Pular para o conteúdo principal

Roman Nikolai Ungern-Sternberg, o "Barão Louco"


Roman Nikolai Fyodorovich von Ungern-Sternberg

Poucos sabem sobre Nikolai von Ungern-Sternberg. Protagonista da Independência mongol, anti comunista e monarquista fervoroso, Nikolai devolveu o trono ao Bogd Khan mongol e lutou durante cinco anos contra os revolucionários bolcheviques.

Um comandante militar anticomunista e nacionalista; um visionário eurasiático e um místico orientalista. Poucos devem ter ouvido falar de Ungern-Sternberg. Mas com certeza muitos sabem algo sobre o "Barão Louco". Gênio militar do início da era soviética, Ungern representou visões aparentemente contraditórias dentro de uma mesma personalidade. Participou da guerra contra os japoneses, serviu na Primeira Guerra Mundial, liderou tropas cristãs contra os turcos otomanos,ajudou no processo de independência da Mongólia e lutou contra os revolucionários socialistas russos. 

PRIMEIROS ANOS

Nascido protestante em uma família Luterana, batizado Roman Nikolai Fyodorovich von Ungern-Sternberg, nascido em 29 de Dezembro de 18885 na cidade de Graz, na Áustria, filho de Sophie Charlotte von Ungern-Sternberg e Theodor Leonhard von Ungern-Sternberg, desde cedo o garoto seria instruído para a vida militar. Mudou-se com seus pais para Reval, Estônia em 1888, e seus pais se divorciaram em 1891. Sophie casou-se com Oskar Anselm Hermann von Hoyningen-Huene. 

EDUCAÇÃO MILITAR

Aos 17 anos, Nikolai frequentou a escola ginasial Nicolas I, na cidade de Tallim. Aos 18 anos ele entrou para a Escola de Cadetes e Oficiais da Marinha, em São Petersburgo, então capital do Império Russo. Aos 20 anos juntou-se à frente oriental na guerra russo-japonesa atuando em operações na Manchúria. Ele foi transferido em 1906 para servir na Escola Militar Pavlovskoe, em São Petersburgo. Naquele ano ganhou o posto de cadete. Foi promovido ao posto de oficial após sua graduação, servindo na Sibéria no 1 Regimento Cossaco de Amursky. 

O ENCANTO NÔMADE 

Durante seu serviço na Sibéria Oriental, Nikolai se atraiu pelo estilo de vida nômade dos mongóis, Ele mesmo adotou vários costumes tradicionais desse povo. Em 1913, ele começou a auxiliar os mongóis em sua luta pela independência do país. Na época dominado pela China. Na cidade Mongol de Khovd, ele serviu como oficial Cossaco no consulado russo. 

O "BARÃO LOUCO" OU O "BARÃO SANGRENTO"

Com a explosão da Primeira Guerra Mundial, Nikolai foi enviado para a linha de frente em 19 de Julho de 1914. participando do 34 Regimento de Cossacos no fronte da Áustria. De 1915 a 1916 ele participou de diversos ataques pela Cavalaria Especial de L. N. Punin. Foi durante a Grande Guerra que Nikolai ganhou a fama de intrépido e destemido, e também de louco, dado o caráter muitas vezes imprudente e inconsequente de suas ações. Ganhou diversas condecorações ao fim da guerra, mas foi removido de seu posto por "falhar na obediência as ordens".

CRISTÃOS CONTRA TURCOS

Em 1917, Ungern foi transferido para o Cáucaso, na frente contra o Império Turco Otomano (atual Turquia). Em Abril do mesmo ano, ele e Grigory Semyonov organizaram um exército de soldados cristão siríacos voluntários contra os turcos, que obtiveram diversas vitórias. Mas essas vitórias não influenciaram na guerra de modo decisivo. 

CONTRA OS BOLCHEVIQUES

Após a Revolução Bolchevique de Outubro de 1917, Ungern e Semyonov manifestaram-se fiéis a família dos Romanov e contrários aos revolucionários. Semyonov nomeou Ungern como governador da Dauria, uma área extensa no sudoeste do lago Baikal. Os dois eram fanaticamente anti-Bolcheviques. mas não se uniram ao Exército Branco, já que eles não reconheciam a autoridade de Aleksandr Kolchak, líder dos soldados brancos na Sibéria. Os dois comandantes agiram de forma autônoma contra os bolchevistas. 

