Pular para o conteúdo principal

A despedida (triunfal) de Rosenberg



Alfred Rosenberg foi um homem muito à frente de seu tempo. Passadas décadas desde a disponibilização de sua obra magna, podemos mesmo afirmar que fora capaz de profetizar inúmeros acontecimentos negros do pós-guerra, como fruto da derrota do Eixo. Contudo, também seus escritos trazem em si a fórmula de um novo despertar; não apenas na Alemanha, senão em âmbito mundial, pois é de um poder centralizado que emana a decadência a nível global. Para isto, evocou o despertar do mito racial como essência única de uma possível revolução mundial, "não na Europa somente, senão em todo o âmbito da terra. Este despertar é o contra-movimento orgânico que faz frente às últimas proteções caóticas do Imperialismo mercantil liberal-econômico, cujos objetos de exploração se deixaram abraçar pelo despertar das redes do marxismo bolchevique, para completar o que a Democracia havia começado: a erradicação da consciência nacional e racial".

E como todos os homens santos ou de bem foram vítimas da injustiça e incompreensão de seu tempo, com Rosenberg não poderia ser diferente: o filósofo e teórico-chave do Movimento Nacional-Socialista fora levado a julgamento em Nuremberg, e, sob os auspícios dos vencedores, enforcado enquanto "criminoso de guerra".

No livro "Entrevistas em Nuremberg", o psiquiatra judeu-americano Leon Goldensohn revela um dos últimos diálogos tidos com Rosenberg antes de sua morte. Esta obra, que conta também com a participação de Robert Gellately, constitui quase uma exceção, se comparada com o fenômeno sempre constante da produção literária sobre a Segunda Guerra Mundial. Muito embora estando também longe de ser um trabalho de cunho revisionista, Goldensohn disponibiliza na íntegra os trechos de entrevistas com os presos alemães, apesar de suas observações por vezes serem um tanto quanto infelizes e impertinentes.

A esquerda, Alfred Rosenberg  (1893 -  1946) ao lado de Hitler, foi um político e escritor alemão, sendo o principal teórico do nacional-socialismo, sintetizado na obra O Mito do Século XX ("Der Mythus des zwanzigsten Jahrhunderts", 1930). Conselheiro de Adolf Hitler, chegando a ser ministro encarregado dos territórios da Europa Oriental em 1941.


O primeiro encontro se dá a 3 de Fevereiro de 1946. Goldensohn observa que Rosenberg vestia um casaco de uniforme americano e que o saudou, assim como a seu intérprete Gilbert, com "amabilidade superficial". Gilbert há algumas semanas havia trazido a Rosenberg uma versão comentada dos "Protocolos dos Sábios de Sião" e o psiquiatra desejou saber se, após a leitura, Rosenberg continuava a pensar da mesma maneira sobre os judeus. O ideólogo então afirmou que sendo verdadeiros ou falsos, a questão em si lhe era indiferente, pois isto não encobria o "segredo oculto" da tamanha influência e poderio judaicos em nosso tempo. 

Para Rosenberg, o ponto central desta questão está muito além do simples apócrifo. A causa da questão judaica era o próprio povo judeu. "Os judeus são uma nação", afirmava, "e, como qualquer nação, têm um espírito nacionalista. Isso não tem problema, mas os judeus deviam estar na sua própria nação. Ora, em 1936, os ingleses propuseram diversos locais para os judeus (houve uma proposta conjunta dos franceses e alemães, que os judeus recusaram). Esses locais eram o Alasca, a Guiana, Madagascar e Uganda".

O filósofo do NS, preso em Nuremberg, 1946
E seguiu a mencionar que "os judeus não poderiam ficar onde estavam" pelo fato de terem escarnecido a cultura alemã, controlando "o teatro, a edição, as lojas, etc.". No entanto, Rosenberg, apesar das críticas, não se considerava um fanático com relação aos judeus, mencionando que em sua obra "Blut und Ehre" não há uma sequer passagem que faça referência aos judeus.

Sobre a questão da raça, afirmou simplesmente, quando perguntado, que "todos os médicos sabem que há diferentes tipos de raças". 

