Pular para o conteúdo principal

A Ultima entrevista de Rochus Misch, o guarda-costas de Hitler


Rochus Misch acompanhou o Führer durante cinco anos e testemunhou seus últimos momentos no Bunker em Berlim: “Ele era um chefe ótimo. Não era um monstro”

Durante cinco anos, Rochus Misch trabalhou como segurança do Chefe de Estado Alemão* Adolf Hitler, tendo acesso direto a tudo o que acontecia no dia a dia do Führer, desde o início da guerra até a derrota. Atualmente com 87 anos e exercendo papel de uma das poucas lembranças vivas da Segunda Guerra Mundial, Misch vive em um bairro tranqüilo em Berlim (Alemanha), para onde retornou após nove anos de prisão na ex-União Soviética.

Sobre Hitler ele não cansa de dizer que o Führer era um homem absolutamente normal e de monstro não tinha nada. Com o lançamento do filme “Downfall” (A queda em Português) **, de Oliver Hirschbiegel, os últimos dez dia de vida do grande líder*** voltam a ser foco de especulações. Misch se torna um personagem que, diferentemente dos demais, pode assistir à transformação de sua própria história em ficção. Na entrevista a seguir, o ex-segurança de Hitler fala da experiência no Bunker e compara com o que viu em “Downfall”.


Como foi o seu último encontro com Hitler?

Rochus Misch: Eu estava presente quando ele suicidou. O fim de tudo começou em 22 de abril de 1945, quando os aliados enviaram um telegrama recomendando que os Alemães protegessem Berlim. Hitler percebeu que era muito tarde. Ele disse que a guerra estava perdida. Lá estavam Bormann, Goebbels, Otto Günsche, eu. Nesse momento ele se despediu definitivamente. Pediu para não ser mais incomodado e entrou no quarto. Não se ouvia nada. Silêncio absoluto. Depois aproximadamente de uma hora, Heinz Linge e Otto Günsche abriram a porta o Führer caído à mesa e Eva Braun, no sofá, com a cabeça para trás. Hitler não morreu só envenenado, ele também deu um tiro na cabeça. Depois,corri aos escritórios para comunicar o que tinha acontecido. Quando retornei ao Bunker, o corpo de Hitler já havia sido deitado no chão e estava pronto para ser cremado. Aí eu senti medo. Havia homens da Gestapo (Polícia secreta Alemã) e achei que eles iam nos matar também, para eliminar testemunhas. Mas isso não aconteceu. O corpo de Hitler foi queimado na saída do Bunker. Era um desejo dele. Não queria que fizessem com o corpo dele, o que fizeram com o corpo de Mussolini.

O filme “Downfall” lhe agradou?

Rochus Misch: Não. Como testemunha do que ocorreu, posso dizer que não gostei do filme. O Bunker não era exatamente como o filme mostra. Parecia um cemitério, uma cova. Nunca aconteceu uma cena de histeria sequer. Nesse filme os fatos foram muito americanizados, exagerados.

Mas a imagem de uma pessoa equilibrada, lutando até suas últimas forças contra os inimigos, não é a imagem ideal para a guerra psicológica travada ainda hoje contra o povo alemão por meio da propaganda de guerra, desde o término dos conflitos bélicos em 1945 – NR.

Hitler não ficava o tempo todo lá. Quando soava o alarme ele descia e, depois, ia embora. O Bunker era muito pequeno, 10 ou 12 metros quadrados. Havia um quarto pequeno onde Hitler trabalhava, uma sala de estar e um quarto de dormir. A idéia de construir esse Bunker surgiu em 1940, quando o Ministro das Relações Exteriores russo, Molotov, visitou Berlim. O chanceler russo não ficou em edifícios públicos. Foi levado ao Hotel Adlon, onde havia proteção contra bombas. Desde então, Hitler decidiu construir locais protegidos também nos prédios do governo. Na sua própria residência, não havia um Bunker, apenas um porão onde ele protegia dos bombardeiros.

Rochus Misch durante o período que serviu à Schutzstaffel (SS) Divisão Liebstandart Adolf Hitler, guarda de Adolf Hitler

Hitler sentiu medo?