BRANCOS E VERMELHOS

Durante essa época Ungern tornou-se famoso pelo seu comportamento tipicamente excêntrico e nada convencional, o que lhe valeu o apelido de "Barão Louco". Ele e Semyonov receberam apoio dos japoneses, com dinheiro e armas. Entretanto eles eram vistos pelos líderes do Exército Branco como traidores, principalmente por Denikin e Kolchak, partidários de um movimento único contra os vermelhos. Desse modo Nikolai tornou-se inimigo tanto dos Vermelhos quanto dos Brancos.



LÍDER DAS NAÇÕES

Várias operações militares bem sucedidas foram conduzidas em Dauria e Hailar, o que garantiu a Nikolai Ungern o posto de Major-General. Semyonov o nomeou como comandante da estação de trem de Dauria e lhe confiou unidades militares para lutar contra as forças Bolcheviques. Nikolai criou a Divisão de Cavalaria Asiática formada por soldados voluntários. A divisão criada por Nikolai era composta por várias nacionalidades e etnias como russos, buryats, bashkyrs, mongóis, chineses, japoneses, poloneses exilados, manchus, tártaros e muitos outros.

A DIVISÃO SELVAGEM

A divisão de Nikolai logo foi chamada "Divisão Selvagem", formada principalmente por soldados de povos nômades de regiões montanhosas. Grande parte deles eram veteranos que lutaram na Primeira Grande Guerra e agora lutavam contra os Bolcheviques. Nikolai construiu uma fortaleza em Dauria de onde lançava expedições contra os revolucionários. As tropas de Nikolai realizavam saques para obter suprimentos. Diversos trens que passavam na região entre Manchúria e Dauria eram atacados por ele e seus homens. 

RECONSTRUINDO IMPÉRIOS

Nikolai foi um fervoroso monarquista: acreditava que este era o único sistema social que poderia impedir a corrupção e a autodestruição da civilização ocidental. Desejava ao mesmo tempo reconstruir o Império Russo e o Império Mongol. Nikolai traçou como objetivo refazer o Império Mongol de Gêngis Khan apoiando a dinastia Qing como portadora do melhor candidato ao trono. Na época a Mongólia estava sob ocupação militar de senhores da guerra chineses pró-japoneses liderados por Xu Shuzeng. Nikolai então começou a poiar o retorno no Bogd Khan (imperador), o 8 Bogd Khan, o jovem Jebtsundamba Khuruktu ao trono da Mongólia.

O LÍDER DOS REJEITADOS

Os japoneses haviam apoiado os senhores da guerra chineses na ocupação da Mongólia em ordens de prevenir o país contra possíveis revoluções oriundas dos Bolcheviques da Rússia, que poderiam estender o poder à região e ao Norte Chinês. Porém, após o fim do financiamento japonês, as tropas chineses na região ficaram abandonadas. Como resultados muitos dos soldados revoltaram-se contra seus comandantes. Muitos desses soldados eram mongóis contratados pelos chineses, que eventualmente se uniram a divisão de Kikolai. 

CASANDO-SE COM UMA PRINCESA

Nikolai encontrou apoio entre os monarquistas da região, aliando-se com o senhor da guerra Zhang Zuolin, um general da Manchúria. Nikolai se casou com a princesa Ji da Manchúria em uma cerimônia ortodoxa cristã. Ela recebeu o sobrenome Ungern-Sternberg. O casamento teve grande significado político pois a princesa Ji era parente do General Zhang Kuiwu, comandante das tropas chinesas na Manchúria e governador de Hailar.

O RETORNO DO BOGD KHAN 

A Mongólia declarou sua independência em 13 de Março de 1921. Nikolai foi declarado como ditador mas o poder estava oficialmente nas mãos de Jebtsundamba Khuruktu, o Bogd Khan da Mongólia. 

Jebtsundamba Khuruktu, o 8 Bogd Khan da Mongólia. 

REENCARNAÇÃO DE GÊNGIS KHAN

Kikolai acreditava ser a própria reencarnação de Gêngis Khan. Atraído pelas filosofias orientais, principalmente ao exoterismo e ao budismo, Nikolai era um nacionalista russo com crenças chinesas e mongóis. Muitos mongóis o viram como a reencarnação de Jamsaran, divindade da guerra, típica do folclore tibetano. Outras muitas consideravam Nikolai como descendente de Átila, o Huno.

