Pular para o conteúdo principal

Ralf Engel: Como a Alemanha se livrou da escravidão dos juros

Por Ralf Engel

Este artigo esclarece de forma compreensível, porque uma guerra foi declarada contra o Reich alemão há 76 anos! (1) Podemos entender também que a guerra e o extermínio não foram direcionados exatamente contra o Nacional-Socialismo – o povo alemão conseguiu sair do lodo graças à própria coragem, espírito e vontade de trabalhar. Os nacional-socialistas mostraram apenas a direção e criaram as pré-condições do milagre que se manteve até a eclosão da guerra.

O autor deste artigo escreve:
Promover uma discussão sobre a Segunda Guerra Mundial e a Alemanha de Hitler, sem mexer com os sentimentos das pessoas, é uma tarefa difícil.
Nós queremos tratar deste assunto de forma sóbria. Alguma vez foi reportado algo de positivo sobre o período de 1933 e 1945? Já foi reportado que o governo do chanceler Adolf Hitler construiu mais de 1,5 milhões de moradias, financiou mais de 500.000 propriedades agrícolas de pequeno e médio porte, para que as pessoas – não, mas sim o povo – tivesse um teto razoável sobre as cabeças, ou não precisassem mais passar fome, porque o setor agrícola até aquele momento não produzia mais nada, ele estava prostrado ao chão (vejam hoje em dia!). Sim, a casta política da RFA (República Federal da Alemanha) e da UE (União Europeia) financiam hoje o não-plantio dos campos. Eles almejam monoculturas – por exemplo, canola (colza) para biodiesel, beterraba para biogás etc etc – e com isso acabam com o solo, deixando-os desgastados, desvalorizados e arrasados. Milho transgênico e outras frutas manipuladas geneticamente passam a ter o objetivo adicional de matar os insetos, pois estes garantem a polinização.

Uma discussão com fatos reais, sem precisar distorcê-los, ou sem entrar nos meandros dos crimes de guerra de todos os participantes da guerra, o povo alemão não precisa recear tal discussão! Nem os alemães nem o governo daquele período queria uma guerra. Nem a primeira nem a segunda guerra mundial. Não há mais dúvida alguma de que uma conspiração judaica contribuiu em grande escala para a eclosão da guerra, mas também os interesses geopolíticos da Inglaterra, França, a União Soviética de Stalin e também por parte dos EUA. Viu-se que a coisa estava indo para o brejo – imitadores são indesejáveis!

Projetando estes acontecimentos para os dias de hoje, nós estamos no ano de 1922. ESM nada mais é que um banco privado. Ninguém é responsável, imunidade absoluta para todos. É uma coisa lógica negar tudo que esteja relacionado com o governo de Hitler. Alguém poderia ter a ideia de perguntar como a Alemanha da época conseguiu se recuperar – após ter mais de 6 milhões de mortos pela fome. Ou seja, amplifica-se a indústria do “holocausto”, que claramente ainda não existia no final da década de 70!

E sendo assim, todo mundo se desculpa ao iniciar um debate sobre a Alemanha daquela época. Aqui o autor explica as relações com esmero e pode se dar ao luxo de não se desculpar, pois isso iria anular o efeito de suas pesquisas! E mesmo assim, obrigado!

Como o chanceler Adolf Hitler conquistou a independência da escravidão internacional pelos juros

Entrar em uma discussão sobre o tema “Segunda Guerra Mundial” e a “Alemanha de Hitler”, sem mexer com os sentimentos das pessoas é uma tarefa difícil. E compreensível. Nós rejeitamos aqui qualquer forma de violência. Nós não apoiamos a política da guerra ou o extermínio dos povos. Nós nos distanciamos da política do capitalismo, comunismo assim como do fanatismo.

O texto a seguir almeja esclarecer de onde vem a real ameaça de nossa civilização.

Um oficial alemão mutilado da Primeira Guerra Mundial pede esmola em uma rua da Alemanha. Essa situação vivida pela Alemanha pós guerra tornou-se muito comum

Nós não podemos confirmar com segurança, que exista uma conspiração mundial de fé judaica com o objetivo de conquistar o mundo. Todavia sabemos que existe uma conspiração levada avante por grandes bancos e instituições financeiras, assim como indústrias multinacionais, que trabalham para controlar todo o planeta (maçonaria, grupo Bilderberg).
A história é escrita pelos vencedores – Winston Churchill
Existem muitas provas documentais de que Wall Street e banqueiros judeus estavam dispostos a financiar Hitler, em todo caso no começo da guerra, por um lado devido ao fato dela torna-los mais ricos, por outro lado para poder controlar Stalin. Mas quando a Alemanha se libertou das garras destes banqueiros cobiçosos e criminosos, justamente estes banqueiros (grandes bancos, bancos centrais e particulares, a maioria nas mãos de judeus) declararam guerra contra a Alemanha.