Em 8 de Junho, Goldensohn encontra Rosenberg pela segunda e última vez. Quando questiona o teórico sobre o que o levava a se opor ao bolchevismo, Rosenberg reagiu como se isto sequer necessitasse de explicações:

"O bolchevismo quer destruir pelo poder uma cultura estatal muito sensível, sem qualquer consideração pela história da nação. Em segundo lugar, o bolchevismo quer fazer isto para benefício de uma única classe da população. Em terceiro lugar, o bolchevismo luta essencialmente contra a propriedade privada. Cria cooperativas entre os agricultores e destrói o sistema agrícola. Opõe-se aos princípios sobre os quais mais ou menos todos estados se baseiam".

Expôs que "o Partido Comunista é controlado por um departamento central. Este departamento central situa-se em Moscou. Por isso, em vários países, o comunismo está na origem do estado individual ou é uma expressão de nacionalismo. Este bolchevismo da Internacional Comunista tem o apoio de um estado forte, a Rússia. A comissão só faz a política na Rússia, como prescreve a política dos bolchevistas de todo o mundo".

Quando perguntado sobre se acaso aprovaria o sistema do comunismo, desde que ele existisse num único país e adquirisse poder sem ajuda da Internacional Comunista, Rosenberg respondeu que "todos os estados podem e devem escolher a sua forma de governo; é um direito da nação. Se, por exemplo, em território russo existisse um comunismo russo, não teríamos nada a ver com isso, desde que se limitasse a esse país".

Com relação a uma discussão que diz respeito aos sistemas políticos, respondeu: "Sou da opinião que teria sido um erro o Partido Nacional-Socialista tomar o poder pela força. Os nacional-socialistas foram eleitos legalmente em 1933 e não houve um movimento revolucionário como na Rússia bolchevique. Também estou convencido de que o Nacional-Socialismo conseguiu chegar ao poder em 1933, porque a Alemanha se encontrava numa pobreza extrema e à beira de uma guerra civil".

Goldensohn desejou saber se Rosenberg teria sido um democrata caso a Alemanha de 1933 o tivesse sido. "Durante catorze anos", afirmou, "a Alemanha teve um governo democrático, que fracassou - Havia muitas facções partidárias. O Partido Nacional-Socialista foi eleito pela maioria dos votos, no que se costuma designar de modo democrático. De fato, se nessa altura tivéssemos uma eleição segundo o sistema eleitoral inglês ou americano, os lugares do Reichstag teriam ficado todos preenchidos com nacional-socialistas. Na França e na Alemanha, existe um sistema proporcional em que membros de partidos rivais conseguem ocupar lugares do parlamento se tiverem a maioria dos votos numa seção particular da região de que são oriundos. O Partido Nacional-Socialista chegou ao poder de um modo legal, porque foi o partido com mais votos na eleição".

E seguiu a afirmar de maneira categórica: 

"Ao fim de catorze anos, o governo democrático deixou-nos com sete milhões de desempregados, seis milhões de votos comunistas e empresas que se encontravam em estado de falência. O total de empresas falidas era do tamanho de todo o estado de Wüttenberg. Numa tal situação, o estado teve de dar ordens abrangentes e autoritárias para acabar com o desemprego e evitar a guerra civil. Em todos os estados, há leis que são criadas e não são votadas se o estado se encontrar numa situação crítica. Até o vosso presidente Truman, recentemente, teve de ameaçar tomar posse dos caminhos-de-ferro, porque os trabalhadores estavam a ameaçar fazer greve geral, ou uma emergência semelhante, o governo tem de atuar". 

Rosenberg também mencionou que, diante disso, muitos americanos eliminaram seus preconceitos com relação ao Nacional-Socialismo após terem visitado a Alemanha, convictos de que este país "não podia viver sujeito ao Tratado de Versalhes". Como exemplo, citou o presidente da câmara de Boston, que, inclusive, proferiu discursos em favor da Nova Alemanha. Também o Gen. Tasker Bliss, assim como Lloyd George, reconheceu-o, durante a Convenção de Versalhes. Para Rosenberg, o tratado fora uma "violação internacional dos Catorze Pontos de Wilson". 

Acerca do tribunal em questão, o teórico observou que se tratava de uma grande hipocrisia, pois enquanto se falava sobre possíveis "atrocidades alemãs", esquecia-se do drama vivenciado pelas comunidades alemãs em territórios como a Polônia.

Em seção do Julgamento de Nuremberg, 1946

Antes de encerrar a entrevista, Rosenberg ainda fez questão de mencionar que, por compreender o russo, sabia que estava sendo prejudicado pelos intérpretes russos, cujas traduções não correspondiam com o sentido original de suas palavras.