LIMPEZA URBANA E EXECUÇÕES

 No governo da cidade de Urga, Nikolai impôs um severo programa de urbanismo. A tumultuada região logo ganhou ordem e ainda promoveu-se uma política de limpeza pública, instalações sanitárias e promoção da vida religiosa e da tolerância na capital, bem como outras medidas de reforma econômica. Entretanto a política de Nikolai teve um caráter brutalmente antissemita. Chegando a executar 38 judeus em Urga. Provavelmente 16 nacionalidades serviam nas divisões de Nikolai, incluindo tibetanos. Provavelmente enviados pelo 13 Dalai Lama, que mantinha contato co Nikolai.

A TRANSBAIKALIA

Ainda em 1917, os Bolcheviques começaram a adentrar a Mongólia, após tomarem a região russa de Transbaikalia. Em 1921, várias divisões do Exército Vermelho invadiram a recém-independente monarquia. Damdin Sijkhibaatar, líder militar mongol pró-bolchevique foi um dos comandantes dessas unidades.

TRAIÇÃO

Diversos espiões e traidores foram enviados para disseminar a divisão entre as tropas de Nikolai. Ele organizou expedições contra essas pequenas forças na Sibéria e ofereceu apoio a movimentos revoltosos anti-bolcheviques na região. Alguns camponeses se uniram as tropas de Nikolai com a sua chegada. 

NIKOLAI E REZUKHIN 

Duas divisões foram criadas, uma sob o comando de Nikolai e outra sob as ordens do Major-General Rezukhin. Rezukhin atacou as os vermelhos ao longos da parte russa do  rio Selenge. Nikolai deixou Urga e se moveu para a cidade russa de Toitskosavsk. Os vermelhos tinham superioridade em número de tropas, reservas humanos e equipamentos militares (como veículos, aviões e barcos), munições e armas. Entre 11 e 13 de Julho, Nikolai foi derrotado nas batalhas contra os vermelhos e não conseguiu tomar a cidade de Toitskosavsk. Após pequenas lutas, os soviéticos tomaram a cidade de Urga em 6 de Julho de 1921. 



INVADINDO A URSS

Nikolai reagrupou suas tropas e tentou invadir a região de Transbaikalia. Nikolai tentou conseguir apoio de Semyonov e dos japoneses, mas esse apoio nunca chegou. Em 18 de Julho partiu com sua divisão para dentro do território soviético, com aproximadamente 3.000 homens. Nikolai consegui capturar vários vilarejos, de Novoselenginsk a região de Verkhneudinsk. Entretanto, suas posições não podiam ser mantidas contra as tropas soviéticas superiores, e ele começou uma retirada para a Mongólia em 2 de Agosto de 1921. Primeiro tentou se dirigir para Tuva, depois pensou em ir para o Tibet.

VIVO E CAPTURADO

Soldados traidores começaram planos para matar seus comandantes. Rezukhin  foi assassinado em 17 de Agosto de  1921, e no dia seguinte tentaram matar Nikolai, sem sucesso. Ele perdeu o comando de suas tropas que começaram a debandar. Em 20 de Agosto foi capturado pelos soviéticos, liderados por Shchetinkin. 

"VIVI PARA MORRER" 

Após um julgamento que durou apenas 6 horas e 15 minutos, conduzido por Yemelyam Yaroslavsky, Nikolai foi sentenciado a execução. Naquele mesmo dia ele foi fuzilado, na cidade de Novonikolaevsk. Quando soube da morte dele, o Bogd Khan mongol ordenou rezasse por sua alma por toda Mongólia.