Se nós analisarmos todos os fatos, então a alegação de que os judeus teriam financiado Hitler, torna-se irrelevante. A advogada Ellen Brown, de Los Angeles, discute este tema em seu livro “Web of Debt” (Rede de dívidas).

Da esquerda para a direita, o primeiro-ministro britânico, Lloyd George, o ministro de Assuntos Exteriores italiano, Giorgio Sonnino, o chefe do governo francês, Georges Clemenceau, e o presidente dos Estados Unidos, Thomas Woodrow Wilson.

Quando Hitler subiu ao poder, a Alemanha estava totalmente falida. O Tratado de Versalhes tinha sido imposto e os pagamentos das reparações de guerra tiveram consequências destrutivas para o povo alemão, indenizações estas que deveriam ser pagas pelos alemães a todas as nações aliadas. Estes custos atingiram o patamar de três vezes o valor de todos os imóveis na Alemanha. Especuladores particulares provocavam ainda a queda do valor da moeda Reichsmark, motivo de uma das piores crises inflacionárias incontroláveis na era moderna. Um carrinho de mão com 100 bilhões de Reichsmark, em notas, não era suficiente para pagar um pãozinho. A caixa do Estado estava vazia. Inúmeras casas e propriedades agrícolas, assim como várias fábricas, foram desapropriadas pelos especuladores e bancos particulares. Os alemães viviam casebres e se empobreciam. Eles começaram a passar fome. Alie-se a tudo isso, a invasão das tropas francesas e holandesas, com o objetivo de roubar tudo que não estivesse pregado.

Tratado de Versalhes: conjunto de imposições que massacraram a Alemanha no pós-Primeira Guerra.

Nunca aconteceu algo tão dramático assim, a destruição total da moeda nacional, assim como a pulverização das poupanças. E adiciona-se a isso tudo, ainda a crise financeira mundial partindo dos EUA, que causou uma depressão global. A Alemanha não tinha outra escolha a não ser se submeter à escravidão das dívidas junto aos banqueiros internacionais, o que durou até 1933, quando os nacional-socialistas chegaram ao poder e tudo mudou.

A partir deste ponto, a Alemanha frustrou as atividades criminosas dos bancos e cartéis internacionais, assim como dos aliados, através da emissão da própria moeda pelo governo ao invés de bancos particulares.

A judiaria mundial reagiu convocando um boicote global contra a Alemanha.

Hitler começou com um programa nacional de crédito através da elaboração de um plano de trabalho público como, por exemplo, proteção contra as enchentes, reformas em prédios públicos e casas particulares, construção de estradas, pontes, canalizações e instalações portuárias. Tudo isso foi pago, desta vez, com dinheiro que não provinha dos criminosos banqueiros internacionais e suas altas taxas de juros.


O Boicote Econômico de 1933

Os custos previstos dos diferentes programas foram fixados em um bilhão de unidades monetárias do país. E para cobrir estes custos, o governo alemão (não os banqueiros internacionais) utilizou letras de câmbio assim como certificados de trabalho e títulos. Desta forma, os nacional-socialistas criaram trabalho para milhões de pessoas, e pagaram-nas com os novos títulos. Sob o regime nacional-socialistas, o dinheiro não estava coberto pelo ouro (este estava nas mãos dos banqueiros internacionais e outros pilantras). Este dinheiro tratava-se na sua essência de um recibo dos produtos e serviços prestados e fornecidos ao governo.

Hitler disse:
“Para cada marco em circulação, nós temos que disponibilizar a contrapartida na forma de serviços e/ou produtos”.
Desta forma, o governo pagava os trabalhadores com estes novos certificados. Os trabalhadores, por sua vez, trocavam estes certificados contra outros produtos e serviços, onde então novos postos de trabalho eram criados.

Desta forma, o povo alemão se libertou do peso da divida que lhe foi imposta pelos bandos criminosos e corruptos do estrangeiro.

