais precisamente do ano de 1942 à 1945. Não seria lógico entender a invenção do Holocausto como uma maneira de esconder os crimes cometidos pelos próprios aliados em Hiroshima, Nagasaki, Dresden e tantos outros? Como podemos explicar a atual posição de alguns historiadores e até mesmo do ex-presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, em negar tal acontecimento? Como muitos sabem, e também muitos não sabem, na Europa a negação do Holocausto vêm sendo criminalizada com leis específicas, impedindo pesquisadores e pessoas sérias de saberem o que de fato aconteceu nos campos de concentração alemães durante o período de 1942 até 1945. 
No entanto, este grave crime cont…

A investigação que revelou "exércitos" de perfis falsos usados para influenciar eleições e a política no Brasil

Todos os seres humanos pensantes ao uns poucos anos atrás só sabiam de monitoramento em escala mundial através de filmes de ação e espionagem geralmente hollywoodianos. Essas mesmas pessoas ficaram bestificadas, outras em negação e muitas nem se quer suspeitam da gravidade dos fatos, quando Eduard Snowden desertou do próprio país e revelou ao mundo que a NSA investigava a tudo e a todos através de todos os meios de comunicação existentes. Também tivemos o mesmo tipo de reação, quando Julian Assange através do intrépido "Wikilliks" revelou os esquemas de chantagem, sabotagem e falcatruas contra os povos da terra cometidos pelo governo estadunidense através de anos, incluindo suas figurinhas mais proeminentes como o "satã de saias" sra. Hillary Clinton. 
Depois de tudo isso não é difícil, porém não menos grave, que em nosso país geopoliticamente estratégico enquanto nação dominada não tivesse seus próprios meios de sabotagem interna parecidos, onde um grande exemplo s…

6 anos sem Kadhafi: o "fenômeno" cuja morte arruinou Líbia

Faz hoje cinco anos desde que o líder líbio foi morto a sangue frio perante câmeras de celulares e com o consentimento dos países que participaram da campanha anti-líbia de 2011. 
NT: matéria de 28/11/2016
O coronel Muammar Kadhafi liderou o país por 42 anos. A guerra civil que se iniciou no momento de sua morte continua há já cinco anos. Todas as tentativas de criar órgãos de governação fracassaram, a economia está arruinada. A crise foi substituída pelo caos, que ameaça toda a região, e isso se tornou no resultado da tentativa das potências ocidentais para alterar a organização política dos países africanos.
A Sputnik Árabe falou com o jornalista favorito do líder líbio, Abdel Baset bin Hamel. A experiência líbia, que continuou por 42 anos sob o governo de Muammar Kadhafi, permanecerá como parte incomparável da história do país. O país passou de forma regular por reformas, porque de vez em quando surgiam problemas na educação, saúde ou infraestrutura. Entretanto, a razão da crise de hoj…

Terceira Posição: sintese Histórica e Ideologica

tradução: Gabriel Pimentel
Recentemente tem havido algumas discussões no que diz respeito ao que constitui ao terceiro posicionamento politico. Eu decidi tomar ele próprio como tema, e iniciar uma discussão sobre a história da terceira posição, suas variantes, e algumas dessas variantes como princípios ideológicos.
Eu não quero que este tema para se degrade em um debate sobre se ou não conceitos tais como o nacional-anarquismo são compatíveis com o nacionalismo "terceirista", esta discussão é principalmente sobre a história e a ideologia dos movimentos de terceira posição, por isso peço a todos centrem esta conversa em torno destes temas exclusivamente.
Definição:
O conceito de terceira posição é algo muito básico. É uma vértice que se dissipa entre o capitalismo e o socialismo, algo como uma "terceira opinião".
Os historiadores e teóricos políticos normalmente usam o termo para descrever várias correntes ideológicas nacionalistas que se originaram no início do século 2…