Fonte:


Veja Também:



Comentários

  1. Contrariamente à crença popular com base na propaganda e desinformação, Hitler era um cristão e o nacional-socialismo era baseado no cristianismo, e, na verdade, todo mundo tem o direito de "liberdade de religião". Hitler também não proibiu o Natal como alguns afirmam, nem era um ocultista.

    http://justice4germans.com/2012/12/25/christmas-with-hitler-he-was-a-christian-and-national-socialism-was-based-on-christianity-not-the-occult/

    http://targetfreedomusa.com/what-was-hitlers-mindset-regarding-the-nazi-zionist-connection/

    LEILÕES IMÓVEIS JUSTIÇA TRABALHO - HASTAS PÚBLICAS IMÓVEIS - TRT 2ª REGIÃO - TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO - ADAM BLAU - GALERIA DE ARTE ANDRÉ - MÁFIA JUSTIÇA DO TRABALHO - JUÍZES TRABALHISTAS - CORRUPÇÃO LEILÕES - ESCÂNDALO JUSTIÇA - IRREGULARIDADES E FRAUDES EM PROCESSOS - MAÇONARIA NO COMANDO DA CORRUPÇÃO - ROSA CRUZ ? VENDA DE SENTENÇAS NO JUDICIÁRIO.

    http://www.midiaindependente.org/pt/red/2014/07/533540.shtml

    http://www.cristaoconfuso.com/2011/08/10-beneficios-trazidos-pelo-nazismo-e.html

    http://www.cristaoconfuso.com/2011/07/os-10-piores-demonios-da-teologia-ou.html

    http://www.cristaoconfuso.com/2011/07/as-5-expressoes-evangelicas-mais-sem.html

    http://justice4germans.com/2014/12/23/video-christmas-in-the-third-reich-weihnachtens-im-dritten-reich/

    http://antimatrix.org/Convert/Books/Rabbi_Abe_Finkelstein_Interview/Rabbi_Abe_Finkelstein_Interview.html#The_holocaust_survivors_scam

    E sabia que a Dilma assinou um documento pra ser implantado o chip do Anticristo em 2015? http://forum.antinovaordemmundial.com/Topico-hoax-presidente-dilma-aprova-chip-para-2015

    BOM FERIADO DE NATAL PARA VOCÊ
    E BOAS LEITURAS TAMBÉM.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

O Sentinela - Mídia dissidente brasileira

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Oque nossos leitores mais leem

2 milhões de alemãs - O Maior estupro em massa da História

Na foto, mulheres que suicidaram-se em uma praça, para não vivenciarem os estupros.
Aos 80 anos, Gabriele Köpp tem problemas com sono, por vezes, simplesmente não consegue comer. Aos 15 anos, ela foi repetidamente violada por soldados soviéticos, sendo virgem e não tendo nenhum conhecimento prévio sobre o sexo.
A revista "Spiegel" escreve que não existem os dados exatos sobre a quantidade de mulheres alemãs violadas pelo exército soviético, o número que aparece em várias publicações aponta para dois milhões de mulheres (2.000.000). Segundo a investigação do Dr. Philipp Kuwert, especialista de traumas e chefe do Departamento de Psiquiatria e Psicoterapia do Hospital universitário de Greifswald, a idade média das vítimas de violações soviéticas era de 17 anos e cada mulher foi violada em média 12 vezes. Quase metade das vítimas possui síndromes pós – traumáticos, incluindo os pesadelos, tendências de suicídio, anestesia emocional. Cerca de 81% destas mulheres adquiriram o efeito…

Por que os países árabes ricos não recebem os refugiados muçulmanos?

Porque eles não querem que eles residam permanentes...
Os trabalhadores estrangeiros são muito produtivos para o trabalho, melhorando a economia do país e vão para casa quando seus contratos estão chegando ao fim.
Os residentes estrangeiros, no entanto, tendem a trazer sua própria bagagem cultural e política com eles. Esses países já estão lutando para lidar com a modernização e reformas políticas/sociais, de modo que eles não precisam da "porcaria de ninguém" empilhada sobre si.
os "Idiotas do leste" estão muito felizes em ajudar...mesmo os trabalhadores estrangeiros podendo ser um fardo, como foi mostrado durante a Guerra do Golfo em 1991.
Trabalhadores palestinos e iemenitas foram expulsos de vários desses estados, porque seus governos saíram em apoio ao Iraque, ao contrário da política de seus governos, que era de acolhimento.
Com os trabalhadores estrangeiros, você pode simplesmente cancelar seus vistos e enviá-los para casa. Se você tem pessoas aceitas como imigra…

A família de Hitler e seus descendentes hoje

Adolf Hitler e Eva Braun, sua futura esposa, com quem se casaria, segundo relato, pouco antes da capitulação frente aos aliados