Dentro de dois anos, o problema do desemprego foi resolvido, e a Alemanha ficou de pé novamente. Havia uma moeda sólida e estável; não havia mais dívidas e inflação, e isto numa época onde milhões de pessoas nos EUA e outros países ocidentais (controlados pelos banqueiros apátridas) ainda estavam desempregadas e à beira do abismo. Dentro de cinco anos, a Alemanha se transformou da nação mais pobre para a mais rica da Europa. A Alemanha conseguiu até retomar o comércio exterior, e isso apesar da rejeição de crédito por parte dos banqueiros internacionais, e apesar do boicote a nível mundial das indústrias judaicas. A Alemanha conseguiu isso através da troca direta de bens de consumo com outros países, ou seja, uma espécie de escambo que evitava os banqueiros criminosos. A Alemanha florescia, pois o comércio de troca eliminou o endividamento do Estado assim como o déficit na balança comercial. (A Venezuela faz o mesmo, trocando petróleo por matérias-primas assim como ajuda médica e assim por diante. Agora entendemos porque os banqueiros pressionam o país).

A liberdade econômica da Alemanha foi breve, mas ela deixou muitos monumentos, dentre eles as famosas autoestradas alemãs, a primeira rede ampla de ligações viárias do mundo desta natureza.

Hjalmar Schacht, um conhecido agente dos Rothschild, que comandava pela segunda vez o banco central alemão, resumiu assim… Um banqueiro norte-americano comentou a ele:
Dr. Schacht, você deve vir para a América. Nós temos muito dinheiro e isso é um verdadeiro Banking (negócio bancário).
Schacht respondeu:
“Você deve vir a Berlim. Nós não temos dinheiro. Isso sim é um verdadeiro Banking.”
O agente Rothschild, Schacht apoiou de fato os banqueiros internacionais privados em sua cruzada contra a Alemanha, e foi recompensado no final da guerra ao ser inocentado de todos os pontos da acusação no processo de Nuremberg.

Ao alcançar esta nova liberdade econômica, Hitler tornou-se bastante querido pelo povo alemão. A Alemanha foi libertada na teoria econômica inglesa, teoria esta que prevê que todas as moedas devem ser emprestadas contra o ouro em posse do banco, ou seja, emprestadas por cartéis de bancos privados e secretos – como o Federal Reserve Bank nos EUA ou o Banco Central Europeu – ao invés de ser emitido pelo governo em prol do bem estar do povo.

O pesquisador canadense Dr. Henry Makow (de fé mosaica), disse que o principal motivo para que os banqueiros fossem a favor de uma guerra mundial contra a Alemanha, era que Hitler evitava os banqueiros à medida que imprimia seu próprio dinheiro, e com isso alcançava a liberdade do povo alemão. Pior ainda, os bancos se sentiam ameaçados, pois esta liberdade e bem-estar poderia se disseminar para outros países. Tornou-se imperativo parar Hitler!

Aqui segue uma citação de Makow extraída do interrogatório de C. G. Rakowski, fundador do bolchevismo soviético e amigo íntimo de Trotski: Rakowski foi levado aos tribunais em um processo teatral na União Soviética sob Stalin. Segundo Rakowski, Hitler teria sido primeiramente financiado pelos banqueiros internacionais, através do agente Hjalmar Schacht. Os banqueiros financiaram Hitler para controlar Stalin, que por sua vez tomou o poder com ajuda do agente Trotski. Então Hitler tornou-se uma ameaça maior do que Stalin, quando ele começou a imprimir seu próprio dinheiro. (Stalin chegou ao poder em 1922, 11 anos antes da tomada de poder por Hitler).