Rochus Misch: Não. Nunca. Ele não tinha medo. Mesmo ao se suicidar, não demonstrou medo. Ele não iria deixar Berlim em hipótese alguma.

Qual sua impressão de Hitler?

Rochus Misch: Na primeira vez que iria encontrá-lo, senti medo. Mas ele entrou na sala onde eu estava, perguntou de onde eu vinha e me pediu para enviar uma carta a sua irmã Paula, que estava em Viena (Áustria). Desde então, nunca mais fiquei nervoso, era indiferente se iria vê-lo ou não. Ele era um chefe ótimo. Não era um monstro, não era uma pessoa má, não tinha problemas psíquicos. Quanto as suas atitudes políticas, eu não posso dizer nada. Mas no dia-a-dia ele era um homem absolutamente normal, descomplicado, nada de especial. Gostava de crianças e cachorros. À noite, não permitia que se falasse em política. Ouvia música e tomava chá.

Descrição totalmente contrária à imagem produzida pela propaganda de guerra aliada. E existem aqueles que acreditam ainda na grande mídia, nosso inimigo comum – NR.

Você sabia algo sobre o Holocausto?

Rochus Misch: Nunca fiquei sabendo de nada. Hitler nunca visitou um campo de concentração. Estávamos o tempo todo juntos. Eu teria ficado sabendo. O ódio contra os judeus era mais uma questão política. Ele não era contra o povo judeu, mas contra o poder do capital judeu. A cozinheira de Hitler, de quem ele gostava muito, era judia. Acho que os campos de concentração foram uma decisão tomada em outras esferas do governo. Hitler era só um homem, por trás dele havia toda uma máquina estatal.

É óbvio que Hitler estava ciente sobre os Campos de Concentração. A questão é de outra natureza: tudo aquilo que sabemos “oficialmente” sobre o Holocausto é verdade? Por que não podemos estudar, pesquisar e escrever livremente sobre este assunto? Que verdade é essa que necessita da força da lei para se manter? – NR.

Como você começou a trabalhar diretamente com Hitler?

Rochus Misch: Eu não era nazista. Era apenas um soldado como outros milhões de Alemães. Mas logo no começo da guerra fui ferido na Polônia e o chefe do meu batalhão me indicou para exercer a função de segurança do Führer.

Intolerantes da Antifa incitam ao ódio contra Rochus Misch durante entrevista

Depois da guerra, quanto tempo passou preso na União Soviética?

Rochus Misch: Nove anos. Em 1946, voltei a Berlim só para o Tribunal de Nuremberg, não como acusado, mas como testemunha.

O que acontece durante os nove anos na União Soviética?

Rochus Misch: Fui torturado. Eles não acreditavam que Hitler estivesse morto.

O que teria acontecido caso a Alemanha não tivesse perdido a guerra?

Rochus Misch: Hitler era pró-ingleses. Acreditava que aconteceria uma guerra entre Leste e Oeste, comunismo contra capitalismo, e os ingleses iam liderar a guerra contra os bolchevistas. Em 1940 ingleses e alemães se encontraram em Portugal para negociar o fim da guerra. Nós, testemunhas, sabemos disso. Os historiadores só escrevem o que querem escrever.

**nota: O Oberscharführer Rochus Misch nasceu em Oppeln, Baixa Silésia, em 29 de julho de 1917 e faleceu em Berlim, 5 de setembro de 2013 aos 96 anos de idade, quatro anos depois de dar essa famosa entrevista e merece ser lembrado como um homem que defendeu e lutou pelo seu país até o fim, sem mudar suas convicções por conta de terceiros ou opiniões.


Fonte:



Nota:

*Alteração da edição do blog (no jornal: “ditador” – NR)

**Alteração da edição do blog

***Alteração da edição do blog (no jornal: “grande ditador” – NR)

Fonte original: Jornal “O Sul”. Caderno de Reportagem, página 15. Porto Alegre, segunda-feira, 28 de fevereiro de 2005.