Um assunto bastante curioso e interessante, porém, pouco e até mesmo delicado de se tratar é a questão da família de Hitler e seus descendentes no contexto do pós guerra. Evitado tanto pelo lado daqueles que lutaram contra a Alemanha Nacional-Socialista, quem sabe pelo fato de terem em cheque uma acusação de perseguição infundada e por isso mantenham interesses em ocultar certos segredos, quanto por aqueles que são e foram seus simpatizantes, talvez por falta de informação ou censura. 
Muitas foram e ainda são as especulações a cerca da origem do Chanceler alemão e sua descendência. Umas dizem que Hitler teria sangue judeu correndo e suas veias, vindas de seu avô (ou bisavô), ou que seria um membro família Rotschild (banqueiros judeus) ou mesmo que Hitler teria tido filhos e escondido tal fato da mídia, mas que porém, com a queda da Alemanha, os Aliados teriam …

Negros e árabes escravizaram portugueses por 741 anos. Onde estão minhas reparações?

A grande "dívida" que os brancos tem com os negros por 400 anos de escravidão é provavelmente a maior mentira já contada na história. O preconceito contra os brancos é tão grande que até o Google mudou o resultado da minha pesquisa de “império mouro escravidão” para “império romano escravidão”. Mouro vem do latim Maures que significa Negro, devido a cor da pele deles dos integrantes do Império Mouro.
O Império Mouro foi o grande império muçulmano que conquistou o norte da África, Oriente Médio e Península Ibérica ( onde hoje se localizam Portugal e Espanha), é o mesmo império que alguns muçulmanos querem refazer através do estado islâmico. Com o regime de Califado, onde um homem seria escolhido por Deus para liderar o povo muçulmano na conversão do mundo para o islamismo.
Com o declínio do Império Romano, o Califado conseguiu uma brecha e em menos de uma década conquistou a península Ibérica inteira. Apesar da resistência de algumas regiões que voltaram rapidamente ao domínio …

Os judeus a Revolução Comunista russa e o assassinato do Czar

Acima, Tatiana e Olga; Sentados: Maria, Alexandra, Nicolau e Anastácia. E no chão, Alexei
Por Mark Weber
Na noite de 16-17 de julho de 1918, uma esquadra da polícia secreta Bolchevique assassinou o último imperador da Rússia, o Czar Nicolau II, junto com sua esposa, a Czarina Alexandra, seu filho mais velho de 14 anos, o Czaverch Alexis, e suas quatro filhas. Eles foram abatidos numa salva de balas num pequeno espaço de um cômodo da casa em Ekaterinoburgo, uma cidade na região dos Montes Urais, onde eles estavam mantidos como prisioneiros. A complementação da execução das filhas foi feita com baionetas. Para prevenir o culto ao Czar morto, os corpos foram descartados para o campo aberto e apressadamente enterrados em um túmulo secreto.
Avaliando o sinistro legado do comunismo soviético
As autoridades Bolcheviques inicialmente relataram que o imperador Romanov tinha sido baleado após a descoberta de um plano para liberar ele. Por algum tempo as mortes da Imperatriz e das crianças foram…

Gudrun Burwitz, a filha de Himmler, ativismo e família

Gudrun Burwitz, hoje com 86 anos. Na foto, aos desperdice dos netos no subúrbio do Munique, onde mora até hoje
Ao acenar adeus a seus netos, Gudrun Burwitz apresenta a figura de uma mulher pronta para viver o resto de seus dias em paz e sossego. Porém, a filha de Heinrich Himmler ainda trabalha em um ritmo forte em seu ativismo a favor dos perseguidos pelo sistema por serem ou trabalharem para o nacional-socialismo.
A Sra. Burwitz sempre alimentou a memória de seu pai, o homem que dirigia a Gestapo, e a SS como um homem bom e digno.
E apesar de sua idade avançada, formada advogada, ela continua a ajudar antigos integrantes do nacional-socialismo a escapar da perseguição judicial a qual foram impostos pelos inimigos da Alemanha. 
Como a figura de liderança do grupo Stille Hilfe – Ajuda Silenciosa – ela provê todo tipo de ajuda, inclusive financeira, aos ex-integrantes nazi e colaboradores. Grupo formado em 1951 por um grupo de oficiais de alta patente das SS, na Alemanha, o grupo existe pa…