Rakowski disse:
Hitler conquistou o privilégio de criar o dinheiro, e não na forma de papel moeda, mas também na forma de produtos financeiros. Ele tomou das mãos dos bancos particulares e das instituições financeiras o diabólico mecanismo de falsificação de dinheiro e o colocou nas mãos do povo alemão para seu bem-estar. Você podem imaginar o que aconteceria se uma série de outros países fossem infectados por isso? (Henry Makow, “Hitler não queria a guerra”, 21 de março de 2004).
Henry C. K. Liu, economista, escreveu sobre esta sensacional mudança na Alemanha:
Os nazistas chegaram ao poder em 1933, quando a economia alemã tinha entrado completamente em colapso, com obrigações reparatórias ruinosas da Primeira Guerra Mundial e sem perspectivas de investimentos estrangeiros ou crédito. Através de uma política monetária independente de crédito soberano (crédito que era concedido pelo Estado, todavia não financiados de antemão por bancos privados, mas sim pelo próprio capital estatal) e um programa público de plena ocupação, o Terceiro Reich esteve na condição de transformar uma Alemanha falida e cujas colônias haviam sido roubadas, na mais forte economia na Europa dentro de quatro anos, e isso antes de iniciar o rearmamento alemão. (Henry CK Liu, ‘Nacional-Socialismo e o milagre econômico alemão’, Asia Times – 24/05/2005).
No livro “Bilhões para os bancos, dívidas para os cidadãos” (1984, Sheldon Emry comentou:
“A Alemanha disponibilizou a partir de 1935 um dinheiro livre de dívidas e sem juros, que foi responsável pela surpreendente recuperação da Alemanha de uma profunda recessão, levando-a à condição de potência mundial, e isso em apenas cinco anos. O governo alemão financiou todas suas atividades de 1935 até 1945, sem ouro e sem dívidas. Foi necessário todo o mundo capitalista e comunista para destruir a revolução alemã e trazer a Europa novamente para o purgatório dos banqueiros criminosos de bancos centrais golpistas.”
Infelizmente estes fatos não aparecem em NENHUM livro escolar desde o final da Segunda Guerra Mundial. O que aparece é a inflação catastrófica de 1923 durante a República de Weimar, que existiu na Alemanha durante 1919 até 1933. Os livros escolares atuais utilizam esta inflação para distorcer a verdade. Eles citam a desvalorização radical do Marco alemão como exemplo para aquilo que acontece, quando governos imprimem seu próprio dinheiro, ao invés de emprestar de cartéis conspiratórios ateístas (os bancos atuais) e indivíduos criminosos a troco de juros exorbitantes.

Na realidade, a crise financeira de Weimar começou com o pagamento excessivo das reparações de guerra estipuladas no Tratado de Versalhes. Hjalmar Schacht (que nunca foi um membro do NSDAP) – o agente Rothschild e comissário da moeda da República – rejeitou categoricamente a impressão do próprio dinheiro por parte do governo alemão…
O Tratado de Versalhes é um modelo de medidas bem elaboradas com o objetivo de eliminar economicamente a Alemanha. Entre 1918 e 1935, a Alemanha não encontrou outro meio para evitar a certa bancarrota, a não ser imprimindo dinheiro, e isso em quantidades inflacionárias…
Schacht repete as mentiras dos livros escolares, que a inflação da República de Weimar foi ocasionada pela impressão do próprio dinheiro por parte do governo alemão. Em seu livro “The magic f Money” (1967), Schacht deixou escapar, todavia, que foi o Reichsbank, na posse de particulares e não do governo alemão, que injetou somas incalculáveis de moeda na economia.

Ou seja, um banco particular ocasionou a hiperinflação da República de Weimar.

Fonte: Inacreditavel

Nota:

(1) - No ano de 1939, quando tem inicio a Segunda Guerra Mundial, mas essa data não conta a guerra que a judeia (?) declarou a Alemanha em 1933, oque aumentaria para 82 anos atrás, época em que o sionismo declarou guerra ao Nacional-Socialismo e as doutrinas de fato dissidentes ao establishment no mundo.

Comentários

  1. Meu caro, como a Judeia pôde declarar guerra ao Estado Alemão se nem mesmo os judeus possuiam Estado proprio?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vá ler sobre Sionismo, pesquise sua trajetória e seus líderes. Leia a reportagem do Daily Spress exibida bem ai no testo, é um ótimo exemplo pra começar...

      Excluir
    2. sentinela, nem adianta responderes a ignorantes.
      o anafabetismo é tão grande que nem sabem a diferença entre judeia e israel.

      além disso, na prática, o estado judeu até já existia desde 1917 com a declaração de Balfour que entregou a Palestina aos Rothschilds 'ingleses'.

      Excluir
    3. O Sentinela> Gostaria de saber mesmo sobre a integridade dessa foto jornal, você sabe me dizer com exatidão se é legítimo ou foi um ato fã nacionalista e pró fascista? Fui tratado como um Marxista pelo Thor e hostilizado sem ele nem saber quais eram meus reais objetivos,mal sabes ele que sou o puro bom e velho fã eterno do nosso titio,....AH...