Alfred Rosenberg fora muito além de um simples teórico, pois pôde construir através de palavras os alicerces sobre os quais todo um povo, reconhecendo sua grandeza arquetípica e revivendo o mito racial, pôde levar a cabo de 12 anos uma revolução sem igual neste período último da história da humanidade. Acima de tudo, sustentou seus ideais até o fim. É ainda hoje vítima de injustiça, mas outros tempos virão. Rosenberg não apenas será estudado com apreço, como admirado por sua trajetória. Em 100 ou 200 anos, dirão: "Rosenberg foi levado à forca pelos seus próprios escritos, e defendeu seus ideais até a morte. Foi banido das universidades e dos círculos intelectuais, mesmo tendo sido um revolucionário no campo das idéias, a enxergar a história da humanidade sob o prisma racial. Hoje, por sorte, os tempos são outros e nos é permitido conhecê-lo em sua profundidade". 

Comentários

  1. ROSENBERG SE OPUNHA AOS IMPERIOS DE LONDRES ALEM MAR E CIA; NY E MOSCOU QUERIAM UMA GUERRA NA EUROPA PRA DESTRUIR ESSES IMPERIOS E TOMAR ELES PRA SI SÓ QUE DE MODO MENOS OFICIAL QUE OS CLASSICOS; PELOS BASTIDORES; O MELHOR GADO É AQUELE QUE ACHA QUE É LIVRE DAI POR QUE NY TODA HORA REPETIR LEMAS COMO FALSA LIBERDADE SÓ PARA DIZER COISAS KOSHERS ETC

    ResponderExcluir
  2. É UTOPICA QUALQUER SOLUÇÃO PARA ESTE ESTADO DE COISAS FORA DE UM INVERNO NUCLEAR TOTAL

    ResponderExcluir

Postar um comentário

O Sentinela - Mídia dissidente brasileira

O mais lido da semana

A família de Hitler e seus descendentes hoje

Adolf Hitler e Eva Braun, sua futura esposa, com quem se casaria, segundo relato, pouco antes da capitulação frente aos aliados

Um assunto bastante curioso e interessante, porém, pouco e até mesmo delicado de se tratar é a questão da família de Hitler e seus descendentes no contexto do pós guerra. Evitado tanto pelo lado daqueles que lutaram contra a Alemanha Nacional-Socialista, quem sabe pelo fato de terem em cheque uma acusação de perseguição infundada e por isso mantenham interesses em ocultar certos segredos, quanto por aqueles que são e foram seus simpatizantes, talvez por falta de informação ou censura. 
Muitas foram e ainda são as especulações a cerca da origem do Chanceler alemão e sua descendência. Umas dizem que Hitler teria sangue judeu correndo e suas veias, vindas de seu avô (ou bisavô), ou que seria um membro família Rotschild (banqueiros judeus) ou mesmo que Hitler teria tido filhos e escondido tal fato da mídia, mas que porém, com a queda da Alemanha, os Aliados teriam …

2 milhões de alemãs - O Maior estupro em massa da História

Na foto, mulheres que suicidaram-se em uma praça, para não vivenciarem os estupros.
Aos 80 anos, Gabriele Köpp tem problemas com sono, por vezes, simplesmente não consegue comer. Aos 15 anos, ela foi repetidamente violada por soldados soviéticos, sendo virgem e não tendo nenhum conhecimento prévio sobre o sexo.
A revista "Spiegel" escreve que não existem os dados exatos sobre a quantidade de mulheres alemãs violadas pelo exército soviético, o número que aparece em várias publicações aponta para dois milhões de mulheres (2.000.000). Segundo a investigação do Dr. Philipp Kuwert, especialista de traumas e chefe do Departamento de Psiquiatria e Psicoterapia do Hospital universitário de Greifswald, a idade média das vítimas de violações soviéticas era de 17 anos e cada mulher foi violada em média 12 vezes. Quase metade das vítimas possui síndromes pós – traumáticos, incluindo os pesadelos, tendências de suicídio, anestesia emocional. Cerca de 81% destas mulheres adquiriram o efeito…

Matt Parott: A capital de israel é Washington D.C.