Comentários

  1. " ... Mas Hitler e os alemães não querem a guerra! De acordo com os nossos princípios de política, o "equilíbrio de poder", temos incitado, através dos americanos ao redor de Roosevelt, a guerra contra a Alemanha, a fim de destruir isso. Nós não respondeu às várias solicitações por Hitler para a paz! Agora, temos de estabelecer, de que Hitler estava certo: em vez de uma cooperativa alemã ofereceu-nos por Hitler, somos confrontados com o poder imperial gigantesco da União Soviética ... "Sir Hartley Shawcross
    http://www.germanvictims.com/2015/01/04/murderer-of-our-leaders/

    "… but Hitler and the German people did not want war! According to our principles of politics, the “balance of power,” we have incited, through the Americans around Roosevelt, war upon Germany in order to obliterate it. We have not answered to the various entreaties by Hitler for peace! Now we must establish, that Hitler was right: Instead of a cooperative Germany offered us by Hitler, we are confronted with the gigantic imperial power of the Soviet Union”
    Sir Hartley Shawcross

    https://www.youtube.com/watch?v=aVRlx92yyyQ

    ResponderExcluir
  2. só quem vive alienado pelo sionismo, pode achar ou acreditar que Hitler era um monstro, quando na verdade era um ser humano bom.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

O Sentinela - Mídia dissidente brasileira

O mais lido da semana

A família de Hitler e seus descendentes hoje

Adolf Hitler e Eva Braun, sua futura esposa, com quem se casaria, segundo relato, pouco antes da capitulação frente aos aliados

Um assunto bastante curioso e interessante, porém, pouco e até mesmo delicado de se tratar é a questão da família de Hitler e seus descendentes no contexto do pós guerra. Evitado tanto pelo lado daqueles que lutaram contra a Alemanha Nacional-Socialista, quem sabe pelo fato de terem em cheque uma acusação de perseguição infundada e por isso mantenham interesses em ocultar certos segredos, quanto por aqueles que são e foram seus simpatizantes, talvez por falta de informação ou censura. 
Muitas foram e ainda são as especulações a cerca da origem do Chanceler alemão e sua descendência. Umas dizem que Hitler teria sangue judeu correndo e suas veias, vindas de seu avô (ou bisavô), ou que seria um membro família Rotschild (banqueiros judeus) ou mesmo que Hitler teria tido filhos e escondido tal fato da mídia, mas que porém, com a queda da Alemanha, os Aliados teriam …

2 milhões de alemãs - O Maior estupro em massa da História

Na foto, mulheres que suicidaram-se em uma praça, para não vivenciarem os estupros.
Aos 80 anos, Gabriele Köpp tem problemas com sono, por vezes, simplesmente não consegue comer. Aos 15 anos, ela foi repetidamente violada por soldados soviéticos, sendo virgem e não tendo nenhum conhecimento prévio sobre o sexo.
A revista "Spiegel" escreve que não existem os dados exatos sobre a quantidade de mulheres alemãs violadas pelo exército soviético, o número que aparece em várias publicações aponta para dois milhões de mulheres (2.000.000). Segundo a investigação do Dr. Philipp Kuwert, especialista de traumas e chefe do Departamento de Psiquiatria e Psicoterapia do Hospital universitário de Greifswald, a idade média das vítimas de violações soviéticas era de 17 anos e cada mulher foi violada em média 12 vezes. Quase metade das vítimas possui síndromes pós – traumáticos, incluindo os pesadelos, tendências de suicídio, anestesia emocional. Cerca de 81% destas mulheres adquiriram o efeito…

Matt Parott: A capital de israel é Washington D.C.