      Excluir
    4. Thor só não te dou uma resposta à altura porque simpatizei com seu nick, eu talvez o teria usado, mas preferi utilizar o nick do maior general de guerra de todos tempos, inclusive foi Marechal da Alemanha Nacional Socialista.

      Excluir
  2. Os bancos nunca fizeram NADA pelo Capitalismo

    ResponderExcluir
  3. Bem eu acho que os banqueiros queriam lucrar com a guerra , então alguns judeus podem ter manipulado hittler tanto que fez com que ele adiquirisse o ódio , e essa guerra rendeu milhões de dolares para eles( os Banqueiros) e pro paises envolvidos como permitiu o surgimento de novas tecnólogias, essa guerra foi criada pelo movimento Iluminat para distruir uma antiga sociedade dando lugar a uma nova,Diante dela O Eua se saiu mais rico e expandiu seu império, As vantagens foi que o mundo evolui tecnologicamente e se tornou maisforte, As devantagens, bem a morte de vario inocentes , Não devemos seguir de novo esse caminho , podemos criar o novo sem causar destruição aos poucos , com novas tecnologias Atuais , uma grande guerra poderia ameaçar a Nossa Éspecie e Todo futuro que Temos pela frente, quanto os rastros da 2 guerra bem devem ser Neutralizados.

    ResponderExcluir
  4. Isolar a influencia dos banqueiros no mundo que prejudicam até a população comum de Israel dá força a judeus e a não-judeus que querem mudar esta calamidade financeira mundial,Martov que era judeu já denunciava o estado calamitoso e o terror que estava tomando a Rússia acabou exilado pelos bolcheviques, Heinrich Heine que era judeu odiava os Rothschild,e catervas,traduzindo não são amigos de ninguém apenas do vosso dinheiro,até mesmo na sua familia existe desavenças,contudo concordo o modelo que está ai é muito podre,para algo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

O Sentinela - Mídia dissidente brasileira

O mais lido da semana

A família de Hitler e seus descendentes hoje

Adolf Hitler e Eva Braun, sua futura esposa, com quem se casaria, segundo relato, pouco antes da capitulação frente aos aliados

Um assunto bastante curioso e interessante, porém, pouco e até mesmo delicado de se tratar é a questão da família de Hitler e seus descendentes no contexto do pós guerra. Evitado tanto pelo lado daqueles que lutaram contra a Alemanha Nacional-Socialista, quem sabe pelo fato de terem em cheque uma acusação de perseguição infundada e por isso mantenham interesses em ocultar certos segredos, quanto por aqueles que são e foram seus simpatizantes, talvez por falta de informação ou censura. 
Muitas foram e ainda são as especulações a cerca da origem do Chanceler alemão e sua descendência. Umas dizem que Hitler teria sangue judeu correndo e suas veias, vindas de seu avô (ou bisavô), ou que seria um membro família Rotschild (banqueiros judeus) ou mesmo que Hitler teria tido filhos e escondido tal fato da mídia, mas que porém, com a queda da Alemanha, os Aliados teriam …

2 milhões de alemãs - O Maior estupro em massa da História

Na foto, mulheres que suicidaram-se em uma praça, para não vivenciarem os estupros.
Aos 80 anos, Gabriele Köpp tem problemas com sono, por vezes, simplesmente não consegue comer. Aos 15 anos, ela foi repetidamente violada por soldados soviéticos, sendo virgem e não tendo nenhum conhecimento prévio sobre o sexo.
A revista "Spiegel" escreve que não existem os dados exatos sobre a quantidade de mulheres alemãs violadas pelo exército soviético, o número que aparece em várias publicações aponta para dois milhões de mulheres (2.000.000). Segundo a investigação do Dr. Philipp Kuwert, especialista de traumas e chefe do Departamento de Psiquiatria e Psicoterapia do Hospital universitário de Greifswald, a idade média das vítimas de violações soviéticas era de 17 anos e cada mulher foi violada em média 12 vezes. Quase metade das vítimas possui síndromes pós – traumáticos, incluindo os pesadelos, tendências de suicídio, anestesia emocional. Cerca de 81% destas mulheres adquiriram o efeito…

Matt Parott: A capital de israel é Washington D.C.