Por Matt Parott
A capital de uma nação é o seu lugar de poder incontestável, a base de onde ele dirige sua política militar e doméstica, seu centro de gravidade e seus cofres econômicos. Trump se inverteu em mais uma promessa de campanha, declarando que a embaixada dos Estados Unidos em Israel precisa se mudar de Tel Aviv, o centro neuronal real de Israel, para Jerusalém, como parte de um esforço para roubar mais território dos árabes. Em sua campanha, Trump prometeu ser um corretor honesto, para alavancar suas habilidades de negociação de classe mundial para tentar negociar a paz no Oriente Médio. Sem desculpas, ele está quebrando essa promessa.
O homem que escreveu "The Art of the Deal" não conseguiu concessões de Israel. Ele envolveu esta declaração sem nenhum acordo global de qualquer tipo que possa ser interpretado como uma tentativa de tentar chegar a um resultado justo. Trump está intimidando os palestinos em nome dos judeus, mesmo que a comunidade judaica americana per…

Nimrod de Rosario, Sabedoria Hiperbórea e Geopolítica

Luis Felipe Moyano (1946-1996), mais conhecido como Nimrod de Rosario, foi um escritor argentino que estudou profunda e extensivamente a comparatividade de religiões, a espiritualidade e a mitologia ao longo da história; e deu desenvolvimento a uma Cosmologia gnóstica conhecida como Sabedoria Hiperborea. Ele é o autor de "El Misterio de Belicena Villca" (O Mistério de Belicena Villca), um romance místico-histórico, e dos dois volumes do tratado "Fundamentos de la Sabiduría Hiperbórea" (Fundamentos da Sabedoria Hiperbórea), um estudo complexo, incluindo muitos detalhes científicos, lidando muitas vezes com a Física e as correlações de tempo-espaço.
Ele também foi o fundador da sociedade esotéricasecreta OCTRA (Orden de Caballeros Tirodal de la República Argentina -  Ordem Tirodal dos Cavaleiros da República Argentina, sendo "Tirodal" uma contração dos nomes das duas runas "Tyr" e " Odal "), e se correspondia com o conhecido escritor chil…

A Grande Farsa do Holocausto Judaico (PARTE I) - "Fotos Falsificadas"

Todos os anos desde o fim da Segunda Guerra Mundial nos deparamos com centenas de livros, documentários, seriados de TV e tantos outros materiais relacionados ao genocídio ou ao assassinato de 6 milhões de judeus em câmaras de gás nos campos de concentração, cometidos pelos Nacional-Socialistas durante a Segunda Guerra Mundial, mais precisamente do ano de 1942 à 1945. Não seria lógico entender a invenção do Holocausto como uma maneira de esconder os crimes cometidos pelos próprios aliados em Hiroshima, Nagasaki, Dresden e tantos outros? Como podemos explicar a atual posição de alguns historiadores e até mesmo do ex-presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, em negar tal acontecimento? Como muitos sabem, e também muitos não sabem, na Europa a negação do Holocausto vêm sendo criminalizada com leis específicas, impedindo pesquisadores e pessoas sérias de saberem o que de fato aconteceu nos campos de concentração alemães durante o período de 1942 até 1945. 
No entanto, este grave crime cont…

Benjamin Freedman, um judeu expondo a judiaria organizada pelo mundo

Benjamin Harrison Freedman [Friedman] foi uma das pessoas mais intrigantes e surpreendentes do século XX. Nascido em 1890, foi um empresário judeu bem-sucedido de Nova Iorque e chegou a ser o principal proprietário da Woodbury Soap Company. Rompeu com a Judiaria organizada após a vitória judaico-comunista de 1945 e gastou o resto de sua vida e grande parte da sua considerável fortuna, avaliada em cerca de 2,5 milhões de dólares, expondo a tirania judaica que envolveu os Estados Unidos.
Mr. Freedman sabia do que falava, porque tinha sido um insider [membro de um grupo com acesso a informação confidencial] nos mais altos níveis de organizações e maquinações judaicas que tinham por objectivo obter poder sobre a nossa nação [EUA]. Mr. Freedman privou de perto com Bernard Baruch, Samuel Untermyer, Woodrow Wilson, Franklin Roosevelt, Joseph Kennedy, John F. Kennedy e muitos dos homens mais poderosos dos nossos tempos.
Este discurso no Willard Hotel, em Washington DC, foi proferido perante uma…