Por Matt Parott
A capital de uma nação é o seu lugar de poder incontestável, a base de onde ele dirige sua política militar e doméstica, seu centro de gravidade e seus cofres econômicos. Trump se inverteu em mais uma promessa de campanha, declarando que a embaixada dos Estados Unidos em Israel precisa se mudar de Tel Aviv, o centro neuronal real de Israel, para Jerusalém, como parte de um esforço para roubar mais território dos árabes. Em sua campanha, Trump prometeu ser um corretor honesto, para alavancar suas habilidades de negociação de classe mundial para tentar negociar a paz no Oriente Médio. Sem desculpas, ele está quebrando essa promessa.
O homem que escreveu "The Art of the Deal" não conseguiu concessões de Israel. Ele envolveu esta declaração sem nenhum acordo global de qualquer tipo que possa ser interpretado como uma tentativa de tentar chegar a um resultado justo. Trump está intimidando os palestinos em nome dos judeus, mesmo que a comunidade judaica americana per…

Benjamin Freedman, um judeu expondo a judiaria organizada pelo mundo

Benjamin Harrison Freedman [Friedman] foi uma das pessoas mais intrigantes e surpreendentes do século XX. Nascido em 1890, foi um empresário judeu bem-sucedido de Nova Iorque e chegou a ser o principal proprietário da Woodbury Soap Company. Rompeu com a Judiaria organizada após a vitória judaico-comunista de 1945 e gastou o resto de sua vida e grande parte da sua considerável fortuna, avaliada em cerca de 2,5 milhões de dólares, expondo a tirania judaica que envolveu os Estados Unidos.
Mr. Freedman sabia do que falava, porque tinha sido um insider [membro de um grupo com acesso a informação confidencial] nos mais altos níveis de organizações e maquinações judaicas que tinham por objectivo obter poder sobre a nossa nação [EUA]. Mr. Freedman privou de perto com Bernard Baruch, Samuel Untermyer, Woodrow Wilson, Franklin Roosevelt, Joseph Kennedy, John F. Kennedy e muitos dos homens mais poderosos dos nossos tempos.
Este discurso no Willard Hotel, em Washington DC, foi proferido perante uma…

América Latina, o último bastião ocidental? Porque o islã não cresce aqui

Segundo um estudo feito pelo Pew Research Center (Centro de Pesquisas Pew - PRC) (1), intitulado; "O Futuro das Religiões do Mundo", divulgado em abril desse ano, prevendo a projeção para o futuro das religiões, indicou que o número de adeptos do islã irá ultrapassar, caso assim continue, o número de cristãos até o fim desse século (entre 2050 - 2100, tornando-se a religião com o maior número absoluto de fiéis do planeta. E, seguindo a contra corrente mundial, a única região do mundo em que isso não vai acontecer é a da América Latina, pois o aumento do número de seguidores do Corão não acompanha o ritmo registrado em outras partes do mundo. Oque, por conseguinte, aponta essa parte da América como a única região onde a taxa de crescimento da população estimada para 2050 supera com folga o aumento de muçulmanos.
O islã, como se pode deduzir no parágrafo acima, é de fato a religião que mais cresce no mundo. O levantamento prevê que, entre 2010 e 2050, enquanto a média de cresci…

Nimrod de Rosario, Sabedoria Hiperbórea e Geopolítica

Luis Felipe Moyano (1946-1996), mais conhecido como Nimrod de Rosario, foi um escritor argentino que estudou profunda e extensivamente a comparatividade de religiões, a espiritualidade e a mitologia ao longo da história; e deu desenvolvimento a uma Cosmologia gnóstica conhecida como Sabedoria Hiperborea. Ele é o autor de "El Misterio de Belicena Villca" (O Mistério de Belicena Villca), um romance místico-histórico, e dos dois volumes do tratado "Fundamentos de la Sabiduría Hiperbórea" (Fundamentos da Sabedoria Hiperbórea), um estudo complexo, incluindo muitos detalhes científicos, lidando muitas vezes com a Física e as correlações de tempo-espaço.
Ele também foi o fundador da sociedade esotéricasecreta OCTRA (Orden de Caballeros Tirodal de la República Argentina -  Ordem Tirodal dos Cavaleiros da República Argentina, sendo "Tirodal" uma contração dos nomes das duas runas "Tyr" e " Odal "), e se correspondia com o conhecido escritor chil…

A Grande Farsa do Holocausto Judaico (PARTE I) - "Fotos Falsificadas"