Por Matt Parott
A capital de uma nação é o seu lugar de poder incontestável, a base de onde ele dirige sua política militar e doméstica, seu centro de gravidade e seus cofres econômicos. Trump se inverteu em mais uma promessa de campanha, declarando que a embaixada dos Estados Unidos em Israel precisa se mudar de Tel Aviv, o centro neuronal real de Israel, para Jerusalém, como parte de um esforço para roubar mais território dos árabes. Em sua campanha, Trump prometeu ser um corretor honesto, para alavancar suas habilidades de negociação de classe mundial para tentar negociar a paz no Oriente Médio. Sem desculpas, ele está quebrando essa promessa.
O homem que escreveu "The Art of the Deal" não conseguiu concessões de Israel. Ele envolveu esta declaração sem nenhum acordo global de qualquer tipo que possa ser interpretado como uma tentativa de tentar chegar a um resultado justo. Trump está intimidando os palestinos em nome dos judeus, mesmo que a comunidade judaica americana per…

Nimrod de Rosario, Sabedoria Hiperbórea e Geopolítica

Luis Felipe Moyano (1946-1996), mais conhecido como Nimrod de Rosario, foi um escritor argentino que estudou profunda e extensivamente a comparatividade de religiões, a espiritualidade e a mitologia ao longo da história; e deu desenvolvimento a uma Cosmologia gnóstica conhecida como Sabedoria Hiperborea. Ele é o autor de "El Misterio de Belicena Villca" (O Mistério de Belicena Villca), um romance místico-histórico, e dos dois volumes do tratado "Fundamentos de la Sabiduría Hiperbórea" (Fundamentos da Sabedoria Hiperbórea), um estudo complexo, incluindo muitos detalhes científicos, lidando muitas vezes com a Física e as correlações de tempo-espaço.
Ele também foi o fundador da sociedade esotéricasecreta OCTRA (Orden de Caballeros Tirodal de la República Argentina -  Ordem Tirodal dos Cavaleiros da República Argentina, sendo "Tirodal" uma contração dos nomes das duas runas "Tyr" e " Odal "), e se correspondia com o conhecido escritor chil…

A Grande Farsa do Holocausto Judaico (PARTE I) - "Fotos Falsificadas"

Todos os anos desde o fim da Segunda Guerra Mundial nos deparamos com centenas de livros, documentários, seriados de TV e tantos outros materiais relacionados ao genocídio ou ao assassinato de 6 milhões de judeus em câmaras de gás nos campos de concentração, cometidos pelos Nacional-Socialistas durante a Segunda Guerra Mundial, mais precisamente do ano de 1942 à 1945. Não seria lógico entender a invenção do Holocausto como uma maneira de esconder os crimes cometidos pelos próprios aliados em Hiroshima, Nagasaki, Dresden e tantos outros? Como podemos explicar a atual posição de alguns historiadores e até mesmo do ex-presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, em negar tal acontecimento? Como muitos sabem, e também muitos não sabem, na Europa a negação do Holocausto vêm sendo criminalizada com leis específicas, impedindo pesquisadores e pessoas sérias de saberem o que de fato aconteceu nos campos de concentração alemães durante o período de 1942 até 1945. 
No entanto, este grave crime cont…

Benjamin Freedman, um judeu expondo a judiaria organizada pelo mundo

Benjamin Harrison Freedman [Friedman] foi uma das pessoas mais intrigantes e surpreendentes do século XX. Nascido em 1890, foi um empresário judeu bem-sucedido de Nova Iorque e chegou a ser o principal proprietário da Woodbury Soap Company. Rompeu com a Judiaria organizada após a vitória judaico-comunista de 1945 e gastou o resto de sua vida e grande parte da sua considerável fortuna, avaliada em cerca de 2,5 milhões de dólares, expondo a tirania judaica que envolveu os Estados Unidos.
Mr. Freedman sabia do que falava, porque tinha sido um insider [membro de um grupo com acesso a informação confidencial] nos mais altos níveis de organizações e maquinações judaicas que tinham por objectivo obter poder sobre a nossa nação [EUA]. Mr. Freedman privou de perto com Bernard Baruch, Samuel Untermyer, Woodrow Wilson, Franklin Roosevelt, Joseph Kennedy, John F. Kennedy e muitos dos homens mais poderosos dos nossos tempos.
Este discurso no Willard Hotel, em Washington DC, foi proferido perante uma…