América Latina, o último bastião ocidental? Porque o islã não cresce aqui

Segundo um estudo feito pelo Pew Research Center (Centro de Pesquisas Pew - PRC) (1), intitulado; "O Futuro das Religiões do Mundo", divulgado em abril desse ano, prevendo a projeção para o futuro das religiões, indicou que o número de adeptos do islã irá ultrapassar, caso assim continue, o número de cristãos até o fim desse século (entre 2050 - 2100, tornando-se a religião com o maior número absoluto de fiéis do planeta. E, seguindo a contra corrente mundial, a única região do mundo em que isso não vai acontecer é a da América Latina, pois o aumento do número de seguidores do Corão não acompanha o ritmo registrado em outras partes do mundo. Oque, por conseguinte, aponta essa parte da América como a única região onde a taxa de crescimento da população estimada para 2050 supera com folga o aumento de muçulmanos.
O islã, como se pode deduzir no parágrafo acima, é de fato a religião que mais cresce no mundo. O levantamento prevê que, entre 2010 e 2050, enquanto a média de cresci…

Terceira Posição: sintese Histórica e Ideologica

tradução: Gabriel Pimentel
Recentemente tem havido algumas discussões no que diz respeito ao que constitui ao terceiro posicionamento politico. Eu decidi tomar ele próprio como tema, e iniciar uma discussão sobre a história da terceira posição, suas variantes, e algumas dessas variantes como princípios ideológicos.
Eu não quero que este tema para se degrade em um debate sobre se ou não conceitos tais como o nacional-anarquismo são compatíveis com o nacionalismo "terceirista", esta discussão é principalmente sobre a história e a ideologia dos movimentos de terceira posição, por isso peço a todos centrem esta conversa em torno destes temas exclusivamente.
Definição:
O conceito de terceira posição é algo muito básico. É uma vértice que se dissipa entre o capitalismo e o socialismo, algo como uma "terceira opinião".
Os historiadores e teóricos políticos normalmente usam o termo para descrever várias correntes ideológicas nacionalistas que se originaram no início do século 2…

Mark Weber: A liderança judaica na Revolução Bolchevique e o início do Regime soviético

Por Mark Weber
Na noite de 16-17 de julho de 1918, uma esquadra da polícia secreta Bolchevique assassinou o último imperador da Rússia, o Czar Nicolau II, junto com sua esposa, a Czarina Alexandra, seu filho mais velho de 14 anos, o Czaverch Alexis, e suas quatro filhas. Eles foram abatidos numa salva de balas num pequeno espaço de um cômodo da casa em Ekaterinoburgo, uma cidade na região dos Montes Urais, onde eles estavam mantidos como prisioneiros. A complementação da execução das filhas foi feita com baionetas. Para prevenir o culto ao Czar morto, os corpos foram descartados para o campo aberto e apressadamente enterrados em um túmulo secreto.
Avaliando o sinistro legado do comunismo soviético
As autoridades Bolcheviques inicialmente relataram que o imperador Romanov tinha sido baleado após a descoberta de um plano para liberar ele. Por algum tempo as mortes da Imperatriz e das crianças foram mantidas em segredo. Historiadores soviéticos alegaram por muitos anos que bolcheviques loca…

Gudrun Burwitz, a filha de Himmler, ativismo e família

Gudrun Burwitz, hoje com 86 anos. Na foto, aos desperdice dos netos no subúrbio do Munique, onde mora até hoje
Ao acenar adeus a seus netos, Gudrun Burwitz apresenta a figura de uma mulher pronta para viver o resto de seus dias em paz e sossego. Porém, a filha de Heinrich Himmler ainda trabalha em um ritmo forte em seu ativismo a favor dos perseguidos pelo sistema por serem ou trabalharem para o nacional-socialismo.
A Sra. Burwitz sempre alimentou a memória de seu pai, o homem que dirigia a Gestapo, e a SS como um homem bom e digno.
E apesar de sua idade avançada, formada advogada, ela continua a ajudar antigos integrantes do nacional-socialismo a escapar da perseguição judicial a qual foram impostos pelos inimigos da Alemanha. 
Como a figura de liderança do grupo Stille Hilfe – Ajuda Silenciosa – ela provê todo tipo de ajuda, inclusive financeira, aos ex-integrantes nazi e colaboradores. Grupo formado em 1951 por um grupo de oficiais de alta patente das SS, na Alemanha, o grupo existe pa…