Todos os anos desde o fim da Segunda Guerra Mundial nos deparamos com centenas de livros, documentários, seriados de TV e tantos outros materiais relacionados ao genocídio ou ao assassinato de 6 milhões de judeus em câmaras de gás nos campos de concentração, cometidos pelos Nacional-Socialistas durante a Segunda Guerra Mundial, mais precisamente do ano de 1942 à 1945. Não seria lógico entender a invenção do Holocausto como uma maneira de esconder os crimes cometidos pelos próprios aliados em Hiroshima, Nagasaki, Dresden e tantos outros? Como podemos explicar a atual posição de alguns historiadores e até mesmo do ex-presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, em negar tal acontecimento? Como muitos sabem, e também muitos não sabem, na Europa a negação do Holocausto vêm sendo criminalizada com leis específicas, impedindo pesquisadores e pessoas sérias de saberem o que de fato aconteceu nos campos de concentração alemães durante o período de 1942 até 1945. 
No entanto, este grave crime cont…

A investigação que revelou "exércitos" de perfis falsos usados para influenciar eleições e a política no Brasil

Todos os seres humanos pensantes ao uns poucos anos atrás só sabiam de monitoramento em escala mundial através de filmes de ação e espionagem geralmente hollywoodianos. Essas mesmas pessoas ficaram bestificadas, outras em negação e muitas nem se quer suspeitam da gravidade dos fatos, quando Eduard Snowden desertou do próprio país e revelou ao mundo que a NSA investigava a tudo e a todos através de todos os meios de comunicação existentes. Também tivemos o mesmo tipo de reação, quando Julian Assange através do intrépido "Wikilliks" revelou os esquemas de chantagem, sabotagem e falcatruas contra os povos da terra cometidos pelo governo estadunidense através de anos, incluindo suas figurinhas mais proeminentes como o "satã de saias" sra. Hillary Clinton. 
Depois de tudo isso não é difícil, porém não menos grave, que em nosso país geopoliticamente estratégico enquanto nação dominada não tivesse seus próprios meios de sabotagem interna parecidos, onde um grande exemplo s…

6 anos sem Kadhafi: o "fenômeno" cuja morte arruinou Líbia

Faz hoje cinco anos desde que o líder líbio foi morto a sangue frio perante câmeras de celulares e com o consentimento dos países que participaram da campanha anti-líbia de 2011. 
NT: matéria de 28/11/2016
O coronel Muammar Kadhafi liderou o país por 42 anos. A guerra civil que se iniciou no momento de sua morte continua há já cinco anos. Todas as tentativas de criar órgãos de governação fracassaram, a economia está arruinada. A crise foi substituída pelo caos, que ameaça toda a região, e isso se tornou no resultado da tentativa das potências ocidentais para alterar a organização política dos países africanos.
A Sputnik Árabe falou com o jornalista favorito do líder líbio, Abdel Baset bin Hamel. A experiência líbia, que continuou por 42 anos sob o governo de Muammar Kadhafi, permanecerá como parte incomparável da história do país. O país passou de forma regular por reformas, porque de vez em quando surgiam problemas na educação, saúde ou infraestrutura. Entretanto, a razão da crise de hoj…

Terceira Posição: sintese Histórica e Ideologica

tradução: Gabriel Pimentel
Recentemente tem havido algumas discussões no que diz respeito ao que constitui ao terceiro posicionamento politico. Eu decidi tomar ele próprio como tema, e iniciar uma discussão sobre a história da terceira posição, suas variantes, e algumas dessas variantes como princípios ideológicos.
Eu não quero que este tema para se degrade em um debate sobre se ou não conceitos tais como o nacional-anarquismo são compatíveis com o nacionalismo "terceirista", esta discussão é principalmente sobre a história e a ideologia dos movimentos de terceira posição, por isso peço a todos centrem esta conversa em torno destes temas exclusivamente.
Definição:
O conceito de terceira posição é algo muito básico. É uma vértice que se dissipa entre o capitalismo e o socialismo, algo como uma "terceira opinião".
Os historiadores e teóricos políticos normalmente usam o termo para descrever várias correntes ideológicas nacionalistas que se originaram no início do século 2…