O calvário das viúvas da ocupação

Após a liberação dos territórios ocupados pelos alemães dos países europeus, milhares de mulheres que tinham relacionamentos com soldados alemães foram expostas a execuções humilhantes e brutais nas mãos de seus próprios concidadãos. Era a "Épuration Légale" ("purga legal"), a onda de julgamentos oficiais que se seguiu à liberação da França e da queda do Regime de Vichy. Estes julgamentos foram realizados em grande parte entre 1944 e 1949, com ações legais que perduraram por décadas depois.
Ao contrário dos Julgamentos de Nuremberg, a "Épuration Légale" foi conduzida como um assunto interno francês. Aproximadamente 300.000 casos foram investigados, alcançando os mais altos níveis do governo colaboracionista de Vichy. Mais da metade foram encerrados sem acusação. De 1944 a 1951, os tribunais oficiais na França condenaram 6.763 pessoas à morte por traição e outros crimes. Apenas 791 execuções foram efetivamente realizadas. No entanto, 49.723 pessoas foram …

A Grande Farsa do Holocausto Judaico (PARTE I) - "Fotos Falsificadas"

Todos os anos desde o fim da Segunda Guerra Mundial nos deparamos com centenas de livros, documentários, seriados de TV e tantos outros materiais relacionados ao genocídio ou ao assassinato de 6 milhões de judeus em câmaras de gás nos campos de concentração, cometidos pelos Nacional-Socialistas durante a Segunda Guerra Mundial, mais precisamente do ano de 1942 à 1945. Não seria lógico entender a invenção do Holocausto como uma maneira de esconder os crimes cometidos pelos próprios aliados em Hiroshima, Nagasaki, Dresden e tantos outros? Como podemos explicar a atual posição de alguns historiadores e até mesmo do ex-presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, em negar tal acontecimento? Como muitos sabem, e também muitos não sabem, na Europa a negação do Holocausto vêm sendo criminalizada com leis específicas, impedindo pesquisadores e pessoas sérias de saberem o que de fato aconteceu nos campos de concentração alemães durante o período de 1942 até 1945. 
No entanto, este grave crime cont…

A verdade sobre Olga Benário e Prestes

Olga Gutmann Ben-Ario (1908 - 1942)
Por: Luiz Gonçalves Alonso Ferreira (1)

Na alvorada de março de 1934, vindo de Buenos Aires portando passaporte americano, desembarcara no Rio de Janeiro um sujeito de nome Harry Berger. Preso pela polícia carioca no natal de 1935, logo revelou-se a identidade secreta do viajante. Chamava- se, o misterioso elemento, Arthur Ernst Ewert, judeu alemão, fichado em seu país de origem, no qual era ex- deputado, como espião. Constava também processo por "alta traição".
Berger era o agente do Komintern, especialista em golpes subversivos, enviado para o Brasil com a missão de dirigir intelectualmente o plano traçado em Moscou, que objetivava a instauração de uma ditadura de tipo stalinista no País, por meio de levante armado. Sob ordens de Berger, lá estava Luiz Carlos Prestes, homem escolhido para encabeçar um "governo popular nacional revolucionário", segundo relatório do próprio Berger para o Komintern.
Prestes angariou simpatia no meio c…

“Nossas mães, nossos pais” - Um filme sobre a verdade da guerra

O filme “Nossas mães, nossos pais” (do alemão: "Unsere Mütter, unsere Väter"), exibido pelo canal de televisão alemão ZDF, conta a história de cinco jovens para os quais a Segunda Guerra Mundial se torna um desafio moral e ético, deixando clara a impressão de que a Alemanha está cansada de arrependimentos. O filme basicamente apresenta os soldados soviéticos como estupradores, os poloneses como antissemitas desumanizados e os ucranianos como sádicos. O contexto do drama vivido na invasão da Europa na sua verdadeira face.
A diplomacia russa considerou inaceitável o filme e enviou uma carta ao embaixador da Alemanha dizendo que a “maioria absoluta dos russos que teve a oportunidade de assistir ao filme” o achou inaceitável. Também foi criticado a exposição que fez o filme as atrocidades cometidas pelas tropas da URSS aos excessos isolados perpetrados por militares soviéticos na Alemanha, os quais foram severamente punidos pelo comando militar soviético, mas tão só depois de um …