América Latina, o último bastião ocidental? Porque o islã não cresce aqui

Segundo um estudo feito pelo Pew Research Center (Centro de Pesquisas Pew - PRC) (1), intitulado; "O Futuro das Religiões do Mundo", divulgado em abril desse ano, prevendo a projeção para o futuro das religiões, indicou que o número de adeptos do islã irá ultrapassar, caso assim continue, o número de cristãos até o fim desse século (entre 2050 - 2100, tornando-se a religião com o maior número absoluto de fiéis do planeta. E, seguindo a contra corrente mundial, a única região do mundo em que isso não vai acontecer é a da América Latina, pois o aumento do número de seguidores do Corão não acompanha o ritmo registrado em outras partes do mundo. Oque, por conseguinte, aponta essa parte da América como a única região onde a taxa de crescimento da população estimada para 2050 supera com folga o aumento de muçulmanos.
O islã, como se pode deduzir no parágrafo acima, é de fato a religião que mais cresce no mundo. O levantamento prevê que, entre 2010 e 2050, enquanto a média de cresci…

Terceira Posição: sintese Histórica e Ideologica

tradução: Gabriel Pimentel
Recentemente tem havido algumas discussões no que diz respeito ao que constitui ao terceiro posicionamento politico. Eu decidi tomar ele próprio como tema, e iniciar uma discussão sobre a história da terceira posição, suas variantes, e algumas dessas variantes como princípios ideológicos.
Eu não quero que este tema para se degrade em um debate sobre se ou não conceitos tais como o nacional-anarquismo são compatíveis com o nacionalismo "terceirista", esta discussão é principalmente sobre a história e a ideologia dos movimentos de terceira posição, por isso peço a todos centrem esta conversa em torno destes temas exclusivamente.
Definição:
O conceito de terceira posição é algo muito básico. É uma vértice que se dissipa entre o capitalismo e o socialismo, algo como uma "terceira opinião".
Os historiadores e teóricos políticos normalmente usam o termo para descrever várias correntes ideológicas nacionalistas que se originaram no início do século 2…

Mark Weber: A liderança judaica na Revolução Bolchevique e o início do Regime soviético

Por Mark Weber
Na noite de 16-17 de julho de 1918, uma esquadra da polícia secreta Bolchevique assassinou o último imperador da Rússia, o Czar Nicolau II, junto com sua esposa, a Czarina Alexandra, seu filho mais velho de 14 anos, o Czaverch Alexis, e suas quatro filhas. Eles foram abatidos numa salva de balas num pequeno espaço de um cômodo da casa em Ekaterinoburgo, uma cidade na região dos Montes Urais, onde eles estavam mantidos como prisioneiros. A complementação da execução das filhas foi feita com baionetas. Para prevenir o culto ao Czar morto, os corpos foram descartados para o campo aberto e apressadamente enterrados em um túmulo secreto.
Avaliando o sinistro legado do comunismo soviético
As autoridades Bolcheviques inicialmente relataram que o imperador Romanov tinha sido baleado após a descoberta de um plano para liberar ele. Por algum tempo as mortes da Imperatriz e das crianças foram mantidas em segredo. Historiadores soviéticos alegaram por muitos anos que bolcheviques loca…

Gudrun Burwitz, a filha de Himmler, ativismo e família

Gudrun Burwitz, hoje com 86 anos. Na foto, aos desperdice dos netos no subúrbio do Munique, onde mora até hoje
Ao acenar adeus a seus netos, Gudrun Burwitz apresenta a figura de uma mulher pronta para viver o resto de seus dias em paz e sossego. Porém, a filha de Heinrich Himmler ainda trabalha em um ritmo forte em seu ativismo a favor dos perseguidos pelo sistema por serem ou trabalharem para o nacional-socialismo.
A Sra. Burwitz sempre alimentou a memória de seu pai, o homem que dirigia a Gestapo, e a SS como um homem bom e digno.
E apesar de sua idade avançada, formada advogada, ela continua a ajudar antigos integrantes do nacional-socialismo a escapar da perseguição judicial a qual foram impostos pelos inimigos da Alemanha. 
Como a figura de liderança do grupo Stille Hilfe – Ajuda Silenciosa – ela provê todo tipo de ajuda, inclusive financeira, aos ex-integrantes nazi e colaboradores. Grupo formado em 1951 por um grupo de oficiais de alta patente das SS, na Alemanha, o grupo existe pa…